Imagem da matéria: Coinbr teve contas fechadas por Sicoob, Sicredi e Itaú, mas manteve Caixa Econômica Federal
(Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

A Stratum Blockchain e a Coinbr apresentaram na terça-feira (06) resposta ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) informando que possuem atualmente apenas uma conta aberta na Caixa Econômica Federal.

De acordo com o documento, a Coinbr teve suas contas encerradas pelo Itaú; Banco do Brasil; Bradesco; Sicoob; Banco Cooperativo Sicredi e Agiplan, além de uma conta corrente que sequer foi aberta pelo Santander. O motivo apresentado pela maioria dessas instituições era o chamado “desinteresse comercial”.

Publicidade

A Coinbr expôs que o Sicredi chegou a acusar a empresa de servir “como facilitadora no incentivo ao tráfico e lavagem de dinheiro”. A companhia abriu um processo contra essa instituição financeira, mas apesar de ter conquistado uma liminar ao seu favor essa foi derrubada pelo juiz que deu sentença favorável ao Sicredi. O processo agora está em fase recursal.

Caixa Econômica Federal, último refúgio

Somente o Itaú e o Sicoob que deram outra justificativa para o encerramento das contas. A falta de regulamentação no setor foi a razão dada para que o Sicoob fechasse a conta da Coinbr em maio de 2018, conforme consta no documento apresentado ao Cade.

Já o Itaú justificou que o encerramento da conta com o argumento de que “a movimentação de valores não condiz com o capital social e balanços apresentados pela empresa”. A Coinbr também tem uma ação contra essa instituição financeira.

Segundo a Coinbr, a conta no Itaú permanece encerrada, “embora haja um cumprimento de sentença em andamento, uma vez que a empresa havia garantido o direito de manter a conta aberta”.

Publicidade

Esse caso do Itaú, de acordo com a empresa, foi o que teria gerado maior prejuízo pois grande parte da movimentação da Coinbr era feita por meio dessa instituição

“No caso do Banco Itaú em específico, quase 90% por cento das movimentações financeiras da Coinbr eram oriundas do referido Banco, fazendo com que as operações de mercado tivessem uma queda em relação ao período em que a conta bancária encontrava-se ativa”.

A plataforma de criptomoedas, em face de toda essa problemática, segue com apenas uma conta corrente aberta. A Caixa Econômica Federal foi a única instituição que se absteve de encerrar conta dessa empresa.

Segurança e privacidade

A Stratum e a Coinbr afirmaram que não adotam o Know Your Client (KYC) e o motivo é o de manter a segurança e a privacidade de seus clientes. As empresas, pelo fato de não trabalhar com dinheiro vivo com seus clientes e transacionar apenas por intermédio de instituição bancária, entendem que os bancos já fazem esse rigoroso processo.

Publicidade

“A partir do momento que o usuário está enviando valores para as contas bancárias indicadas pela Exchange (neste caso para contas da empresa Coinbr), que possui diversos funcionários e não possui condições de fazer validações rigorosas, se esta exigir-lhe documentação sigilosa, terá que ser responsável por todos os documentos de usuários, garantindo assim a segurança deles”.

Ainda, de acordo com o documento, em caso de qualquer suspeita de fraude, os órgãos públicos tais como a Receita Federal podem monitorar as contas bancárias e que seria bastante oneroso para uma startup arcar com essa responsabilidade e manter a segurança de todos os dados sensíveis de seus usuários é um investimento de alto custo.

“Não é correto transferir para uma corretora esta responsabilidade, sendo que a mesma sequer possui conexão com o sistema da Receita Federal, Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) e tampouco com Sisbacen (Sistema do Banco Central).”

VOCÊ PODE GOSTAR
Homem aponta controle para TV que emerge imagens em 3D

‘TV 3.0’ que chegará ao Brasil em 2025 vai precisar de internet ou conversor? Entenda

Novo sistema de transmissão para TVs promete enviar som e imagem com qualidades maiores, além de maior interatividade com o espectador
homem segura com duas mãos uma piramide de dinheiro

Polícia do RJ investiga grupo acusado de roubar R$ 30 milhões com pirâmide financeira

Para ganhar a confiança dos investidores, a empresa fraudulenta fazia convites para assistir jogos de futebol em camarote do Maracanã
Celular com logotipo da Receita Federal sobre notas de reais

Receita alerta sobre golpe do “erro na declaração” do Imposto de Renda; veja como se proteger

Os criminosos informam supostos erros em declarações para induzir a vítima a baixar um arquivo malicioso
Tela de celular mostra logo da Comissão de Valores Mobiliários do Brasil CVM

CVM ganhou R$ 832 milhões com multas aplicadas em 2023, um aumento de 1.791%

A autarquia também registrou o maior número de casos julgados desde 2019