Imagem da matéria: Corretora Bit2Me chega ao Brasil e quer customizar plataforma ao mercado nacional
(Foto: Shutterstock)

A Bit2Me, a principal plataforma de compra e venda de criptomoedas da Espanha e uma das mais importantes da Europa, anunciou nesta quinta-feira (28) que está chegando ao Brasil.

A equipe será liderada por Ricardo Da Ros, que assume a posição de Country Manager da exchange no Brasil. Um dos executivos de destaque da nova economia digital, Da Ros terá vai liderar uma equipe de mais de 20 profissionais no país.

Publicidade

“Estou muito feliz em me juntar à família Bit2Me Brasil, que tem em seu DNA os princípios fundadores do Bitcoin. Acredito que poderemos aprimorar o conhecimento das criptomoedas no Brasil e trazer a ideia de Satoshi Nakamoto para todos os brasileiros interessados nessa revolução”, diz Da Ros.

Customização

O foco da Bit2Me no Brasil será criar uma plataforma customizada. Para isso, a empresa moldará seus produtos à realidade, sofisticação e profundidade do mercado brasileiro, ao mesmo tempo em que agregará seu conhecimento do universo blockchain e de criptomoedas.

Tudo isso será compartilhado a partir da vasta gama de conteúdos de sua Academia — plataforma de aprendizado online gratuita, com textos, vídeos sobre criptomoedas como Bitcoin, tecnologia Blockchain, negociação e muito mais.

A empresa terá um departamento de compliance, dedicado exclusivamente ao mercado brasileiro e que aplicará as normas nacionais relacionadas à prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo.

Publicidade

Porta de entrada da América Latina

Formado em Ciências da Computação e da Informação pela instituição americana Ohio State University, Da Ros tem mais de 25 anos de experiência no mercado brasileiro e começou sua carreira nos Estados Unidos. Dedicou-se a ajudar empresas internacionais a entrarem no Brasil, desenvolvendo aspectos comerciais e de marketing, trabalhando na conquista de clientes e no desenho de estratégias. No mundo cripto desde 2016, se notabilizou por liderar a Ripio na aquisição da Bitcoin Trade e depois por liderar a entrada da Binance no Brasil.

Os fundadores da Bit2Me, Andrei Manuel Costache e Leif Ferreira Ponce, dizem ter voltados seus olhos para o Brasil por ser um dos países que mais negociam criptomoedas no mundo e a principal porta de entrada para outros mercados latino-americanos. Eles acreditam que o país oferece a oportunidade ideal para desenvolver uma plataforma tropicalizada, criada em conjunto com seus investidores.

Para Leif Ferreira, CEO da Bit2Me, “a contratação de Ricardo da Ros mostra a importância que a Bit2Me dá para a expansão internacional da empresa e, em particular, para o mercado brasileiro, um país com uma grande comunidade cripto, que tem visto no Bitcoin um refúgio contra a inflação e uma boa forma de transferir valor com segurança e barato”.

Por sua vez, o CFO da Bit2Me, Pablo Casadio, considera o Brasil “um país-chave na entrada da Bit2Me na América Latina, pois pelo menos 20 milhões de brasileiros já investem em criptomoedas, o que mostra seu interesse em aprender sobre essa nova tecnologia”.

VOCÊ PODE GOSTAR
Moeda prateada da Chainlink com reflexo em um fundo roxo

Chainlink sobe 18% ao lançar projeto piloto em Wall Street com JP Morgan, BNY Mellon e DTCC

A DTCC anunciou que acaba de concluir um projeto piloto de tokenização com gigantes de Wall Street, como JP Morgan e BNY Mellon, aproveitando o CCIP da Chainlink
Imagem da matéria: Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Apesar de chamara cada vez mais atenção, muitas pessoas ainda não sabem o que é a tokenização de ativos e como ela funciona
Imagem da matéria: El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

A mineração de Bitcoin é feita com energia do vulcão Tecapa, usando 300 processadores voltados para essa atividade
Costas de um policial de Hong Kong

Empresário e filho se entregam à polícia após sequestrarem investidora de criptomoedas

A dupla teria tentado acertar as contas com a mulher de 55 anos que teria intermediado um investimento de cerca de R$ 10 milhões em criptomoedas