Imagem da matéria: Consumo de energia do bitcoin neste ano supera o de 2020
Foto: Shutterstock

O consumo de energia do Bitcoin até o momento já ultrapassou o consumo total de energia da criptomoeda em 2020, de acordo com uma pesquisa realizada pela Bloomberg.

“Estima-se que a rede Bitcoin consumiu cerca de 67 TWh [terawatt-hora] de eletricidade em 2020, e seu consumo total já ultrapassou esse em 2021”, disse Bloomberg. “Ao final deste ano, parece que ele consumirá 91 TWh de energia – tanto quanto o Paquistão”, acrescentou o relatório.

Publicidade

O Bitcoin há muito vem sendo criticado por suas demandas de energia, que os críticos consideram um preço muito alto a pagar pela criptomoeda.

Os defensores do Bitcoin apontam para os supostos benefícios da criptomoeda – por exemplo, sugerindo que o ativo pode funcionar como uma proteção contra a inflação – ou mesmo apontando os danos ambientais que moedas tradicionais e instituições financeiras têm causado ao longo dos anos.

Uso de energia do Bitcoin

O consumo de energia do Bitcoin é geralmente calculado em TWh, uma unidade de energia que equivale a um trilhão de watts por hora. Geralmente é usado para rastrear o consumo anual de países inteiros.

Este número também não é uma constante. Conforme relatado pela Bloomberg, seu consumo anualizado para 2020 foi de 67 TWh. Ontem – quando a pesquisa da Bloomberg foi divulgada – era 91 TWh. Hoje, são 95TWh.

Publicidade

Isso é muita energia – mas, novamente, as demandas de energia das criptomoedas estão em fluxo constante. No início deste ano, a repressão da China à mineração foi uma má notícia para os mineradores, mas sinalizou uma possível vitória para os críticos ambientais do Bitcoin.

Em junho deste ano, a criptomoeda consumia 68 TWh. Isso estava muito longe dos números anteriores de aproximadamente 141 TWh – que era o que o Bitcoin estava consumindo antes que a proibição da mineração na China começasse a ser afetada.

Mas, como mostra o recente aumento para 95 TWh, as demandas de energia em declínio podem ter durado pouco. Antes de a China banir a mineração, quase dois terços de todo o Bitcoin era minerado no país.

Desde então, as empresas de mineração migraram para outras jurisdições como o Cazaquistão.

Medindo a pegada de carbono

Para descobrir exatamente o tamanho da pegada de carbono do Bitcoin, você precisa converter a energia consumida em um número de emissões de gases de efeito estufa.

Publicidade

Os melhores dados disponíveis da Universidade de Cambridge sugerem que apenas 39% das demandas de consumo de energia do Bitcoin vêm de fontes renováveis. Isso significa que 61% está sendo abastecido por energia intensiva em carbono.

Usando esses números, quase 58 TWh das demandas estão contribuindo para as emissões de gases de efeito estufa.

Isso significa que, hoje, o Bitcoin está emitindo mais gases do efeito estufa do que o que você emite se queimar 4,6 bilhões de galões de gasolina, dirigir 8,9 milhões de veículos de passageiros por um ano ou levar apenas um desses veículos para uma viagem de 103 bilhões de milhas (o suficiente para você ir a Plutão mais de 20 vezes).

O que dizem os defensores do Bitcoin?

Alguns dos defensores mais fervorosos do Bitcoin tentaram pintar o Bitcoin o mais sustentável possível.

O Bitcoin Mining Council foi criado no início deste ano para “promover a transparência” sobre a indústria. O Conselho compartilhou uma apresentação em julho que afirmava que 56% da eletricidade por trás da criptomoeda vinha de fontes sustentáveis.

O conselho citou sua própria “análise, suposições e extrapolação” como a única fonte por trás do cálculo e coletou dados de pesquisa de empresas de mineração que representavam menos de um terço da força computacional global por trás do Bitcoin.

Além do mais, as respostas a essa pesquisa foram voluntárias, de modo que os mineradores mais prejudiciais ao meio ambiente estavam livres para não responder.

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin e bandeira dos eua

Governo dos EUA transfere parte da reserva de US$ 2 bilhões em Bitcoin para Coinbase

Departamento de Justiça dos Estados Unidos começou a mover parte dos 2 bilhões de dólares em BTC para endereço da Coinbase
Ilustração de moeda gigante de Bitcoin observada por investidores e prestes a ser cortada ao meio

CEO da Morgan Creek Capital prevê Bitcoin a US$ 150 mil após o halving

Para o CEO da Morgan Creek Capital Management, o FOMO (medo de ficar de fora) deve ser um dos fatores que vão alavancar o preço BTC após o halving
Paolo Ong, da SEC Filipinas

Termina prazo para saída da Binance das Filipinas e reguladores avisam: “Não há como sacar fundos após bloqueio”

“Não podemos endossar nenhum método de como retirar seu dinheiro agora que a ordem de bloqueio foi emitida”, disse o regulador filipino
Imagem da matéria: Baleias estão mais famintas do que nunca por Bitcoin; Veja por quê

Baleias estão mais famintas do que nunca por Bitcoin; Veja por quê

“Atualmente a demanda de Bitcoin por esse grupo de investidores é a maior de todos os tempos”, diz estudo da CryptoQuant