Imagem da matéria: Como a antifragilidade do bitcoin faz ele ser quase imparável
Foto: Shutterstock

O Bitcoin é relativamente novo. Foi inventado há menos de 12 anos e não é uma ação, uma startup ou uma Internet evoluída. Portanto, quaisquer comparações com coisas do passado não têm sentido.

Isso se combina com a falta de coordenação central do Bitcoin e sua volatilidade para dar uma impressão de uma classe de ativos que é inerentemente arriscada, não comprovada e frágil – apesar de ter um valor total, ou capitalização de mercado, de cerca de US$ 200 bilhões.

Publicidade

Na verdade, o Bitcoin é a própria antítese do frágil. Já se provou repetidamente; choques e tensões só serviram para torná-lo mais forte e prosperou na própria volatilidade e descentralização pelas quais foi criticado.

Isso torna o Bitcoin mais do que apenas robusto; isso o torna antifrágil. Aqui está o porquê.

Uma definição de antifragilidade

O termo antifrágil foi popularizado por Nassim Nicholas Taleb, autor de The Black Swan e Fooled By Randomness, em seu best-seller do New York Times de 2012, Antifragile: Things That Gain from Disorder.

“A antifragilidade está além da resiliência ou robustez”, escreveu Taleb. “Algumas coisas se beneficiam de choques; elas prosperam e crescem quando expostos à volatilidade, aleatoriedade, desordem e fatores de estresse e amam a aventura, o risco e a incerteza … O resiliente resiste a choques e permanece o mesmo; o antifrágil fica melhor.”

Taleb, apesar de ser um fã de criptomoeda, não menciona o Bitcoin em seu livro; seus pontos de vista sobre ele como um candidato à antifragilidade não foram publicados, mas parece marcar todas as opções.

Publicidade

Os defensores do Bitcoin, sem surpresa, concordam. “O bitcoin é, na verdade, um sistema antifrágil, pois se torna mais resistente depois de atacado”, disse Pedro Febrero, analista da Quantum Economics, ao Decrypt. Ele citou exemplos, incluindo o bug da inflação do Bitcoin de 2010, no qual uma pessoa explorou uma falha no código do Bitcoin para criar 184 bilhões de Bitcoin, e a proposta de hard fork do SegWit2x.

“Após cada incidente, o Bitcoin ficou mais forte em termos de adoção de rede e preço”, disse Febrero. Como o Bitcoin é uma rede aberta, sem permissão e descentralizada, ele acrescentou, “a probabilidade de continuar operando com sucesso sob ataques (antifragilidade) é muito maior do que qualquer sistema fechado.”

Então, com uma natureza aberta, sem permissão e descentralizada do Bitcoin o torna antifrágil? Vamos olhar mais de perto.

Infraestrutura antifrágil do Bitcoin

Um equívoco comum é que, como o Bitcoin é executado em sistemas de computador, deve ser possível desligá-lo. Mas nenhum computador controla o Bitcoin; o software de código aberto é executado em centenas de milhares de computadores simultaneamente e não há um ponto único de falha, então é praticamente impossível parar.

Uma rede centralizada vs descentralizada. Imagem: Unchained Capital

E, conforme mais novos computadores ingressam na rede, a descentralização do Bitcoin aumenta. Isso fortalece o sistema; aumenta os níveis de redundância para melhor garantir a longevidade; fortalece-o contra ataques futuros e faz com que ele evolua continuamente. Como resultado, o Bitcoin provou ser imune a qualquer tipo de ataque – não que as pessoas não tenham tentado.

Publicidade

A criptomoeda mais popular do mundo resistiu a hacks, hard forks e interferência do governo. Nenhum afetou o funcionamento da rede. Em vez disso, cada um reforçou o Bitcoin.

“Esses são eventos desordenados, eventos caóticos – eventos que fazem seu estômago revirar um pouco por causa da incerteza – e você esperaria que em uma situação normal o preço do Bitcoin caísse”, disse o empresário e educador Jimmy Song em uma apresentação de 2017. “O que vimos, no entanto, é que o preço do Bitcoin sobe. O Bitcoin é antifrágil, ele ganha com a desordem, ele ganha com o caos”.

Por exemplo, um primeiro grande hack em uma corretora de Bitcoin, a exchange Mt. Gox, levou os usuários a questionar sobre manter seus fundos nas bolsas. Ele incentivou a inovação, acelerando o desenvolvimento e a popularidade de carteiras de hardware seguras para que as pessoas pudessem ser responsáveis ​​por suas próprias chaves privadas. Cada hack subsequente na BitMex, Binance e outras exchanges reforçou a mensagem de não deixar suas criptomoedas sob custódia de terceiros.

O consenso do Bitcoin cria ordem na desordem

Bitcoin é um sistema monetário com um mecanismo de consenso de mercado em sua base, ao contrário de qualquer tipo de controle centralizado. Em vez de uma autoridade central, suas regras de consenso podem ser verificadas e aplicadas pelos participantes da rede, cada um dos quais é incentivado a agir pelo bem de todos.

“Ao eliminar a confiança nas contrapartes centralizadas, todos os participantes da rede podem confiar e, em última instância, confiar que a política monetária é segura e que não estará sujeita a mudanças arbitrárias”, escreveu Parker Lewis, chefe de Desenvolvimento de Negócios da empresa de serviços financeiros Unchained Capital. “Pode parecer um paradoxo, mas é perfeitamente racional. Em última análise, uma ordem espontânea emerge da desordem e se fortalece à medida que cada choque do sistema exógeno é absorvido. ”

Publicidade

Em 2017, o mecanismo de consenso do Bitcoin foi chamado para prestar contas. Uma série de partes interessadas influentes – provedores de serviços de exchange e custódia de Bitcoin e grandes mineradores – juntaram forças para mudar as regras de consenso, permitir tamanhos de bloco maiores e aumentar a capacidade de transação da rede. Mas eles foram frustrados por um esforço liderado pelo usuário.

Foi um momento crucial, demonstrando que o Bitcoin foi descentralizado o suficiente para impedir que qualquer órgão controlasse a rede sem o acordo da maioria esmagadora. Como resultado, a confiança no Bitcoin aumentou.

Bitcoin é imune à competição ou interferência do governo

O Bitcoin gerou mais de mil imitações, mas nenhum concorrente ultrapassou o Bitcoin, e nenhum governo foi capaz de fechá-lo.

Pelo contrário, a competição tem sido boa para o Bitcoin; cada tentativa de imitação testou o estresse da criptomoeda original e serviu para enfatizar sua superioridade.

O Bitcoin se desfez de hard fork (que resultou em Bitcoin Cash e Bitcoin SV, para citar apenas dois), Ethereum, stablecoins e Libra do Facebook, e ainda continua sendo a criptomoeda número um em termos de capitalização de mercado.

Crucialmente, não há líder; O Bitcoin não tem um CEO que possa ser levado ao Congresso, como Mark Zuckerberg tinha quando os legisladores se assustaram com a Libra, exigindo que o projeto fosse adiado por questões de segurança nacional.

Publicidade

Dois dos países mais populosos do mundo fizeram o pior para moderar as atrações do Bitcoin, mas ele seguiu em frente de qualquer maneira.

Na Índia, o banco central tentou proibir os bancos de atender às empresas de Bitcoin, em um esforço para restringir o setor. Mas sua decisão foi anulada pela suprema corte do país, e o país agora está negociando mais Bitcoins do que nunca.

Da mesma forma, a China restringiu as corretoras e a mineração de Bitcoin em 2017, mas as pessoas continuaram usando Bitcoin por meio de OTC, e as bolsas e os mineradores simplesmente mudaram para países mais hospitaleiros. Como resultado, a rede foi ainda mais fortalecida.

A maior falha do Bitcoin é, na verdade, sua maior força

A volatilidade é muitas vezes considerada a maior falha do Bitcoin. Desde 2009, o preço do Bitcoin mudou de forma frequente e alarmante no dia a dia. Um ano de destaque foi 2017, quando o valor do Bitcoin disparou de US$ 800 para quase US$ 20.000, antes de cair para cerca de US$ 13.000.

Mas, em vez de um bug, os entusiastas argumentam que a volatilidade deve realmente ser vista como um recurso que ameniza o entusiasmo dos investidores, ajuda na descoberta de preços e aumenta a imunidade do sistema. A volatilidade do Bitcoin muitas vezes também se move na mesma direção do preço; quando o preço cai, o mesmo acontece – geralmente – com a volatilidade.

Além disso, o amadurecimento do mercado de derivativos de Bitcoin atenuou a volatilidade do criptoativo – como foi o caso com ativos mais tradicionais no passado, pois adiciona liquidez e oportunidades de hedge.

Desprovido de disjuntores e outras interferências, o Bitcoin vacilaria sem volatilidade para manter o mercado sob controle. Sua sobrevivência contínua aumenta a confiança na rede, à medida que mãos mais fracas são abaladas e novos investidores se mostram dispostos a entrar no mercado pelo preço certo.

Bitcoin é antifrágil porque ele não se importa

Qualquer pessoa pode se juntar ao ecossistema Bitcoin. Bitcoin não se importa; é ainda mais fortalecido por cada contribuição individual aleatória.

O Bitcoin se beneficiou de um caso de uso inicial, quando foi adotado pelo site Silk Road como uma forma eficaz de pagar por drogas e outros produtos ilegais. Isso não fazia parte de nenhum projeto. No entanto, aumentou a adoção precoce e a conscientização.

Ao longo da última década, a rede foi apoiada pelas contribuições de uma miríade (muitas vezes anônima) de indivíduos – de usuários e investidores a desenvolvedores, criptógrafos e empresários – que às vezes pagaram com sua liberdade ou vida para participar do ecossistema.

Em um ciclo de feedback contínuo e auto-reforço, os esforços e erros da comunidade de desenvolvedores do Bitcoin, seus usuários – e mesmo aquelas forças externas que tentaram cooptar a rede – resultaram em um sistema comprovadamente mais confiável. Isso levou, por sua vez, a uma maior adoção, o que tornou o Bitcoin mais resistente a ataques futuros e erros individuais.

Mesmo os erros são uma força positiva. Conforme a rede cresceu, cada ponto potencial de falha se tornou menos vital para o funcionamento do Bitcoin como um todo. Embora isso signifique que pontos fracos e indivíduos tenham sido sacrificados para o bem do sistema, nenhuma tomada de decisão foi envolvida no processo.

E cada vez que o Bitcoin é declarado morto, ele volta – em um estado mais forte do que antes.

A exposição constante à “volatilidade, aleatoriedade, desordem e fatores estressantes” a que Taleb se refere tornou o Bitcoin antifrágil. Essa tecnologia disruptiva e darwiniana simplesmente se adaptou, evoluiu e ficou mais forte a cada novo choque em seu sistema. Isso está além da resiliência, o que implica que algo permanece o mesmo. O Bitcoin fica ainda melhor.

*Traduzido e editado com autorização da Decrypt.co
VOCÊ PODE GOSTAR
Equipamento de mineração com CPU em uma mesa de escritório com sinal luminoso do Bitcoin atrás

Dificuldade de mineração do Bitcoin bate recorde em último ajuste antes do halving

Recorde significa que mineradores estão correndo para garantir a recompensa de 6,25 BTC por bloco antes do halving
Pai Rico Pai Pobre Robert Kiyosaki posa para foto

Autor de “Pai Rico, Pai Pobre” explica por que não vai comprar ETF de Bitcoin

Robert Kiyosaki defende há anos Bitcoin, ouro e prata como as maiores reservas de valor
BTC bitcoin na frente de nota de dólar de 1 milhão

Preço do Bitcoin aumenta com otimismo de Biden sobre queda de juros do Fed ainda este ano

“Mantenho minha previsão de que, antes do final do ano, haverá um corte nas taxas”, disse o presidente dos Estados Unidos
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) cai para US$ 69 mil e mercado reduz apostas em ETF de Ethereum

Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) cai para US$ 69 mil e mercado reduz apostas em ETF de Ethereum

Quedas resultaram em quase US$ 200 milhões em posições de derivativos alavancadas liquidadas em diversos criptoativos, segundo CoinGlass