lupa mostra o logo da coinbase em uma tela de computador
Shutterstock

A Coinbase, maior corretora de criptomoedas dos EUA, e seu CEO, Brian Armstrong, são alvos de um novo processo nos EUA que alega violação das leis de valores mobiliários. A ação coletiva foi registrada no Tribunal Distrital para o Distrito Norte da Califórnia, segundo documento disponibilizado pelo Courtlistener neste domingo (5).

Os denunciantes dizem que o modelo de negócios da Coinbase foi construído sob “mentiras” e “sonhos”.

Publicidade

“A Coinbase faz parte de um ecossistema criptográfico obscuro formado há mais de 10 anos e que opera fora da lei. Todo o seu modelo de negócios foi construído sobre uma mentira e um sonho: a mentira é que “não vendemos valores mobiliários”, e o sonho é que, sabendo que acabaria sendo pega na mentira, “é melhor pedir perdão do que permissão”, ressalta a abertura do processo registrado na última sexta-feira (3).

Eles afirmam que vários tokens, como Solana (SOL) e Polygon (MATIC), por exemplo, foram expostos como uma forma de investimento quando vendidas em sua plataforma mediante a cobrança de taxas. Outro argumento é sobre as contas da modalidade ‘‘Coinbase Earn’, que prometia retornos ainda maiores, sugerindo contrato de investimento.

Eles alegam que Coinbase desconsiderou intencional e persistentemente as leis de valores mobiliários dos estados da Califórnia e da Flórida, admitindo em seu contrato de usuário que era uma corretora de valores mobiliários na ocasião em que se tornou uma empresa pública nos EUA — mas que antes vendeu criptomoedas como títulos legais.

Os tokens mencionados no processo são: Solana (SOL); Polygon (MATIC); Near Protocol (NEAR); Decentraland (MANA); Algorand (ALGO); Uniswap (UNI); Tezos (XTZ); Stellar (XLM).

Coinbase nos EUA

De acordo com os denunciantes, quando a Coinbase protocolou junto aos estados e à SEC para se tornar uma empresa pública há alguns anos, revelou que seu negócio envolvia a venda de valores mobiliários, mas que não estava registrada para operar.

Publicidade

“Ao redigir seu contrato de usuário com os investidores e outros clientes, a Coinbase identifica especificamente os criptoativos que vende como ‘valores mobiliários’. No entanto, a Coinbase nunca registrou a si mesma, seus funcionários ou os títulos criptográficos que vende”, afirma o documento, cujos requerentes pedem a rescisão total, medidas legais sob as leis do estado, além de medida cautelar.

Assina a ação coletiva o Escritório Scott e Scott Advogados em nome de Gerardo Aceves; Thomas Fan; Edwin Martinez; Tiffany Smoot; Edouard Cordi; e Brett Maggard, este em ação individual.

VOCÊ PODE GOSTAR
Tela de celular mostra logotipo Drex- no fundo notas de cem reais

Banco Central adia Drex para realizar novos de testes de privacidade

BC explica que primeira fase de testes foi focada em elementos de privacidade, mas as soluções encontradas “ainda não estão maduras”
Moeda de Ethereum na frente de gráfico

Manhã Cripto: Ethereum sobe 2,6% e flerta com US$ 4 mil; PEPE bate novo recorde

Com ganhos de 10% no dia, PEPE foi capaz de atingir um novo preço recorde de US$ 0.000017
Hacker com capuz sorri no escuro

“Fizemos besteira”: Gala Games confirma hack de de R$ 1,2 bilhão

Um invasor usou um exploit para cunhar e roubar 5 bilhões de tokens da Gala Games (GALA)
Imagem da matéria: Mesmo que ETF de Ethereum seja aprovado, pode levar semanas para estrear nas bolsas; entenda

Mesmo que ETF de Ethereum seja aprovado, pode levar semanas para estrear nas bolsas; entenda

Sinal verde da SEC esta semana é apenas o primeiro passo para o lançamento do ETF de Ethereum