A ação visa anular as preocupações com o método atual de votação que é vulneráve
A ação visa anular as preocupações com o método atual de votação que é vulnerável (Foto: Shutterstock)

A Comissão Nacional de Eleitoral (NEC) da Coréia do Sul vai começar a conduzir um sistema de votação eletrônica online baseado na tecnologia blockchain a partir de dezembro.

De acordo com um comunicado de imprensa publicado no site da instituição na quarta-feira (28), o novo sistema chamado ‘K-voting’, contou com a ajuda do Ministério da Ciência e Tecnologia da Informação para o seu desenvolvimento.

Publicidade

A ação visa anular as preocupações com o método atual de votação que, segundo a comunicado, é vulnerável a ataques de hacker e fraude eleitoral. Esse sistema é usado por cerca de 5 milhões de pessoas.

Com o novo via blockchain, a agência acredita que vai aumentar a segurança e transparência, fatores intrínsecos da tecnologia que surgiu com o bitcoin.

“Os resultados da votação será mais aceitável com o blockchain, já que é ‘quase impossível’ manipular resultados, enquanto candidatos e auditores teriam acesso a dados de votação”, disse a Comissão.

O sistema ainda está em fase de experimentação. A agência disse que, caso sistema seja bem sucedido, vai ajudá-los na criação de uma base para futuros sistemas de votação online.

Publicidade

Os testes permitirão que o sistema blockchain seja usado para pesquisas online feitas pela Blockchain Society, da Universidade Nacional de Seul, e pela Korea Internet & Security Agency, uma subsidiária do Ministério da Ciência.

Outras inovações, contudo, devem ser implementadas também. A NEC está explorando as tecnologias de BigData e Internet das Coisas (IoT) para seu sistema de votação no futuro.

Blockchain nas eleições no Brasil

No final de outubro, antes do segundo turno das eleições, o especialista em blockchain e perito em informática Paulo Fagundes foi indicado pelo partido do então presidenciável Jair Bolsonaro para acompanhar a auditoria de urnas eletrônicas realizada pelo Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR).

Após uma primeira análise, Fagundes classificou o equipamento de votação como frágil. Segundo ele, apesar de não ter aparecido nenhum indício de fraude no decorrer do processo, faltou acesso ao código-fonte, que gera todos os programas rodados na urna no dia da votação.

Publicidade

Uma deliberação de Rosa Weber, ministra do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o liberou, então, a ter acesso, bem como analisar o código-fonte do sistema após o pedido da corregedoria do TRE-PR.

Fernando Haddad (PT), que ficou em 2º lugar nas eleições presidenciais deste ano, também usou a blockchain para o registro do seu plano de governo, quando, e meados de outubro, ele indicou a “tecnologia como solução no combate a adulteração de informação e corrupção”.

Outros candidatos que também concorreram à cadeira mais importante do Palácio do Planalto, Marina Silva (REDE), Guilherme Boulos (PSOL) e Ciro Gomes (PDT), fizeram campanhas para receber doação por meio de plataformas baseadas na tecnologia blockchain.


BitcoinTrade

Baixe agora o aplicativo da melhor plataforma de criptomoedas do Brasil Cadastre-se e confira todas as novidades da ferramenta, acesse: www.bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Cachorro Shiba Inu que inspitou Dogecoin

Kabosu, a cachorrinha que inspirou a Dogecoin, falece aos 18 anos

Kabosu sofria de doença crônica e já era muito idosa; segundo sua dona, a cachorrinha “faleceu silenciosamente”
trader segura moeda de bitcoin em frente a grafico em computador

Bolsa de Chicago planeja lançar negociação de Bitcoin à vista, diz jornal

O objetivo é capitalizar a crescente demanda este ano entre os gestores de Wall Street para ganhar exposição ao setor de criptomoedas
Arte de robô observando por trás usuária de computador

Novo PC da Microsoft que grava tudo é “spyware” e será alvo de hackers, alertam especialistas

Os críticos dizem que novo PC centrado em IA da Microsoft é um pesadelo de privacidade
Imagem da matéria: Projeto de universitários brasileiros ganha R$ 50 mil em hackathon global da Solana

Projeto de universitários brasileiros ganha R$ 50 mil em hackathon global da Solana

Grupo criou aplicação para conectar via blockchain produtores de energia e estações de abastecimento, com a mira no mercado de carros elétricos