Montagem com NFTs Bored Apes - Yuga Labs
Foto: Shutterstock

O mercado de NFTs multichain, Magic Eden, anunciou no sábado que lançará uma nova plataforma na rede Ethereum até o final do ano em colaboração com a criadora da Bored Ape Yacht Club, Yuga Labs, com o compromisso de honrar os royalties dos criadores sobre as vendas de NFTs.

As empresas disseram em um comunicado que a Magic Eden terá uma “obrigação contratual” de pagar à Yuga Labs sua parte nas vendas do mercado secundário de suas futuras coleções NFT.

Publicidade

“Estamos muito felizes em investir em algo que nós mesmos falamos e acreditamos”, disse Jack Lu, cofundador e CEO da Magic Eden, ao Decrypt.

Lu disse que o mercado no Ethereum reformulado da Magic Eden usaria novos contratos inteligentes — que contêm o código que alimenta os aplicativos descentralizados (dapps) — com inovações técnicas as quais, segundo ele, garantirão que os royalties sejam pagos durante as vendas no mercado secundário.

Os detalhes técnicos serão revelados antes do lançamento do mercado, mas Lu confirmou que o padrão ERC-721 do Ethereum de token não fungível (NFT) estará de fato em uso. Os NFTs cunhados com certas “propriedades do contrato do mercado” terão royalties aplicados.

A mudança não afetará a forma como os traders interagem com a Magic Eden, disse Lu; isso não significa, por exemplo, que eles terão que se identificar por meio de verificações do tipo “conheça seu cliente” (KYC).

Publicidade

Disputas de Royalties

Um royalty de criador é uma pequena taxa definida pelo artista ou empresa por trás de um projeto e retirada do preço de venda de qualquer venda subsequente de um NFT. A taxa normalmente varia entre 2,5% e 10% do preço de venda, e essas taxas foram inicialmente amplamente honradas pelos mercados como uma forma de os criadores se beneficiarem a longo prazo com suas criações tokenizadas.

Porém, no segundo semestre de 2022, com o declínio das vendas de NFTs, alguns mercados emergentes começaram a usar soluções alternativas para permitir que os traders ignorassem essas taxas de criadores ou pagassem valores menores. Os principais participantes seguiram o exemplo para acompanhar o ritmo, e o proeminente mercado OpenSea acabou decidindo parar de cobrar royalties em agosto passado, depois de se comprometer anteriormente a honrar essas taxas.

A Yuga Labs criticou a OpenSea no final de 2022, quando disse publicamente que havia considerado abandonar os royalties, e voltou a atacá-la em agosto deste ano, depois que a decisão foi tomada. A criadora da coleção Bored Ape disse que planejava parar de oferecer suporte aos contratos de mercado do OpenSea com novas coleções e coleções com contratos atualizáveis.

“Obviamente, a gênese disso foi o que vimos acontecer no ecossistema geral com royalties secundários”, disse Daniel Alegre, CEO da Yuga Labs, ao Decrypt. “O desafio que a OpenSea lançou infelizmente deixou muito claro para nós que a gente, enquanto uma empresa na vanguarda do espaço NFT, tinha que defender os criadores de conteúdo.”

Publicidade

Um comunicado à imprensa da Yuga Labs e da Magic Eden anunciando a notícia parece criticar sutilmente a OpenSea, observando que as empresas “deixaram claro que respeitar os royalties dos criadores não é negociável, uma posição clara em meio a um mar de outros mercados que dão as costas aos empreendedores criativos”.

“A partir de agora, para novas coleções, a Yuga Labs se envolverá exclusivamente com mercados que defendam esses princípios, garantindo o tratamento justo dos criadores”, observa o comunicado.

Alegre disse que a Magic Eden — que também está em um grupo de trabalho com a Yuga Labs na OMA3 (Open Metaverse Alliance of Web3) para aprimorar os padrões de royalties — se comprometeu a resolver quaisquer brechas ou soluções alternativas com essa nova solução tecnológica.

E esse também não é um acordo de exclusividade com a Magic Eden. As empresas afirmam que outros mercados podem optar por usar os mesmos tipos de contratos introduzidos por meio dessa colaboração, e que a Yuga Labs espera que eles sejam amplamente adotados. Além disso, outros criadores de NFTs podem cunhar seus projetos usando os contratos para adotar proteções semelhantes.

Mudança de estratégias

A Magic Eden, mais conhecida por sua iteração original em Solana, é um dos mercados mencionados acima que mudou para royalties opcionais no ano passado após a pressão de rivais em ascensão. A plataforma também lançou um mercado de NFT no Ethereum no outono passado, mas acabou retirando-o do ar antes do renascimento planejado.

Publicidade

Lu reconheceu que a Magic Eden “passou por suas próprias mudanças” em relação à aplicação dos royalties em Solana, mas que sempre quis apoiar os criadores — só queria uma “solução técnica” para isso. Essas soluções surgiram em Solana no ano passado, e agora a Magic Eden está entre os criadores que tentam implementar esses padrões também na Ethereum.

“Queremos estar do lado certo da história”, disse Lu.

Alegre disse que está confiante de que essa abordagem de apoio aos mercados que aplicam royalties funcionará e que a Magic Eden trabalhará para resolver quaisquer deficiências da tecnologia quando ela estiver disponível. Mas ele também admitiu que a Yuga tem outra maneira potencial de incentivar os traders a usar esses mercados: reter benefícios futuros para aqueles que comprarem NFTs em outro lugar.

O CEO da Yuga disse que a empresa “fornecerá valor aos detentores que se envolverem com as plataformas que fizerem mais sentido”. Perguntado se haverá consequências para os compradores de NFT que adquirirem ativos da Yuga em mercados que não aplicam royalties, Alegre respondeu que sua equipe “ainda está pensando exatamente no que isso significa”.

“Você pode imaginar situações em que dizemos: ‘Olha, se a última negociação foi feita em uma determinada plataforma, então certos benefícios em termos de engajamento contínuo ou experiências contínuas podem, na verdade, não ser aproveitados pelo detentor desse ativo'”, explicou Alegre. Mas ele disse que a Yuga prefere não “colocar o ônus sobre o consumidor” para lidar com isso, porque se torna algo “complicado”.

“A maneira ideal é, na verdade, garantir que você esteja trabalhando com o parceiro certo”, disse ele sobre a Magic Eden, “e direcionar o máximo de tráfego possível para esse parceiro”.

Essa capacidade de restringir regalias e benefícios aos detentores de NFT é enquadrada como um possível plano de backup por enquanto — uma opção nuclear, se necessário. Mas Alegre e sua equipe esperam, em vez disso, que a abordagem da Magic Eden venha a ser a solução para a aplicação dos royalties dos criadores.

Publicidade

“Estamos confiantes nas capacidades da Magic Eden”, disse Alegre ao Decrypt. “Obviamente, estamos nos apoiando fortemente nessa parceria e temos total confiança em Jack e em sua equipe de liderança. E, por enquanto, essa é a abordagem que vamos adotar.”

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

ETFs de Bitcoin têm entrada de US$ 303 mi, impulsionados por Fidelity e Grayscale

Os fluxos de entrada de ETFs de Bitcoin à vista nos EUA atingiram uma alta de US$ 303 milhões em duas semanas, já que o preço do Bitcoin ultrapassou US$ 66 mil
Imagem da matéria: ABCripto lança campanha de arrecadação de criptomoedas em apoio a vítimas de enchentes no RS

ABCripto lança campanha de arrecadação de criptomoedas em apoio a vítimas de enchentes no RS

Ação conjunta da ABcripto e associados visa levantar fundos e doações para desabrigados das inundações
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

Manhã Cripto: ETFs de Bitcoin voltam a captar mais US$ 100 mi por dia nos EUA; Ex-diretor da FTX pede 18 meses de prisão

Mercado também começa a se preparar para veredito final da SEC sobre os ETFs de Ethereum à vista
Ilustração de bandeira do Brasil dentro moeda de Bitcoin

Fundos cripto do Brasil captam mais R$ 1,5 mi e chegam a 21ª semana consecutiva de entradas

Vindo de uma grande sequência de captação, fundos de criptomoedas do Brasil estão em 3º lugar no ranking global, atrás apenas dos EUA e Hong Kong