Imagem da matéria: Como o Satélite da Blockstream Aumentará a Adoção do Bitcoin

Recentemente foi anunciado o Satélite da Blockstream, um novo serviço que transmite dados em tempo real da blockchain do Bitcoin a partir de satélites no espaço para quase todas as pessoas no planeta. Atualmente, o Satélite da Blockstream abrange dois terços da Terra, e as expansões de serviço estão em andamento.

“O lançamento do Satélite dá a chance para ainda mais pessoas no planeta aderirem ao Bitcoin”, disse o co-fundador e CEO da Blockstream, Adam Back, quando o anúncio foi feito. “Com mais usuários acessando a blockchain do Bitcoin com a transmissão gratuita do Satélite da Blockstream, esperamos que o alcance global conduza mais casos de adoção e uso para o Bitcoin, ao mesmo tempo que fortalece a robustez geral da rede”.

Publicidade

A idéia de transmitir a blockchain do Bitcoin para todo o planeta a partir de satélites no espaço já havia sido proposta por Jeff Garzik, mas a implementação da Blockstream introduz alguns ajustes interessantes: baseia-se em satélites comerciais já existentes em órbita e alavanca o software open-source, GNU Radio e FIBRE, para reduzir custos.

O anúncio do satélite da Blockstream foi recebido com bastante interesse tanto da comunidade das criptomoedas como das comunidades espaciais, mas também com dúvidas e perguntas persistentes.

A Bitcoin Magazine conversou com Adam Back e Chris Cook, para entender melhor o projeto.

Você está essencialmente usando satélites comerciais existentes para retransmitir. Por que esta abordagem é melhor do que construir, lançar e operar seus próprios satélites, agora que o cubesats (é um tipo de satélite miniaturizado) e sistemas mais baratos de lançamento de cubesat permitem fazê-lo de forma econômica?
Chris Cook: Embora tenha havido muitas reduções recentes no custo de cubesats e outros satélites de baixa órbita terrestre (LEO), ainda é um empreendimento consideravelmente mais caro do que usar satélites existentes. Como os cubesats não são geossíncrono, eles estão sempre se movendo. Isso significa que você precisa de muitos deles para cobertura global completa.

Além disso, muitos cubesats têm uma vida de apenas alguns meses antes de caírem da órbita. Ou você precisa reabastecê-los continuamente ou você deve leva-los para uma órbita superior, o que aumenta os custos.

Publicidade

Finalmente, não descartamos completamente a ideia de lançar nossos próprios satélites. No entanto, a implantação de uma rede global de satélites com satélites existentes pareceu ser um bom primeiro passo. Isso nos permite entregar esse serviço a pessoas em todo o mundo de forma rápida e econômica.

O que você poderia fazer com satélites personalizados dedicados que você não pode fazer com o sistema atual?
Chris Cook: um satélite dedicado potencialmente nos habilitaria a operar um node em um satélite em vez de [ter sido] suportado a partir de uma estação terrestre.

E se as pressões políticas forçarem seus provedores de serviços de satélites comerciais a cancelar seus contratos?
Adam Back: Pelo motivo do Bitcoin já ser amplamente utilizado e disponibilizado por outros meios em muitos países ao redor do mundo, a ameaça da transmissão via satélite do Bitcoin sendo cancelada é improvável. A rede de satélites fornece disponibilidade redundante e de baixo custo para dados que já estão disponíveis publicamente e podem ser descarregados por qualquer pessoa pela internet. Existem vários satélites de diferentes fornecedores na rede de satélite Blockstream.

Com relação a isso, o Satélite da Blockstream (ou uma extensão concebível) permite melhorar a privacidade e o anonimato das transações de bitcoin?
Adam Back: Ele permite o recebimento passivo, portanto, basicamente, não há pegada de tráfego na internet, permitindo que seu ISP ou empresas de monitoramento analisem a rede Bitcoin para rastrear seu node. Isso pode torná-lo atraente mesmo para usuários com internet rápida para usar o Satélite, onde eles podem então conectar e colocar sua carteira no seu node doméstico através do Tor.

Publicidade

Para localidades onde a internet de alta velocidade é dispendiosa ou não está disponível, elas podem conectar carteiras de smartphone através de WiFi ou meshnet com os nodes do satélite e transmitir via gateways de SMS, como SMSPushTX, ou bi-directional Ku ou Banda L (Disponível comercialmente e não relacionado ao Satellite da Blockstream), que pode ser caro, mas mesmo o mais caro que custa US$ 10/MB funciona a menos de um centavo de dólar por transação, já que as transações de Bitcoin são pequenas.

Então, configurei minha estação de recepção do satélite Blockstream. Eu não estou conectado à internet. Como envio um pagamento de bitcoin?
Adam Back: Via SMS como explicado acima, ou muitas vezes as pessoas têm dados 2.5G ou 3G, mas com taxas de dados caras. Como as transações Bitcoin são pequenas, o custo do envio de uma transação é pequeno.

Para equipamentos compartilhados, talvez para uma aldeia ou área de negócios, uma internet por satélite bidirecional também seja rentável, novamente por causa das pequenas transações do Bitcoin. A banda L BGAN é móvel e a banda Ku [receptores Hughes] são antenas parabólicas fixas.

Seu FAQ diz que as transações podem ser enviadas usando outros canais de comunicação, como SMS. Você opera suas próprias transmissões de SMS para transações bitcoin ou você recomenda o uso de serviços externos? Em caso afirmativo, quais?
Adam Back: Nós não operamos neste momento um gateway de SMS, mas a Pavol faz (veja acima). Estamos trabalhando e incentivando os entusiastas e empresários do Bitcoin a criar configurações de infraestrutura personalizadas e a compartilhar dicas de configuração on-line.

Quais são alguns dos aplicativos inovadores que você espera que o Blockstream Satellite possa ativar?
Adam Back: vemos o serviço de Blockstream Satellite como um passo para descentralizar o Bitcoin, reduzindo radicalmente o custo do node e, portanto, reduzindo a capacidade das pessoas rodarem os nodes.

Publicidade

O Satellite da Blockstream  oferece muitas vantagens para diferentes tipos de configurações de rede:

  • Não há internet ou internet cara: conecte uma carteira de um smartphone telefone a um node de um satélite via WiFi ou meshnet;
  • Proteção de partição: use um satélite como uma fonte mais barata de blocos e controle cruzado com outros peers. No caso de uma partição na Internet, o satélite irá automaticamente ultrapassar a interrupção da rede;
  • Privacidade: use o Satellite Blockstream para receber a blockchain do Bitcoin sem rastros na rede, ou pelo menos quase nenhum. Você pode verificar os dados do satélite através de outros peers e em condições de internet lenta, com dados tão baixos quanto um SMS de 80 bytes;
  • Soberania e segurança financeira: O Satélite da Blockstream reduz o custo de executar um full node para quase zero. Ao executar um full node e conectar sua carteira do smartphone e outras carteiras a ele, você não precisa mais confiar em terceiros.
  • Descentralização: Para garantir que o Bitcoin permaneça descentralizado, é importante que muitas pessoas em muitos países, incluindo indivíduos e pequenas empresas, executem full nodes. Ao reduzir radicalmente o custo de executar um full node, esperamos que muitas mais pessoas comecem a fazer, garantindo a descentralização do Bitcoin.

Em termos de aplicações inovadoras, pretendemos fornecer uma API de desenvolvedores para enviar dados de aplicativos através do satélite pago em mBTC/KByte para que a comunidade de desenvolvedores, startups e empreendedores locais possam trazer novas aplicações para o mercado.

“Lançamos a cobertura de satélites da fase 1 em dois terços da massa terrestre mundial, e temos planos para cobertura mundial até o final do ano. Assim que o satélite da Blockstream fornecer uma cobertura completa do Bitcoin globalmente, torna-se-á possível acessar o Bitcoin de uma aldeia isolada. Ou com o equipamento certo, você pode até acessar o Bitcoin de um trailer em movimento ou até de um barco com satélites.”

 

*Entrevista feita pela Bitcoin Magazine.

VOCÊ PODE GOSTAR
Tigran Gambaryan, chefe de compliance da Binance, posa para foto

Executivo da Binance preso na Nigéria vai parar no hospital após desmaiar em julgamento

O executivo da Binance Tigran Gambaryan passou mal durante seu julgamento na Nigéria e precisou ser hospitalizado
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin recua para US$ 61 mil enquanto GameStop agita mercado e faz memecoin subir 363% 

Manhã Cripto: Bitcoin recua para US$ 61 mil enquanto GameStop agita mercado e faz memecoin subir 363% 

A volta do hype da GameStop desencadeou a criação de milhares de memecoins – uma delas saltou 1.900% na tarde passada
Imagem da matéria: Microsoft lança PC com IA que vai lembrar tudo que você faz na internet

Microsoft lança PC com IA que vai lembrar tudo que você faz na internet

A big tech revelou o Copilot+ PC “projetado para IA” que recorda tudo o que é exibido na tela do seu computador
Imagem da matéria: Manhã Cripto: CVM aplica multa de R$ 55,8 milhões a Atlas Quantum e dono foragido

Manhã Cripto: CVM aplica multa de R$ 55,8 milhões a Atlas Quantum e dono foragido

A CVM multou a pirâmide financeira Atlas Quantum após identificar indícios “robustos e consistentes” de que tudo não passava de uma operação fraudulenta