Imagem da matéria: Coinbase pode ser forçada a compartilhar dados de negociação de Bitcoin com governo dos EUA
(Foto: Shutterstock)

Nos últimos dias, um número não confirmado de usuários da Coinbase recebeu e-mails da principal exchange de criptomoedas dos Estados Unidos, informando-os de que as informações vinculadas às suas contas de clientes poderiam ser compartilhadas em breve com a Commodities Futures Trading Commission (CFTC), depois que a Coinbase recebeu uma intimação.

Embora a Coinbase tenha se recusado a comentar publicamente a intimação até o momento, ou a que dados exatos ela se refere, a ordem legal parece estar ligada a uma questão relativa a outra exchange de criptomoedas: a Bybit, empresa com sede em Dubai fundada em 2018 por Ben Zhou.  

Publicidade

Uma pessoa familiarizada com o assunto confirmou ao Decrypt que a Coinbase de fato enviou esses e-mails aos clientes nesta semana, mas não quis entrar em detalhes sobre quais informações exatas foram solicitadas pela CFTC, como essas informações se referem à Bybit ou quantos clientes podem ser afetados pela intimação. 

Em sua carta aos clientes afetados, a Coinbase escreveu que poderia protestar contra a intimação no tribunal antes do prazo aparente de 30 de novembro. No entanto, uma pessoa ligada ao assunto disse ao Decrypt que a Coinbase está trabalhando com a CFTC para determinar quais dados podem ser enviados em breve para a agência federal — embora a empresa esteja supostamente trabalhando para limitar o escopo dos dados compartilhados o máximo possível.

No Twitter, os usuários da Coinbase que receberam o aviso questionaram por que estavam agora na mira do governo federal. Alguns especularam que apenas os detentores de criptomoedas que usavam tanto a Coinbase quanto a Bybit foram alvo da intimação, potencialmente como parte de um caso crescente contra a Bybit.

Mas vários e-mails de notificação de intimação enviados aos clientes pela Coinbase, e analisados pelo Decrypt, foram emitidos para usuários que dizem nunca ter usado a Bybit ou criado contas na exchange. Quando questionada pelo Decrypt sobre esses clientes, a Coinbase não quis comentar. A CFTC também não respondeu ao contato do Decrypt.

Publicidade

A CFTC já havia processado outras exchanges de criptomoedas por não instituírem requisitos de conhecimento do cliente (KYC), por operarem bolsas de derivativos de ativos digitais ilegais e por oferecerem negociação de futuros sem registro.

Na semana passada, como parte do acordo histórico da Binance com várias agências do governo dos EUA, incluindo o Departamento de Justiça dos EUA, a exchange concordou em pagar uma multa de US$ 1,35 bilhão por violar essas diretrizes específicas da CFTC. 

A Bybit só começou a exigir padrões KYC em todos os seus serviços em maio deste ano, de acordo com o site da empresa. Embora a conexão das contas dos usuários americanos da Coinbase com as contas da Bybit possa ser uma forma de a CFTC provar que os usuários americanos conseguiram acessar os produtos e serviços da Bybit sem fornecer informações essenciais de identificação, a agência ainda não entrou com nenhum processo contra a exchange.

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

You May Also Like
Imagem da matéria: El Salvador lucra 40% com investimento em Bitcoin, mas presidente diz que não irá vender

El Salvador lucra 40% com investimento em Bitcoin, mas presidente diz que não irá vender

A estimativa é que El Salvador possua hoje 2.848 bitcoins, cerca de US$ 173 milhões nos preços atuais
Popó em entrevista no Flow podcast

Popó comemora prisão de donos da Braiscompany: “Melhor presente de 2024”

O boxeador investiu R$ 1,2 milhão na pirâmide financeira de Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos
Celular com logotipo da BInance

Token Axelar (AXL) dispara 50% após listagem na Binance

O novo ativo poderá ser negociado nos pares com Bitcoin e Lira turca, e com as stablecoins FDUSD e USDT
Smartphone mostra logotipo da Binance à frente de tela de negociação

Binance vai listar seis novos pares com stablecoins, incluindo Pepe

A criptomoeda meme PEPE acumula uma valorização de 400% nos últimos sete dias