Imagem da matéria: CVM suspende registros de Companhias falidas que já não tinham ações na bolsa
Foto: Shutterstock

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) suspendeu registro de cinco companhias pelo fatos de elas descumprirem a obrigação de prestar informações ao órgão por mais de um ano. O problema, porém, é que essas sociedades já estavam falidas e assim não havia nenhum valor mobiliário delas negociados na bolsa ou nos balcões.

Segundo o edital publicado na quinta-feira (30), o Banco Cruzeiro do Sul S.A.; Compesca Cia Bras de Pesca; Pró Metalurgia S.A.; Transparaná S.A.; e a Sam Indústrias S.A.; não podem ter seus valores mobiliários negociados “em mercados regulamentados, quais sejam, balcão organizado, bolsa ou balcão não organizado”, enquanto não regularizarem a situação delas junto à CVM.

Publicidade

O órgão toma medidas como essa a fim de que as companhias abertas não deixem de prestar periodicamente informações “úteis à avaliação dos valores mobiliários” por elas emitidos.

A Instrução Normativa da CVM 480, que dispõe sobre “o registro de emissores de valores mobiliários admitidos à negociação em mercados regulamentados” é que traz esse regramento. De acordo com essa norma, as companhias abertas podem, entretanto, a qualquer tempo reverter a situação.

Decisão da CVM sem efeito

No último dia 17, uma decisão semelhante da CVM acabou ensejando a retirada dos valores mobiliários emitidos pelas companhias CapitalPart e João Fortes Engenharia. Desta vez, porém, a situação é outra.

A B3 informou ao Portal do Bitcoin que o Banco Cruzeiro do Sul S.A.; a Compesca Cia Bras de Pesca; Pró Metalurgia S.A.; Transparaná S.A.; e a Sam Indústrias S.A. não estão listadas na bolsa.

Publicidade

“Todas as empresas citadas são massas falidas e em processo de liquidação. Nenhuma delas está listada na B3”.

Companhias falidas

Na própria publicação feita pela CVM, já consta que a Compesca e da Pró Metalurgia estão em liquidação enquanto que as demais foram convertidas em massa falida.

Antes da decisão CVM, a Transparaná S.A. já estava com seu registro cancelado junto à BM&FBovespa desde março de 1999. A BMF “cancelou autorização para negociação em 11/12/1998”. 

O mesmo sucedeu, então, com a Pró Metalurgia S.A. A BM&FBovespa mencionou em seu site que houve o cancelamento do registro em agosto de 2014 por “solicitação da empresa devido ao processo de liquidação extrajudicial”.

O Banco Cruzeiro do Sul teve sua liquidação decretada pelo Banco Central ainda em 14 de agosto de 2012. A falência, no entanto, se iniciou bem depois, em 2016, por meio da ação nº 1071548-40.2015.8.26.0100 movida pelo próprio Banco Cruzeiro Sul. 

Publicidade

De acordo com o processo que tramita ainda na 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, o administrador judicial da instituição financeira é a Laspro Consultores, que hoje também cuida da recuperação judicial da BWA Brasil.

Regras da CVM

As companhias de capital aberto devem prestar periodicamente informações “úteis à avaliação dos valores mobiliários” por elas emitidos. Caso contrário, elas correm o risco de terem o registro suspenso. 

Essas informações, portanto, incluem demonstrações financeiras; formulário de demonstrações financeiras padronizadas – DFP e formulário de informações trimestrais (ITR); além de manter o cadastro atualizado. Qualquer falta nessas informações pode levar a companhia a ter o registro suspenso.

Se fosse o caso de uma companhia ativa, ela ainda assim poderia reverter o cenário e voltar a ter suas ações e outras espécies de valor mobiliário negociados na Bolsa.

Para isso, a Sociedade Anônima de capital aberto deve encaminhar à  Superintendência de Relações com Empresas da CVM (SEP) um pedido de reversão da suspensão, devidamente fundamentado e acrescido de documentos que comprovem o cumprimento das obrigações em atraso”.

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais