Imagem da matéria: Day trader brasileiro desaparece com dinheiro de clientes e apaga redes sociais
Trader Vinicius Ibraim apagou as redes sociais (Foto: Arquivo Pessoal)

Com mais de 200 mil seguidores no Instagram, vendendo cursos presenciais a R$ 5 mil e operando na Bolsa de Valores ao vivo, o trader Vinícius Ibraim desapareceu após ter tido perdas, segundo clientes, de até R$ 30 milhões. Pelo menos 300 pessoas podem ter sido lesadas.

Vinícius dizia ser um trader com 20 anos de experiência, o que não foi possível comprovar. Além disso, também prometia aos clientes uma rentabilidade fixa de 2% por mês em um falso fundo de investimentos que levava seu nome. O produto, porém, não só não era registrado na Comissão do Valores Mobiliários como também não tinha nem um CNPJ.

Publicidade

“Conheci o Vinicius pelas redes sociais”, disse uma vítima que não quis ser identificada. “Apliquei R$ 2 mil na Vinicius Ibraim Investimentos. Quando vi os resultados positivos, investi mais R$ 13 mil no mês seguinte”.

Um dos promotores do trader era Jeferson Russef, descrito pelos clientes como “sócio” e “braço direito” de Vinícius. Ele afirmou ao Portal do Bitcoin que só fazia a divulgação e o marketing da empresa:

“Referente a valores perdidos e valores do fundo de investimento eu não tenho nada a declarar. Isso é tudo com o Vinícius e com a empresa dele. Os contratos eram todos com ele, transferências era direto na conta dele. Eu não fazia nada além do marketing digital”.

Trader “roubou a gente”

“A impressão que eu tenho é que ele roubou a gente mesmo”, disse um cliente de São Paulo que investiu R$ 45 mil.

Publicidade

Ele acredita que a plataforma é apenas fictícia: “É uma plataforma que ele mesmo montou. Na semana passada o cara desapareceu, não deu justificativa nenhuma”.

Ibraim operava ao vivo com a plataforma Profitchart e vendia via Hotmart a possibilidade dos alunos assistirem suas operações pelo Zoom. Um aluno também de São Paulo, que pediu anonimato, desembolsou R$ 2 mil para poder acompanhá-lo pela internet.

O paulistano, que trabalha em uma empresa de tecnologia e opera desde o ano passado, disse que acompanhou Vinicius por duas semanas e que não o viu perder nenhuma vez.

Ele investiu R$ 10 mil em um suposto fundo propagandeado. Conforme documentos enviados pela vítima, o investimento era feito por depósito diretamente em uma conta no Banco Original do trader.

Publicidade

O ex-aluno lembra que o day trader rodava o Brasil dando cursos presenciais que podiam custar até R$ 5 mil e que ele sabia operar no mercado.

“Eu uso a mesma plataforma de trade que ele. Não tinha como ele estar operando na conta demo”, disse.

Trade errado?

Há diversos rumores sobre o problema, mas ainda não foi possível saber o que de fato aconteceu. Alguns clientes dizem que Vinicius estava operando ao vivo na semana passada quando começou a perder.

Uma das vítimas disse que estava operando na sala de operações no mesmo dia:

“Quando eu saí da sala, ele estava em R$ 40 mil negativo numa conta que ele tinha cerca de R$ 1,2 milhão”, disse.

É possível também que Vinicius tivesse robôs que replicassem as operações que fazia, o que pode ter feito ele perder tudo do fundo. Contudo a informação não pôde ser confirmada.

Por outro lado, também é possível que ele tenha dado um chamado exit scam — inventado uma desculpa para levar o dinheiro dos clientes, uma vez que é impossível manter ganhos fixos de 2% ao mês que ele prometia no suposto fundo.

Publicidade

A reportagem tentou falar com o trader, mas não foi possível encontrá-lo visto que ele apagou todos os canais de contato.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Usuários da 99Pay têm chaves PIX vazadas, alerta Banco Central

Usuários da 99Pay têm chaves PIX vazadas, alerta Banco Central

Também foram potencialmente expostos dados como nome do usuário, CPF com máscara, instituição de relacionamento, agência e número da conta
Imagem da matéria: Real completa 30 anos com desvalorização de mais de 40% no período

Real completa 30 anos com desvalorização de mais de 40% no período

Lançado em julho de 1994, o real já chegou a valer mais que o dólar quando havia paridade cambial