Criador da Genbit, Nivaldo Gonzaga, ao lado de jatinho
Criador da Genbit, Nivaldo Gonzaga, ao lado de jatinho. (Imagem: Reprodução/TV Record)

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) condenou na quinta-feira (22) a Gensa Serviços Digitais e seu sócio, Gabriel Tomaz Barbosa, a pagarem uma multa de R$ 930 mil cada um, totalizando R$ 1,86 milhão. Barbosa é filho Nivaldo Gonzaga, líder da Genbit e Zero10 Club, investigado por estelionato na Justiça de São Paulo.

De acordo com o relatório do julgamento da CVM, Gensa e Barbosa realizaram oferta irregular de valores mobiliários por meio de contratos de investimento coletivo (CIC), cujo procedimento requer registro ou dispensa da autarquia. A primeira denúncia, diz o documento, que revelou a oferta de investimento com ganhos fixo de 15% em criptomoedas, foi apresentada em outubro de 2018.

Publicidade

“Pelo exposto, com fundamento no art. 11, II, da Lei n° 6.385/1976, voto pela condenação da Gensa Serviços Digitais S.A. (Zero10 Club) e de Gabriel Tomaz Barbosa à penalidade de multa pecuniária a ser aplicada a cada um, individualmente, no valor de R$ 930.000,00 (novecentos e trinta mil reais), pela realização de oferta de valores mobiliários sem a obtenção do prévio registro perante a CVM nem sua dispensa, em infração ao disposto no art. 19 da Lei nº 6.385/1976 e nos arts. 2º e 4º da Instrução CVM nº 400/2003”, diz a sentença.

A CVM diz que mesmo alertados em 2019 a empresa e o sócio continuou afrontando a entidade com oferta de investimento. Mesmo depois de um stop order, diz o relatório, a CVM seguiu recebendo consultas e denúncias sobre a reincidência e aprimorou o rigor de sua atuação disciplinar, aplicando multa diária de R$ 5 mil.

“Os Acusados afrontaram esta autarquia, utilizando-se de artifícios para continuar e reincidir nas condutas ora analisadas. Devidamente citados, os acusados não apresentaram razões de defesa”, diz outro trecho do documento.

Acerca de um suposto esquema de pirâmide financeira na Genbit e Zero10 Club, o documento diz que “não cabe à CVM analisar se ocorreu no caso esquema de pirâmide financeira, diagnóstico que deve ser conduzido pela autoridade penal competente”. Para isso, o órgão encaminhou o relatório para o Ministério público ”para as providências que entenderem cabíveis no âmbito de suas competências”.

Publicidade

Genbit e Zero10 Club

O criador da Genbit, Nivaldo Gonzaga, que se apresentava como empreendedor digital e  ostentava carros de luxo e jatinho nas redes sociais, também atuava em outras empresas controversas, como Índaco Equilíbrio e a Prosperity Clube, antes de migrar para o mercado novo das criptomoedas na época.

Estima-se que os negócios de Nivaldo e Barbosa fizeram cerca de 45 mil vítimas em esquema de pirâmide. Quando a casa começou a cair, ou seja, deixou de pagar os investidores, a Genbit colocou em prática a outra parte do plano, que consistia em querer pagar os credores com um token próprio. O ativo, sem valor comercial, foi chamado de “Treep Token” (TPK). 

O fim da Genbit não foi diferente de tantos outros casos controversos que vieram à tona nos últimos tempos no Brasil. Unick Forex e Indeal, por exemplo, são entidades protagonistas de casos similares na Justiça.

Participe da comunidade de criptomoedas que mais cresce no Brasil. Clique aqui e venha conversar no Discord com os principais especialistas do país.

VOCÊ PODE GOSTAR
Uniswap, venture, criptomoedas, investimentos, web3

Manhã Cripto: Token da Uniswap despenca 17% após alerta de processo da SEC e Bitcoin recupera os US$ 70 mil

CEO da Uniswap, Hayden Adams, disse não estar surpreso, “apenas irritado, desapontado e pronto para lutar”
Tigran Gambaryan, chefe de compliance da Binance, posa para foto

Executivo da Binance é transferido para prisão subterrânea na Nigéria 

A Justiça transferiu Tigran Gambaryan para presídio após fuga de seu colega da Binance que também estava detido na Nigéria
Senado, Congresso, Câmara dos Deputados, Brasília, Parlamento

Segregação patrimonial no mercado cripto será tema de audiência pública na Câmara

Na justificativa para a audiência, o deputado Aureo Ribeiro disse que práticas adotadas por algumas exchanges despertam “graves preocupações”
Imagem da matéria: Runes vai ajudar o Bitcoin a competir com Ethereum e Solana, diz Franklin Templeton

Runes vai ajudar o Bitcoin a competir com Ethereum e Solana, diz Franklin Templeton

Segundo a empresa de investimentos, o Runes tem o potencial de ajudar o ecossistema Bitcoin como um todo a competir com o Ethereum e a Solana