Imagem da matéria: "Criptomoedas podem prejudicar dólar e ameaçar nações", diz Hillary Clinton
Ex-candidata à presidência dos EUA Hillary Clinton (Foto: Shutterstock)

Hillary Clinton, ex-candidata à presidência americana, afirmou que criptomoedas são “bem interessantes e exóticas”, mas têm o potencial de prejudicar o dólar americano.

“O que parece ser uma iniciativa bem interessante e exótica tem o potencial de prejudicar moedas, prejudicar o papel dos dólares como moedas de reserva e de desestabilizar nações”, disse Clinton durante o evento New Economic Forum da Bloomberg.

Publicidade

Ela acrescentou que, se estiver nas mãos das pessoas erradas, criptomoedas podem ser ameaças diretas a Estados-nação.

“Existe uma outra camada de atividades que podem ser extremamente desestabilizantes ou, nas mãos erradas ou em aliança com as pessoas erradas, podem ser ameaças diretas a muitos de nossos Estados-nação e certamente aos mercados monetários globais”, acrescentou.

Dito isso, Clinton tem a mesma opinião que o presidente Biden, cujas ações demostram que leva a sério os riscos das criptomoedas à segurança nacional.

A ex-candidata à presidência também possui opiniões parecidas com as do ex-presidente Donald Trump, que afirmou que o bitcoin “parece ser uma fraude” e que “é outra moeda que compete com o dólar”.

Criptomoedas, o dólar e a segurança nacional

Ao longo de 2021, o presidente Biden precedeu os comentários de Hillary Clinton ao enfatizar os riscos à segurança nacional relacionados a criptomoedas.

Publicidade

Este ano, o Departamento de Justiça dos EUA (ou DOJ, na sigla em inglês) anunciou que iria equiparar ransomware ao mesmo nível de prioridade do terrorismo, em meio à altos ataques de ransomware à Colonial Pipeline e JBS.

O presidente Biden também criou uma força-tarefa de ransomware com o propósito de combater ciberataques e rastrear pagamentos de ransomware com criptomoedas.

Preocupações sobre criptomoedas e segurança nacional são justificáveis, considerando a infinidade de evidências que demostraram como maus agentes podem usar a tecnologia.

Este ano, o Hamas admitiu que houve um aumento de doações em bitcoin após o conflito prorrogado com Israel. Andrew Anglin, fundador de um site neonazi, recebeu quase US$ 5 milhões em bitcoin desde janeiro de 2017.

Empresas de inteligência apoiadas pela Rússia também usam criptomoedas para influenciar eleições presidenciais americanas.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: MB lança campanha comemorativa de 11 anos com ‘cakeback’ e oferece chance de ganhar dois ETH

MB lança campanha comemorativa de 11 anos com ‘cakeback’ e oferece chance de ganhar dois ETH

Os incentivos serão válidos para clientes antigos e novos entrantes da plataforma; campanha seguirá ativa por todo o mês de junho de 2024
moedas de bitcoin e letras ETF

Analista prevê que ETFs de Ethereum podem capturar até 20% dos fluxos de ETFs de Bitcoin

Performance, contudo, pode depender de como a SEC vai classificar o staking de ETH
camisas das seleções da itália e Argentina

Socios.com lança colecionáveis que celebram o legado das seleções da Itália e Argentina

Para participar do ‘The Fabric of Champions’, os detentores de fan tokens podem bloquear seus ativos até 15 de julho
Kabosu, a cachorrinha Shiba Inu que inspirou a Dogecoin

Desculpem fãs da Dogecoin: plano de pagamentos do Twitter não inclui criptomoedas

O apoiador da Dogecoin, Elon Musk, está trabalhando para o lançamento de um serviço de pagamentos no Twitter que supostamente não inclui cripto por enquanto