Exibição de NFTs na Christie''s
Exibição de NFTs na Christie’s (Foto: Christie’s)

No início de 2021, os NFTs eram uma tecnologia de nicho mais frequentemente discutida online entre nerds de tecnologia bem informados. Já no meio do ano, eles estavam em todos os lugares: estampadas nas primeiras páginas de sites de notícias mainstream, discutidas freneticamente nos locais de trabalho, mencionadas nas mesas de cozinha ao redor do mundo e ridicularizadas e admiradas na televisão noturna.

Um evento específico desse período se destaca: em 11 de março, o artista digital Mike “Beeple” Winkelmann vendeu uma obra NFT registrada na blockchain Ethereum, “Everydays: The First 5000 Days”, por impressionantes US$ 69,3 milhões em um leilão da Christie’s. Em minutos, publicações de notícias e contas de mídia social começaram a tentar analisar a venda, e a nova e curiosa tecnologia no centro dela.

Publicidade

A venda de Beeple não apenas ajudou a remodelar a compreensão pública das NFTs; também alterou permanentemente a casa de leilões por trás dela. Após o leilão, a Christie’s – uma instituição com 257 anos de história, até então mais conhecida por lidar com pinturas de mestres, joias finas e artefatos históricos – de repente se viu em uma posição pioneira na crista de uma nova fronteira tecnológica.

Nos meses seguintes a março de 2021, a casa de leilões aproveitou essa vantagem inicial estabelecendo várias novas áreas da empresa, incluindo a Christie’s Ventures, um braço de capital de risco focado em tecnologia, e a Christie’s 3.0 – um mercado de arte NFT Ethereum totalmente on-chain construído por um titã tradicional do mundo da arte.

Desde seu lançamento cerca de um ano atrás, a Christie’s 3.0 leiloou obras on-chain de artistas nativos digitais como Claire Silver, William Mapan, Jack Butcher, mas também versões on-chain de obras de artistas mais tradicionais, incluindo Keith Haring. No processo, ela conferiu ao emergente mercado de arte on-chain a legitimidade de uma das marcas de arte mais respeitadas do mundo.

No entanto, o caminho que levou a Christie’s à posição dominante que desfruta atualmente na interseção de arte e tecnologia nunca foi garantido – e nem mesmo esperado. Segundo todos os relatos, a venda histórica que iniciou tudo foi algo como uma casualidade.

Publicidade

“Não tínhamos expectativas quando colocamos à venda – o primeiro lance foi de US$ 100 e não tínhamos reserva”, disse Nicole Sales Giles, Diretora de Arte Digital da Christie’s, que ajudou a liderar o leilão “First 5000 Days” de Beeple, à Decrypt’s SCENE sobre aquele primeiro leilão. “E então estamos apenas sentados lá assistindo ao computador, e estávamos tipo, ‘O que diabos está acontecendo?’ Só continuava subindo.”

Pouco depois que a peça ganhou manchetes globais por seu preço de venda recorde, Sales Giles e seus colegas perceberam que provavelmente haviam descoberto algo maior do que um único leilão chamativo.

“Beeple foi o primeiro ao qual realmente prestei atenção”, lembrou Jon Ross Le Haye, Chefe de Design Digital da Christie’s, de sua primeira exposição à arte NFT. “Foi o grande que Nicole trouxe para a Christie’s. Acho que foi o momento em que eu e acho que todo o mercado de arte, simplesmente ficamos surpresos com esse tipo de valor. Foi o momento em que realmente vi o potencial.”

Reforçando a confiança nesse potencial, o fato é que, imediatamente após o leilão de Beeple, os clientes de alto poder da Christie’s logo estavam bombardeando os funcionários da casa de leilões diariamente com perguntas sobre como aproveitar melhor as NFTs como uma nova classe de ativos.

Publicidade

Existe um mercado

“Sempre dissemos: Vamos para onde nossos colecionadores querem que a gente vá”, disse Le Haye. “Existe um mercado lá, se muitos colecionadores estão perguntando. Isso realmente nos empoderou – e sabíamos que precisávamos de uma plataforma para ser essa autoridade.”

Então Le Haye, Sales Giles e alguns outros funcionários entusiastas da Christie’s logo abandonaram seus empregos regulares para embarcar no projeto improvisado de criar uma plataforma de leilões digitais totalmente nativa de blockchain digna da marca Christie’s.

“Para mim, foi aterrorizante – absolutamente aterrorizante, blockchain”, disse Le Haye. “Do lado dos desenvolvedores, eles não sabiam nada sobre arte. Apenas confiamos uns nos outros. E funcionou. Não sei como.”

Um dos principais obstáculos enfrentados pelo projeto foi a insistência da equipe da Christie’s de que o mecanismo de leilão da plataforma existisse totalmente on-chain, como um gesto do compromisso genuíno e de longo prazo da Christie’s 3.0 com a missão da arte apoiada por blockchain.

“Teria sido muito mais fácil construir todo o sistema em uma plataforma web 2.0 e fazer o que todos os outros estavam fazendo: lances coletivos em um formato que parece um lance, mas não é”, disse Daniel Hart, um designer de produtos da Christie’s. “Onde, você sabe, uma vez que o leilão encerra, então você faz uma transação on-chain – poderíamos ter chegado muito facilmente a isso.”

Publicidade

Mas a equipe avançou com sua visão de uma plataforma de arte digital totalmente on-chain. E, após quase meio ano de construção e testes, na primavera de 2022, estava pronta.

A Christie’s 3.0 foi lançada em outubro de 2022. No ano e pouco desde a estreia, a plataforma experimentou uma ampla variedade de artistas destacados, meios artísticos e estruturas de leilão – servindo como um incubador informal para toda a Christie’s.

A maior corrida já vista para um leilão

Um desses experimentos, em maio, viu a equipe da Christie’s 3.0 listar uma pequena coleção de peças NFT inspiradas no Twitter pelo artista digital Jack Butcher sem adicionar estimativas nas obras. Foi uma omissão aparentemente menor, mas que causou impacto em uma casa de leilões tão tradicional e regimentada como a Christie’s. As peças foram listadas em um lance inicial incomumente baixo de US$ 8 – uma homenagem à controversa assinatura de verificação no Twitter no centro do projeto de Butcher.

“Lembro que nosso site meio que explodiu. Tivemos mais de 500 novos registrantes para o leilão. Todo mundo estava tentando dar um lance, e não podíamos acreditar no que estávamos vendo”, lembrou Lydia Chen, uma membra sênior da equipe de vendas de arte digital da Christie’s 3.0, sobre o leilão de Butcher. “Nunca vimos uma corrida tão grande para participar de um leilão antes.”

As NFTs não apenas aumentaram o apetite da Christie’s por risco no mundo da arte. Elas também expandiram a disposição da conservadora casa de leilões para entrar em setores totalmente novos.

Nos meses seguintes à venda de Beeple em março de 2021 – antes mesmo de a Christie’s 3.0 estar operacional – a Christie’s recrutou o veterano da Microsoft, Devang Thakkar, para ver se ele poderia ajudar a filtrar a incrível quantidade de informações relacionadas à tecnologia que estava fluindo repentinamente para a venerável empresa.

Publicidade

“No dia seguinte [à venda de Beeple], eles começaram a receber informações e oportunidades de negócios comparáveis a uma firma de capital de risco muito bem-sucedida”, disse Thakkar. “Qualquer pessoa no campo da arte digital e Web3 de repente queria nos perguntar, ou ‘O que diabos vocês estavam pensando fazendo esse leilão do Beeple?’ ou ‘Eu tenho uma empresa, vocês estariam interessados em colaborar, já que vocês são tão inovadores?'”

Então, Thakkar ajudou a transformar esse fluxo de oportunidades de negócios digno de uma firma de capital de risco em uma firma de capital de risco em si. Em julho de 2022, a Christie’s Ventures abriu suas portas como uma VC focada em tecnologia oferecendo um ponto de entrada único para uma das instituições de arte mais dominantes do mundo. Desde então, a firma investiu em sete projetos, abrangendo desde tecnologia blockchain e IA até FinTech, SaaS e hardware.

“A Christie’s foi formada talvez 100 anos antes da primeira lâmpada. Quando fomos formados, não havia tecnologia”, disse Thakkar. “Aposto meus dois Bitcoins, ou o que quer que eu tenha deixado nos dias de hoje, que toda nova tecnologia que surgiu após o nosso nascimento, um de nossos clientes foi o primeiro a adotá-la.”

“Nossos clientes são muito abastados”, continuou Thakkar. “Eles querem as melhores coisas da vida, incluindo arte, e estão comprando novas tecnologias e experimentando com elas. Acho que permaneceremos relevantes aprendendo sobre essas tecnologias à medida que nossos clientes as utilizam e as integrando novamente, com cuidado, no mercado de arte.”

*Traduzido com autorização do Decrypt.

You May Also Like
Imagem da matéria: Criador da Braiscompany é preso na Argentina; veja fotos

Criador da Braiscompany é preso na Argentina; veja fotos

Antônio Neto Ais foi preso na noite passada quando chegava ao condomínio em que morava em Escobar, na Argentina; Sua esposa também foi capturada
bitcoin, fogo, traders, shorts

Alta do Bitcoin faz traders que apostavam na queda perder R$ 1,3 bilhão em liquidações

Os contratos em aberto do Bitcoin já ultrapassaram US$ 25 bilhões, de acordo com dados do Coinglass
Imagem da matéria: Bug na Coinbase zera saldo de usuários: "Estamos investigando"

Bug na Coinbase zera saldo de usuários: “Estamos investigando”

Clientes relatam que a Coinbase está mostrando contas vazias, mas a exchange garante que fundos estão seguros
Imagem da matéria: Blockchain da Avalanche para de fazer blocos e derruba preço da AVAX

Blockchain da Avalanche para de fazer blocos e derruba preço da AVAX

Avalanche C-Chain, lar da infraestrutura para a maioria dos projetos DeFi em AVAX, ficou mais de três horas sem produzir um novo bloco