Desenho com a silhueta de Sam Bankman-Fried
Shutterstock

Apesar das repetidas alegações da equipe de reestruturação de falências da quebrada corretora FTX que a empresa perdeu milhões de dólares dos fundos de clientes, uma pessoa insiste em dizer que eles estão errados. Trata-se, é claro, do criador e ex-CEO da empresa, Sam Bankman-Fried.

A FTX, liderada pelo novo CEO, John Ray, fez na quarta-feira (19) uma apresentação aos credores da empresa. Depois do que Ray chamou de “esforço investigativo hercúleo”, a equipe localizou apenas US$ 181 milhões em fundos da unidade americana da FTX.

Publicidade

Ele afirma que metade desses ativos em criptomoedas foram drenados de carteiras em “transferências não autorizadas”, logo após o pedido de recuperação judicial da FTX no dia 11 de novembro.

No entanto, “essas alegações da estão erradas e os dados as contradizem no mesmo documento”, escreveu Bankman-Fried na noite de quarta, em uma mensagem no Substack.

“A FTX US foi e é solvente, provavelmente com centenas de milhões de dólares em excesso dos saldos dos clientes”, garante. O empresário que caiu em desgraça tem seguidamente negado dados apresentados pela nova administração.

Negando a quebra

Bankman-Fried, atualmente em prisão domiciliar e acusado de oito crimes financeiros relacionados com o colapso da FTX, contratou uma equipe jurídica para representar os seus interesses no processo de recuperação judicial.

Publicidade

Mas isso não o impediu de negar publicamente as alegações feitas pela equipe de reestruturação e publicar capturas de tela de planilhas que ele diz representar o estado em que seu império cripto estava quando ele deixou o cargo, logo após pedir falência.

“Mais tarde, no mesmo relatório, a empresa revela que a FTX US tem US$ 428 milhões adicionais em contas bancárias, além dos US$ 181 milhões em tokens—cerca de US$ 609 milhões em ativos totais”, escreveu Bankman-Fried, aparentemente referindo-se a uma tabela de “dinheiro confirmado” atribuindo US$ 428 milhões à West Realm Shires.

West Realm Shires é a empresa-mãe da FTX US, LedgerX, com sede nos EUA, e a entidade que assinou um acordo para resgatar a credora cripto BlockFi antes dela também entrar com um pedido de recuperação judicial.

Ray escreveu em sua declaração inicial, no dia 17 de novembro, que a West Realm Shire inclui a FTX US, a LedgerX (que não é devedora no processo de falência da FTX), a FTX US Capital Markets e a Embed Clearing. É possível, mas difícil de saber, se Bankman-Fried pensa que a West Realm Shire representa apenas os fundos FTX dos EUA.

Publicidade

Bankman-Fried continua explicando como chegou à conclusão de que a FTX US não está perdendo fundos dos clientes. Mas é importante notar que ele está usando números que eram atuais quando deixou o cargo de CEO no dia 11 de novembro, e Ray tem distanciado a FTX de seu fundador e cortando o seu acesso aos registros da empresa.

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

Já pensou em inserir o seu negócio na nova economia digital? Se você tem um projeto, você pode tokenizar. Clique aqui, inscreva-se no programa Tokenize Sua Ideia e entre para o universo da Web 3.0

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Ripple vai lançar sua própria stablecoin lastreada ao dólar

Ripple vai lançar sua própria stablecoin lastreada ao dólar

Em seu lançamento, a stablecoin da Ripple estará disponível nas blockchains XRP Ledger e Ethereum, com planos de expansão
Paolo Ong, da SEC Filipinas

Termina prazo para saída da Binance das Filipinas e reguladores avisam: “Não há como sacar fundos após bloqueio”

“Não podemos endossar nenhum método de como retirar seu dinheiro agora que a ordem de bloqueio foi emitida”, disse o regulador filipino
moedas de bitcoin e ethereum sobre mesa envernizada

Manhã Cripto: Bitcoin recua para US$ 70 mil e Ethereum desacelera após maior salto em mais de um mês

Traders de criptomoedas pisam no freio nesta terça-feira (9) depois do rali do Ethereum durante a madrugada
Imagem da matéria: OKX corta taxas de negociação e introduz taxa negativa no Brasil; entenda

OKX corta taxas de negociação e introduz taxa negativa no Brasil; entenda

Segundo a OKX, haverá um modelo de níveis em que usuários poderão ter taxas de maker negativas ou zeradas dependendo do saldo na exchange