Imagem da matéria: Como a custódia regulada protege criptoativos de crises sistêmicas como as que abalaram 2022 | Opinião
Foto: Shutterstock

Ainda que o mercado cripto esteja sentindo os rescaldos da última crise sistêmica, já é possível enxergar os acontecimentos de um panorama mais amplo. Uma vez que é possível que uma empresa use o dinheiro investido de seus clientes sem nenhuma precaução legal, outros escândalos como os que envolveram a FTX, uma das maiores empresas do mercado, têm espaço para acontecer.

No Brasil, aproximamos-nos cada vez mais da aprovação de um marco regulatório. Isso representará um grande avanço, no que diz respeito ao combate das crises que o mercado enfrentou em 2022.

Publicidade

Ainda estão na memória e são feridas que não cicatrizaram os colapsos de LUNA e de Celsius. São imbróglios que prejudicam a construção da indústria de forma sustentável e impactam negativamente na percepção dos clientes (institucionais e de varejo) sobre os criptoativos.

A comunidade cripto, como um todo, têm grande preocupação com proteção de dados e autonomia sobre seus próprios ativos. Fazer due diligence é uma questão extremamente valorizada e requisito para investir com segurança. Apesar deste pontos ainda existem falhas uma vez que ainda é possível que certos players atuem em todas as funções.

Como é no caso das exchanges, muitas servem não apenas como bolsa, mas como corretora, câmara de compensação e custodiante. Não há freios e contrapesos.

A regulamentação possibilitará alcançar pontos fortes do mercado financeiro tradicional. Dentro dele existem responsabilidades rigorosamente separadas entre as linhas de negócios (comercialização, financiamento e custódia, por exemplo) e as fortalecem com um sistema mais robusto e confiável. Eles são obrigados a manter reservas de capital suficientes e estão sujeitos a supervisão e auditorias.

Publicidade

Compliance ainda é um assunto que divide o mercado, mas apenas um conjunto de regras pode se fazer cumprir as normas que geram segurança. Além disso, questões de seguro são essenciais uma vez que garantem que o cliente não sairá lesado mesmo em casos de falência.

Além de uma regulamentação abrangente, é importante que as regras sigam em evolução conforme o desenvolvimento do mercado. Para o caso em questão, um bom primeiro passo seria um requisito regulatório de que as exchanges mantenham os fundos dos clientes com um custodiante independente e regulamentado.

Assim se encaixam empresas de custódia que operam com várias. Essas entidades têm a responsabilidade fiduciária de proteger os fundos dos clientes, que são segregados, sem risco de falência e nunca re-hipotecados.

Em suma, custodiantes regulados, maior separação dos papéis e melhor segregação entre negociação, financiamento e custódia podem ser considerados bons meios para precaução do abalo de uma crise sistêmica.

Sobre a autora

Juliana Walenkamp é diretora de vendas institucionais da BitGo

VOCÊ PODE GOSTAR
Logo da Binance

Binance anuncia conselho diretor global, mas não revela onde será sua sede

Entre os três membros externos estão dois executivos do mercado financeiro e um ex-embaixador de Barbados nos Emirados Árabes Unidos
Ilustração de mão segurando smartphone com logotipo da Toncoin

Toncoin (TON) bate recorde de preço e supera Cardano como 10ª cripto mais valiosa

O Toncoin (TON) da Open Network disparou nas últimas semanas e expulsou a Cardano do top 10 das criptomoedas
Imagem da matéria: Dogwifhat cai 15% e lidera perdas de memecoins em meio à lentidão da Solana

Dogwifhat cai 15% e lidera perdas de memecoins em meio à lentidão da Solana

As memecoins da Solana caíram da noite para o dia, enquanto os devs correm para consertar os problemas de congestionamento da rede
Imagem da matéria: Ripple vai lançar sua própria stablecoin lastreada ao dólar

Ripple vai lançar sua própria stablecoin lastreada ao dólar

Em seu lançamento, a stablecoin da Ripple estará disponível nas blockchains XRP Ledger e Ethereum, com planos de expansão