Caixão Bitcoin
Shutterstock

Desde novembro do ano passado, quando o Bitcoin atingiu sua máxima histórica de preço, até esta sexta-feira (1º), o número de endereços da blockchain do Bitcoin “milionárias” – ou seja, com valores que correspondem a mais de US$ 1 milhão – caiu dramaticamente: de 108.866 para 25.601, uma queda de 76%. Os dados são do Bitinfocharts.com.

O número de endereços que possuem mais de US$ 10 milhões em Bitcoin também caiu muito: de 10.587 em novembro de 2021 para 4.276 agora, uma queda de 60%.

Publicidade

O indexador de dados mostra que atualmente a maior reserva de Bitcoin é a cold wallet da Binance, que possui 252.597 BTC, o que agora equivalem a US$4,8 bilhões.

Máxima histórica

No dia 9 de novembro de 2021, o Bitcoin (BTC) foi às alturas e bateu um novo recorde de US$ 68.530. 

A criptomoeda líder do mercado consolidava seu preço há três semanas naquele momento, na maior parte do tempo acima do nível de US$ 60 mil, mas ainda sem forças para replicar o desempenho de meados de outubro de 2021. Quando a segunda semana de novembro começou, no entanto, o bitcoin voltou a acumular ganhos significativos.

Como de costume, a alta do bitcoin se intensificou na abertura do mercado asiático, a partir das 20h da noite e, em menos de três horas, o bitcoin foi de US$ 66 mil para US$ 68.500.

O Coingeko aponta como maior preço um pico de US$ 69.044 também no dia 9 de novembro de 2021.

Nesta sexta-feira, 1º de julho de 2022, o Bitcoin está cotado em US$ 19.409. A desvalorização é de mais de dois terços: 71%.

Publicidade

Trimestre desastroso

bitcoin (BTC) também registrou sua queda trimestral mais drástica em 11 anos conforme o preço da principal criptomoeda do mercado despencou em cerca de 56,27% entre abril e junho, de acordo com dados da empresa de análise em blockchain Skew.

Após um relativamente calmo primeiro trimestre de 2022, que fez o bitcoin cair em apenas 1,46%, a maior criptomoeda despencou de acima de US$ 45 mil no início de abril para abaixo de US$ 20 mil no dia 30 de junho — chegando a menos de US$ 18 mil nesse período.

Foi o pior desempenho trimestral desde o terceiro trimestre de 2011, quando o bitcoin caiu em 66,62% — de US$ 15,40 a US% 5,14 —, que também foi pior do que as quedas drásticas registradas no primeiro e quarto trimestres de 2018, quando o BTC perdeu 49,89% e 42,54%, respectivamente.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Importação de criptomoedas no Brasil dobra e chega a R$ 14 bilhões no 1º bimestre

Importação de criptomoedas no Brasil dobra e chega a R$ 14 bilhões no 1º bimestre

Dados do Banco Central mostram que a importação de criptoativos saltou de US$ 1,4 bilhão no primeiro bimestre de 2023, para US$ 2,9 bilhões no início deste ano
Imagem da matéria: Wormhole diz pagar mais de 999% na semana em staking de novo token

Wormhole diz pagar mais de 999% na semana em staking de novo token

Token W, lançado esta semana, está chamando atenção ao render mais de 999% em staking na plataforma Kamino
Brad Garlinghouse, CEO da Ripple , posa para foto

Mercado de criptomoedas vai valer US$ 5 trilhões até final do ano, prevê CEO da Ripple

Brad Garlinghouse justifica seu otimismo pelo halving do Bitcoin e um possível impulso regulatório positivo do mercado cripto nos EUA
Logo da Binance

Binance anuncia conselho diretor global, mas não revela onde será sua sede

Entre os três membros externos estão dois executivos do mercado financeiro e um ex-embaixador de Barbados nos Emirados Árabes Unidos