Imagem da matéria: “Criptomoedas burlam as leis e devem enfrentar mais regulamentação”, diz diretor do BIS
Agustin Carstens, presidente do BIS em evento do FMI (Foto: Stephen Jaffe/FMI/Divulgação)

“Criptomoedas são usadas para burlar as leis e devem enfrentar mais regulamentação”, disse Agustin Carstens, diretor-geral do Banco de Compensações Internacionais (BIS), em entrevista à CNBC nesta quarta-feira (24). Para ele, há ausência de leis contra a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo para o novo setor. Sobre as CBDCs, argumentou que não vê nelas nenhum perigo ao sistema tradicional.

Entretanto, Carstens, que já foi presidente do Banco Central do México, disse que não vê as criptomoedas como uma ameaça aos bancos centrais e ao sistema financeiro tradicional, pois acredita que seu uso é apenas especulativo. Segundo ele, os ativos digitais não fizeram nenhum avanço em termos de servir como o dinheiro.

Publicidade

Criptomoedas e CBDCs

Sobre as stablecoins, na modalidade CBDC (Moeda Digital do Banco Central), ele ressaltou suas limitações e que por isso também não vê perigo na nova tecnologia frente ao sistema atual. “Elas têm sua própria função para fins muito específicos. Portanto, não vejo nenhum desafio para o dinheiro soberano”, comentou.

No ano passado, ressaltou o jornal, o BIS e vários bancos centrais, incluindo o Federal Reserve dos EUA, o Banco Central Europeu e o Banco da Inglaterra, publicaram um relatório apresentando alguns requisitos essenciais para as moedas digitais dos bancos centrais. Eles recomendaram que as stablecoins estatais fossem um complemento ao sistema, e não uma substituição.

“Acho que precisamos trabalhar na regulamentação para que esses instrumentos sejam adequados para o propósito”, disse Carstens, que não citou nenhum caso controverso específico. A CNBC, porém, lembrou o debate sobre a Tether (USDT), stablecoin da comandada pela chinesa Ifinex, empresa por trás da exchange Bitfinex.

O motivo é que há muito tempo há temores de que Tether pode não ter tido reservas suficientes de caixa para garantir todos os tokens em circulação, disse o jornal, ressaltando um recente acordo entre a empresa e a Procuradoria Geral de Nova York (EUA).

Publicidade

Na ocasião, em meados de fevereiro, o acordo dividiu a opinião de especialistas brasileiros do setor de criptomoedas. A advogada Tatiana Revoredo, por exemplo, acredita que o acerto deixa o mercado mais transparente. Já o escritor e colunista Christian Aranha disse que o acordo não foi positivo para o mercado.

Da condenação, além de ter que emitir o relatório sobre lastros, Tether e Bitfinex também foram banidas de Nova York e condenadas a pagar uma multa de US$ 18,5 milhões.

Talvez você queira ler
Imagem da matéria: Segregação Patrimonial e a Agenda Legislativa de Criptoativos no Congresso Nacional | Opinião

Segregação Patrimonial e a Agenda Legislativa de Criptoativos no Congresso Nacional | Opinião

O deputado Aureo Ribeiro comenta a importância da segregação patrimonial pelas empresas de criptomoedas que atuam no país; projeto de lei que trata do assunto pode ser votado nesta semana na Câmara
Imagem da matéria: Investidor erra e paga R$ 15 milhões em taxa para simples transação de Bitcoin

Investidor erra e paga R$ 15 milhões em taxa para simples transação de Bitcoin

Um bug ou desatenção ao preencher os detalhes da transação pode explicar o caro erro do misterioso investidor
Imagem da matéria: Lei escrita totalmente pelo ChatGPT é sancionada em Porto Alegre

Lei escrita totalmente pelo ChatGPT é sancionada em Porto Alegre

O vereador Ramiro Rosário só revelou sua metodologia após o prefeito de Porto Alegre sancionar a lei
Imagem da matéria: Grayscale faz reunião com reguladores dos EUA para debater proposta de ETF de Bitcoin

Grayscale faz reunião com reguladores dos EUA para debater proposta de ETF de Bitcoin

Analistas da Bloomberg Intelligence e do JP Morgan estimaram que a SEC provavelmente aprovará um ETF de Bitcoin à vista até o início de janeiro