Imagem da matéria: Descentralização é o futuro, mas vem com custos mais altos, afirma especialista
Leo Kahn da Cross Finance na Ethereum Rio 2024 (Foto: Fernando Martines/Portal do Bitcoin)

Durante a Ethereum Rio 2024, uma discussão sobre os desafios e promessas da descentralização ganhou destaque por conta da fala enfática de Leo Kahn. O executivo da Cross Finance subiu ao palco de um dos painéis e ressaltou que a descentralização é inerentemente mais cara que os antigos meios.

Após o painel de debate, o Portal do Bitcoin conversou com Kahn para entender em detalhes sua visão sobre esse desafio: por que a descentralização precisa ser mais cara?

Publicidade

O executivo entende que a descentralização é uma área emergente, com menos infraestrutura e menos desenvolvedores em comparação com gigantes consolidados da tecnologia.

“Qualquer coisa que é nova e escassa torna-se muito mais cara,” disse Kahn. Ele comparou a evolução da tecnologia blockchain com a da computação em nuvem, que se tornou uma indústria trilionária ao longo de uma década. “Os três principais provedores, Google, Amazon e Microsoft, são empresas de dois trilhões de dólares. Eles têm trilhões de dólares e estão por aí há décadas,” explicou.

A Cross Finance oferece uma integração entre carteiras como MetaMask e outras com a rede Visa. Assim, a pessoa pode pagar em qualquer lugar que aceite cartão dessa bandeira usando o sistema da empresa. Há pessoas que conseguiram pagar por um hambúrguer em um food truck usando o próprio sistema no Porto Maravalley, no Rio de Janeiro.

Kahn reconheceu que sempre haverá um custo associado à descentralização. “A descentralização sempre terá um preço, é algo inevitável. É um produto caro,” afirmou ele.

Publicidade

Mas o executivo acredita firmemente que a descentralização oferece um valor significativo em termos de liberdade e controle pessoal. “Eu não acredito em dar todos os meus dados, todo o meu controle, todas as minhas coisas financeiras e informações privadas para uma empresa e eles controlarem e ditarem o que precisa ser feito”, disse.

Futuro descentralizado

Khan também destacou a importância de se adotar ferramentas modernas para construir a infraestrutura do futuro. Ele mencionou que tecnologias como blockchain, prova de participação, permissão e conhecimento zero são essenciais para a evolução contínua do espaço de blockchain. “Se você quer construir para o amanhã, você tem que usar as ferramentas de amanhã”, disse ele.

Ele previu que, com o tempo, a descentralização se tornará dominante, impulsionada por avanços em computação quântica e outras tecnologias emergentes. “Eventualmente, isso vai prevalecer”, disse Khan, otimista sobre o futuro da descentralização.

Concluindo sua fala, ele enfatizou que a descentralização, apesar de seu custo, é um pequeno preço a pagar pela liberdade que oferece. “Liberdade não é gratuita”, concluiu, destacando que muitas pessoas na indústria compartilham essa visão.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração mostra logotipo Solana à frente de gráfico de trading

Fundação Solana pune validadores acusados de “ataque do sanduíche”

Os ataques do sanduíche (sandwich attacks) vão contra as regras estabelecidas pela Fundação; Entenda
smartphone com logotipo da Toncoin TON à frente de monitor que mostra gráfico de mercado

Semana Cripto: Bitcoin cai enquanto Toncoin sobe e se aproxima da Dogecoin em valor de mercado

Criptomoedas de grande capitalização como PEPE e WIF também tiveram quedas de até 20% na semana
Ilustração de moeda NOT dourada com logotipo do jogo Notcoin do Telegram

Manhã Cripto: Bitcoin entra em compasso de espera, mas Notcoin dispara 5%

Notcoin, um jogo Play-to-Earn no Telegram, anunciou que sua base total de jogadores agora é de 40 milhões
Imagem de Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin

Gilmar Mendes mantém prisão de Glaidson Acácio dos Santos, criador da GAS Consultoria

A defesa do ‘Faraó do Bitcoin’ alegou problemas psiquiátricos e uso de medicamento controlado, além de questionar a jurisdição acerca da competência para os processos