Imagem da matéria: Corretora estrangeira de criptomoedas demite quase toda a equipe no Brasil
Foto: Shutterstock

No final de abril, a corretora de criptomoedas espanhola Bit2Me anunciava a sua chegada ao Brasil. Cinco meses depois, os planos da empresa no país parecem ter ido por água abaixo, com a demissão de praticamente todos os funcionários da operação brasileira.

Quem deu a notícia foi Ricardo da Ros, o então country manager da Bit2Me no Brasil. Em uma publicação na terça-feira (20) no LinkedIn, o empresário revelou que a maior parte da equipe da Bit2Me no Brasil foi dispensada à medida que a empresa não conseguiu superar os desafios impostos pela crise no universo das criptomoedas.

Publicidade

“Depois de liderar uma equipe de 30 talentosos profissionais no Brasil na Bit2Me, os ventos frios bateram e tivemos que dispensar praticamente todo o time. Não foi agradável, especialmente porque tudo estava indo muito bem”, diz sua publicação.

Em conversa com o Portal do Bitcoinnesta quarta-feira (21), Ros revelou que também deixou a direção da exchange. 

“Saí da empresa com boas relações. Sou fã da Bit2Me, os sócios e executivos são muito corretos e a empresa irá crescer no Brasil eventualmente”, disse o empresário. 

Bit2Me segue operando no Brasil

Após os cortes, a corretora ficou com apenas um ou dois funcionários no Brasil. Segundo Ros, as operações da exchange por aqui vão continuar, mas serão comandadas pela equipe da Espanha.

O empresário explica que a atual situação da Bit2Me no Brasil representa um “reajuste operacional devido às condições de mercado”, causado pela queda nas receitas que se intensificou com a falta de interesse dos investidores. 

Publicidade

Para ele, a diminuição da confiança no mercado cripto neste momento “é normal e faz parte do ciclo”, e afeta também outras empresas do setor.

Frente ao chamado inverno cripto, muitas exchanges foram forçadas a demitir funcionários ao longo do ano para continuarem vivas em meio à incerteza de quanto tempo o atual ciclo de baixa das criptomoedas vai durar.

Crise chega à Bit2Me 

Até pouco tempo atrás, a Bit2Me dava a entender que poderia passar pelo inverno cripto com tranquilidade. O CEO da exchange espanhola, Leif Ferreira, disse em julho que iria contratar mais 250 profissionais nos próximos meses, dobrando seu quadro de funcionários. Ele também revelou que a empresa tinha planos de fazer três aquisições para se expandir na América Latina.

Como visto nesta semana, no entanto, a Bit2Me não conseguiu cumprir as promessas, pelo menos no Brasil. Mesmo assim, Ricardo da Ros elogiou o trabalho feito por sua equipe no curto intervalo de tempo.

Publicidade

“Em apenas três meses e sem um produto no ar, conseguimos construir uma das maiores comunidades de criptomoedas online do Brasil e lançamos a marca com força total. Desejo sorte a Bit2Me!”, escreveu ele no LinkedIn.

Antes de entrar para a Bit2Me, Ros já ajudou outras empresas de fora, como Ripio e Crypto.com, a se estabelecer no Brasil. Talvez sua passagem de maior destaque tenha sido na Binance, a corretora que lidera as negociações no mercado cripto.

O empresário atuou como diretor da Binance no Brasil por seis meses, mas acabou pedindo demissão pelo o que chamou de “desalinhamento de expectativas”.

Ele contou para a reportagem que vai continuar atuando no meio cripto, e que está dialogando com algumas empresas internacionais que querem entrar no Brasil e América Latina.

“Apesar do mercado estar mais frio no momento, tem muitas empresas aproveitando a situação para expandir e construir. Estou buscando uma oportunidade interessante, porém sem pressa. Meu próximo passo com certeza será sólido, com o objetivo de ajudar no desenvolvimento do mercado cripto – que é o futuro do dinheiro no mundo”, concluiu.

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Mesmo que ETF de Ethereum seja aprovado, pode levar semanas para estrear nas bolsas; entenda

Mesmo que ETF de Ethereum seja aprovado, pode levar semanas para estrear nas bolsas; entenda

Sinal verde da SEC esta semana é apenas o primeiro passo para o lançamento do ETF de Ethereum
Sheik das criptomoedas Francisley Valdevino

Sheik das Criptomoedas usou “Banco do Crime” para lavar R$ 600 mil da pirâmide Rental Coins

Autoridades apontam a Cash Back como um dos maiores esquemas de lavagem de dinheiro em São Paulo
Donald Trump é fotografado em comício nos EUA

Trump agora aceita doações em Bitcoin e cumpre promessa com relação às criptomoedas

Bitcoin, Ethereum, Dogecoin, Solana, Shuba Inu e XRP estão entre criptomoedas aceitas pela candidato Donald Trump 
Moedas de ethereum à frente de ilustração de cadeado

A SEC vai finalmente aprovar os ETFs de Ethereum? Entenda

Vence no fim desta semana o prazo para a SEC aprovar ou não alguns pedidos de ETFs de Ethereum e a expectativa agora é mais positiva do que nunca