Silicon Valley Bank
Shutterstock

A negociação institucional de criptomoedas desmoronou após uma série de falências de bancos norte-americanos de alto perfil em março deste ano, de acordo com a plataforma de inteligência blockchain Chainalysis.

De acordo com o último relatório da empresa sobre a atividade cripto na América do Norte, o volume de transações “institucionais” – definido como transações no valor de mais de US$ 10 milhões – despencou a partir de abril de 2023, enquanto atividades comerciais menores, definidas como “profissionais” e “varejo”, “permaneceram constantes”.

Publicidade

“A atividade cripto contraiu mais nos meses imediatamente após a crise bancária de março, que viu o Silicon Valley Bank e os bancos favoráveis à criptoativos Signature e Silvergate fecharem”, escreveram os autores do relatório.

O evento acumulou uma tendência de desaceleração da atividade comercial desde o fracasso de inúmeras exchanges de criptomoedas e mesas de empréstimo no ano passado – especialmente FTX e Alameda Research em novembro.

Meses mais tarde, a Silvergate foi forçada a encerrar as suas atividades depois que suas ligações suspeitas à fraude massiva em ambas as empresas a terem colocado no radar dos reguladores. Dias depois, o Silicon Valley Bank (SVB) também quebrou devido a uma corrida de saques após a empresa ter percebido uma perda multibilionária na sua carteira de títulos. À medida que o pânico se espalhou por outros bancos, o Signature Bank também foi colocado em concordata.

Embora as três empresas tenham caído por razões diferentes, o efeito da sua queda foi o mesmo: as empresas de criptomoedas ficaram com dificuldades em encontrar opções para aceder à liquidez em dólares e muitas foram forçadas a encontrar apoio bancário offshore.

Publicidade

Na verdade, as stablecoins – das quais 90% da atividade global ocorre em tokens indexados ao dólar – começaram a perder grande presença na América do Norte em fevereiro. Entre abril e junho, a participação da região no volume de cripto ocupada por stablecoins caiu de 70,3% para 48,8%.

“Desde a primavera de 2023, a maioria dos fluxos de stablecoin para os 50 maiores serviços de criptomoedas mudou de serviços licenciados nos EUA para serviços licenciados fora dos EUA”, acrescentou a Chainalysis.

A crise bancária abalou o cenário das stablecoins, fazendo com que a Circle USD (USDC), a segunda maior stablecoin, perdesse brevemente sua atrelagem ao dólar. O evento fez com que muitos investidores trocassem o token pelo Tether (USDT), que agora possui um valor de mercado de mais de US$ 82 bilhões.

*Traduzido com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Letras que formam a sigla ETF próximas a uma moeda dourada de Bitcoin (BTC)

ETFs de Bitcoin têm novo dia de saídas com fluxo de US$ 226 milhões liderado pela Fidelity

O único ETF de Bitcoin a ter entrada líquida na quinta foi o IBIT da BlackRock, o maior em valor patrimonial líquido, com fluxo positivo de US$ 18 milhões
Tigran Gambaryan, chefe de compliance da Binance, posa para foto

Deputados pressionam Biden para trazer de volta aos EUA executivo da Binance detido na Nigéria

Em carta ao executivo, os deputados alegam que Tigran Gambaryan está na condição de refém do governo da Nigéria e corre risco de morrer de malária
Mãos humanas e robótica tocam as pontas dos dedos

Novo modelo de Inteligência Artificial do Alibaba que desafia Meta e OpenAI

O mais recente modelo de Inteligência Artificial de código aberto supera o LLama3 da Meta, posicionando-se como um forte concorrente na corrida da IA
Imagem da matéria: O próximo Notcoin? Jogo baseado no Telegram, 'Hamster Kombat' lançará Token na TON

O próximo Notcoin? Jogo baseado no Telegram, ‘Hamster Kombat’ lançará Token na TON

O jogo de simulação de gerenciamento de criptomoedas afirma ter acumulado 60 milhões de usuários desde seu lançamento em março