Imagem da matéria: CVM multa Paraná Clube em R$ 438 mil por oferta irregular de ações
Camisa do Paraná Clube (Foto: Divulgação)

O Paraná Clube foi condenado nesta terça-feira (08) pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a pagar R$ 438 mil por realizar oferta pública de ações sem registro na autarquia em um caso que vinha desde 2013.

O objetivo do processo era apurar a responsabilidade do time no caso da Atletas Brasileiros S.A, um projeto no qual foram criados o equivalente a ações do clube emitidas por essa empresa e oferecidas a funcionários e colaboradores.

Publicidade

Conforme o processo, a intenção era fazer a distribuição secundária de até 3.000.000 de ações ordinárias do do Clube, em lotes de 10.000 ações cada, pelo valor de R$ 7.300. A estimativa era captar até R$ 2.190.000,00, com a venda de até 300 lotes de ações.

As vendas, diz o processo, foram anunciadas pela imprensa local e estavam disponíveis para aquisição no site do Paraná, o que se caracterizaria uma oferta pública.

No julgamento, a diretora da CVM Flávia Sant’Anna Perlingeiro argumenta que esse tipo de oferta deveria ter sido registrada na autarquia uma vez que o público-alvo incluía investidores não qualificados que “muito provavelmente não tinham conhecimento dos riscos envolvidos em investimentos de tal natureza”.

O caso foi encaminhado ao Ministério Público Federal de São Paulo para os próximos passos.

Conforme o relatório do caso, a CVM enviou duas intimações ao clube desde janeiro de 2017, mas não houve apresentação da defesa. Procurado pela reportagem, o Paraná não respondeu até a publicação deste texto.

VOCÊ PODE GOSTAR
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo
Moedas de Bitcoin sobre mesa espelhada

Estudo mostra que 61% dos investidores brasileiros não pretendem vender Bitcoin

Pesquisa realizada pela Bitget releva otimismo pós-halving do Bitcoin
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos