Imagem da matéria: Coleção de NFT feita em parceria com indígenas brasileiros movimenta mais de R$ 19 milhões
Winds of Yawanawa (Foto: OpenSea)

O artista digital turco Refik Anadol tem muito a comemorar com o lançamento da coleção de NFT Winds of Yawanawa (Ventos de Yawanawa), feita em parceria com o Instituto Nixiwaka, que representa as comunidades indígenas Yawanawá de Aldeia Sagrada e Nova Esperança, que ficam ao oeste do Acre.

Nos últimos dias, o projeto de arte digital baseado em pintura de dados meteorológicos gerou R$ 19,6 milhões em volume de negociação, de acordo com dados do OpenSea.

Publicidade

Os números estão sendo considerados ótimos por especialistas no assunto devido à desaceleração do mercado de NFTs nos últimos meses, o que provocou uma queda de 90% nas negociações desde que as famosas coleções Bored Ape Yacht Club e CryptoPunks também perderam tração.

“Winds of Yawanawa fez 451 ETH de volume no OpenSea ontem, cerca de 25% do volume total de ETH no OpenSea”, escreveu no X o usuário @punk9059 na terça-feira (17).

Punk9059, ou NFTstats.eth como se apresenta no X, é diretor de pesquisa da Proof Collective, uma organização que apoia a arte baseada em blockchain.

A parceria com a tribo Yawanawá foi revelada há pouco mais de um mês por Anadol no Instagram, onde o artista postou uma foto com Biraci Yawanawa, que diz ser a liderança política e espiritual da tribo Yawanawa.

Publicidade
Refik Anadol com Biraci Yawanawa (Reprodução/Instagram)

Embora os NFTs tenham um preço mínimo de cerca de US$ 18,3 mil, uma arte, #503, foi vendida por cerca de US$ 26 mil na terça-feira, apontou o The Block. Um post sobre a venda também foi compartilhado por Refik.

Coleção de NFTs Winds of Yawanawa

De acordo com uma publicação do Valor Econômico de setembro, indígenas Yawanawá captaram US$ 3 milhões no projeto “que mesclam pinturas tradicionais com dados meteorológicos em tempo real da Amazônia”.

As peças em Winds of Yawanawa não são estacionárias e, em vez disso, evoluem visualmente e mudam continuamente, não muito diferente de um “protetor de tela sofisticado”.

No OpenSea, a descrição diz que a coleção de NFT aproveita dados meteorológicos da vila da tribo na floresta amazônica, incluindo velocidade do vento, rajadas, direção e temperatura.

Publicidade

“Esses dados então se fundem com os trabalhos de jovens artistas Yawanawá, resultando em um jogo fascinante de formas e cores tradicionais de pigmentação de dados”, finaliza.

Veja um teaser da obra:

Refik Anadol na Argentina e no Brasil

Rafik exibiu suas obras pela primeira vez na América do Sul em outubro do ano passado em um evento em Buenos Aires, Argentina, em parceria com o Museu de Artes Plásticas Eduardo Sívori. Na ocasião, o artista mostrou seu trabalho imersivo em NFT.

Em setembro deste ano, Refik esteve pela primeira vez no Brasil para suas obras generativas criadas por inteligência artificial (IA). O artista se apresentou na Cidade da Música, montada no Autódromo de Interlagos, Zona Sul de São Paulo.

VOCÊ PODE GOSTAR
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”