Imagem da matéria: Depois de sumir com bitcoins de clientes, Diego Vellasco inaugura casa noturna em MG
Vellasco foi o criador do My Alice (Foto: Reprodução/Facebook)

Após ter deixado o projeto My Alice que lesou diversos investidores sem explicar como centenas de bitcoins foram perdidos, Diego Vellasco saiu do mundo das criptomoedas e resolveu agora abrir uma casa noturna em São Lourenço, em Minas Gerais.

Segundo informações do site O Popular, a Lux Night Club será inaugurada na próxima quinta-feira (31).

Publicidade

Localizada na via Ramon, (Antiga choperia 180 graus), a nova casa noturna seria mais um empreendimento de Vellasco e a esposa dele, Tamara.

A Lux night Club vai funcionar de quinta à domingo. Sendo que às quintas-feiras a casa promete ter grandes nomes do sertanejo e aos domingos serão promovidos almoços beneficentes.

Além da casa noturna, Vellasco e Thamara possuem uma loja de roupas localizada na galeria João Lage, chamada Red Queen. Esse local, inclusive, tem sido o ponto de venda dos ingressos desde o último sábado (26) para noite de inauguração.

Do My Alice ao Lux

O empreendedor, no entanto, há pouco menos de seis meses dizia estar desesperado para resolver o problema com Bitcoins sumidos, o que teria levado a empresa My Alice a bloquear saques de inúmeros clientes.

Vellasco agora, no segmento de casas noturnas, promete buscar “oferecer comodidade e dar um atendimento de qualidade ao público”.

Bitcoins perdidos

Em junho deste ano, o escândalo envolvendo o My Alice numa espécie de fraude veio à tona. Após o vazamento de áudios de Vellasco ficava claro a intenção do fundador da empresa em colocar um laranja em seu lugar.

Publicidade

Jean Kássio, sócio programador da companhia, foi quem havia jogado nas redes sociais os áudios de Vellasco. O fundador do My Alice já havia até anunciado um novo empreendimento: a VL Capital.

Vellasco disse na época que estava saindo do My Alice para se dedicar a nova empresa. Em decorrência desse fato, o empresário então passou o My Alice para um um suposto investidor de nome Samuel Ribeiro. A verdade, no entanto, é que Ribeiro não passava de um laranja para assumir o rombo de 120 Bitcoins.

Aos investidores que foram lesados, a empresa culpou a Binance pelo ocorrido, alegando que a corretora tivesse bloqueado o saldo, mesmo sem mostrar provas.

VOCÊ PODE GOSTAR
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide