Silicon Valley Bank
Shutterstock

A negociação institucional de criptomoedas desmoronou após uma série de falências de bancos norte-americanos de alto perfil em março deste ano, de acordo com a plataforma de inteligência blockchain Chainalysis.

De acordo com o último relatório da empresa sobre a atividade cripto na América do Norte, o volume de transações “institucionais” – definido como transações no valor de mais de US$ 10 milhões – despencou a partir de abril de 2023, enquanto atividades comerciais menores, definidas como “profissionais” e “varejo”, “permaneceram constantes”.

Publicidade

“A atividade cripto contraiu mais nos meses imediatamente após a crise bancária de março, que viu o Silicon Valley Bank e os bancos favoráveis à criptoativos Signature e Silvergate fecharem”, escreveram os autores do relatório.

O evento acumulou uma tendência de desaceleração da atividade comercial desde o fracasso de inúmeras exchanges de criptomoedas e mesas de empréstimo no ano passado – especialmente FTX e Alameda Research em novembro.

Meses mais tarde, a Silvergate foi forçada a encerrar as suas atividades depois que suas ligações suspeitas à fraude massiva em ambas as empresas a terem colocado no radar dos reguladores. Dias depois, o Silicon Valley Bank (SVB) também quebrou devido a uma corrida de saques após a empresa ter percebido uma perda multibilionária na sua carteira de títulos. À medida que o pânico se espalhou por outros bancos, o Signature Bank também foi colocado em concordata.

Embora as três empresas tenham caído por razões diferentes, o efeito da sua queda foi o mesmo: as empresas de criptomoedas ficaram com dificuldades em encontrar opções para aceder à liquidez em dólares e muitas foram forçadas a encontrar apoio bancário offshore.

Publicidade

Na verdade, as stablecoins – das quais 90% da atividade global ocorre em tokens indexados ao dólar – começaram a perder grande presença na América do Norte em fevereiro. Entre abril e junho, a participação da região no volume de cripto ocupada por stablecoins caiu de 70,3% para 48,8%.

“Desde a primavera de 2023, a maioria dos fluxos de stablecoin para os 50 maiores serviços de criptomoedas mudou de serviços licenciados nos EUA para serviços licenciados fora dos EUA”, acrescentou a Chainalysis.

A crise bancária abalou o cenário das stablecoins, fazendo com que a Circle USD (USDC), a segunda maior stablecoin, perdesse brevemente sua atrelagem ao dólar. O evento fez com que muitos investidores trocassem o token pelo Tether (USDT), que agora possui um valor de mercado de mais de US$ 82 bilhões.

*Traduzido com autorização do Decrypt.

Talvez você queira ler
Imagem da matéria: Enquanto EUA lutam para aprovar ETF de Bitcoin, produtos do Brasil já movimentam R$ 473 milhões 

Enquanto EUA lutam para aprovar ETF de Bitcoin, produtos do Brasil já movimentam R$ 473 milhões 

Brasil conta com ETFs de criptomoedas desde 2021 e já tem dois grandes produtos de Bitcoin à vista, liderados por Hashdex e QR Asset
Uma pessoa acena com uma das mãos em sinal de pare

Filipinas acusa Binance de operar sem licença no país

Segundo os reguladores, quem promover o acesso à corretora também pode ser responsabilizado criminalmente com multa e prisão
Smartphone com logo da Binance sob uma mesa de vidro

Binance libera saques para tokens excluídos e lista nova stablecoin lastreada em euro

A corretora vai dar mais 20 dias para os usuários sacarem seus fundos; veja data
Martelo de juíz em frente de bandeira da França

Tribunal francês absolve hackers que exploraram R$ 44 milhões em criptomoedas de protolocolo DeFi

Ao se declararem hackers do bem, os irmãos convenceram o juiz que eles agiram de boa fé por recompensa