Imagem da matéria: Computadores fazem arte? NFT.Rio discute o papel da inteligência artificial na arte generativa
Carlos Vamoss, Jorge Ledezma e Thiago Yaak debatem o papel da inteligência artificial na arte generativa. Foto: Saori Honorato

Colaborar com o computador no processo de criação de uma arte foi tema de discussão no NFT.Rio na tarde deste sábado (2).

O papo liderado pelos artistas Carlos Vamoss, Jorge Ledezma e Thiago Yaak, começou desbancando a ideia de que o computador é capaz de fazer arte sozinho. Para o trio, a arte produzida com auxílio de inteligência artificial funciona como uma provocação que o artista faz as máquinas com ideias e sugestões.

Publicidade

Yaak, que também é cofundador do CryptoRastas, explicou essa ideia usando como exemplo seu próprio projeto chamado Samba Crypto, no qual ensinou uma inteligência artificial o que era carnaval com um grande banco de dados de imagens de mestre-sala e porta-bandeira.

A partir disso, o computador criou a sua próprias imagens do zero. “Durante a pandemia, eu sabia que queria recuperar um pouco aquela imagem de todos os carnavais”, explica Yaak. “Nesse processo, a máquina gerou resultado que eu não estava esperando. Por exemplo, eu não coloquei uma imagem de uma porta-bandeira segurando duas bandeiras, ou um mestre-sala com bandeira, mas a máquina criou essas imagens. É isso o que eu procuro, quando o resultado do processo sai do meu controle”.

Carlos Vamoss, um artista programador que há dez anos faz artes utilizado algorítimos, também defendeu que a arte com inteligência artificial procura “quebrar a máquina” para chegar a resultados inusitados.

“Fazer um computador produzir arte é um processo de quebrar uma máquina, algo construído para fazer a mesma coisa repetidas vezes. A arte tenta colocar um caos e quebrar essa regra. Quando criamos um algoritmo para uma arte, passamos parte do poder de decisão para a máquina”.

Publicidade

Para ele, é esse processo de criação e provocação da máquina que importa. “É importante estar aberta ao resultado do processo, à arte algorítmica. Eu não sei onde quero chegar, mas a arte é um jogo em que as regras são criadas ao brincar”.

Jorge Ledezma, um artista do Panamá que foca seu trabalho na arte generativa, diz que nesse processo de criação, a originalidade do artista não se altera: “Arte sempre tem uma intenção e isso vem do artista. É ele que decide o que vai ser colocado nesse sistema”.

“Eu acho que falar que computadores fazem arte é um pouco ofensivo, não para o artista mas para o computador”, brinca o artista. “Mas vai acontecer, eles serão capazes de fazer arte. Mas eles não poderão mais ser chamados de computador e se tornarão uma entidade diferente”.

Nesta história, ele complementa que os NFTs chegam para dar uma base para ajudar o artista a ter uma autonomia financeira e independência para dedicar mais tempo e esforço ao processo de criação.

VOCÊ PODE GOSTAR
Tela de celular mostra logotipo Drex- no fundo notas de cem reais

Banco Central adia Drex para realizar novos de testes de privacidade

BC explica que primeira fase de testes foi focada em elementos de privacidade, mas as soluções encontradas “ainda não estão maduras”
hackers em frente a computadores

Exchange de criptomoedas Rain perde US$ 14,8 milhões em ataque hacker

A exchange disse que já tomou as medidas necessárias e que todas as sua atividades estão funcionando normalmente, inclusive saques
Moeda de Ethereum na frente de gráfico

Manhã Cripto: Ethereum sobe 2,6% e flerta com US$ 4 mil; PEPE bate novo recorde

Com ganhos de 10% no dia, PEPE foi capaz de atingir um novo preço recorde de US$ 0.000017
Policial algemando suspeito durante a noite

Suspeito de roubar quase R$ 10 milhões da Pump.fun é preso em Londres

Jarett Dunn, ex-funcionário da plataforma Pump.fun, foi preso na Inglaterra acusado de golpe de quase R$ 10 milhões