Espião
Shutterstock

A corretora Coinbase vendeu um software que permite rastrear e identificar pessoas para o Immigrations and Customs Enforcement (ICE), um órgão do governo dos EUA responsável por identificar imigrantes ilegais, fazer prisões e iniciar processos de deportação – e pode ter fornecido junto dados potencialmente sigilosos de localização de usuários. As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (30) em reportagem da versão americana do portal The Intercept.

A negociação envolve o Coinbase Tracer, uma ferramenta de rastreio em blockchains da corretora. Segundo a reportagem, isso a princípio poderia parecer um serviço para identificar endereços e operações, como outros que já existem no mercado.

Publicidade

No entanto, no contrato entre as partes está previsto que a Coinbase deve fornecer “dados históricos de geolocalização”. A reportagem do The Intercept afirma que não está explícito nos documentos quais seriam esses dados.

A Coinbase, em resposta ao veículo de comunicação, disse que fornece dados que são públicos e disponíveis em blockchain e que não disponibiliza dados pessoais dos clientes.

Porém, por meio da Lei de Acesso à Informação, outro ponto veio à tona: a Coinbase não pediu que a ICE assinasse uma licença padrão que normalmente é colocada em contratos, dizendo que o comprador do serviço não pode cometer abusos no uso do software.

Quanto aos valores, os documentos mostram que, inicialmente, em agosto de 2021 a Coinbase vendeu uma licença única para a ICE por US$ 29 mil. Depois, no entanto, houve uma compra de software que potencialmente chegou a US$ 1,36 milhões.

Publicidade

No Twitter, o criador da Binance, Changpeng “CZ” Zhao, foi perguntado se poderia dizer que a empresa não tem a mesma prática. O empresário garantiu que não.

O The Intercept ressalta que a própria origem do Coinbase Tracer já foi cercada de controvérsias. Em 2019, a corretora comprou a empresa Neutrino, que fazia análise de dados de blockchain. Essa companhia foi fundada pela Hacking Team, um grupo italiano controverso por vender softwares de espionagem para países como Etiópia, Arábia Saudita e Sudão.

Após a história ter sido revelada pelo portal Motherboard, a Coinbase afirmou que as pessoas envolvidas deixariam a empresa.

VOCÊ PODE GOSTAR
Cachorro Shiba Inu que inspitou Dogecoin

Kabosu, a cachorrinha que inspirou a Dogecoin, falece aos 18 anos

Kabosu sofria de doença crônica e já era muito idosa; segundo sua dona, a cachorrinha “faleceu silenciosamente”
Bitcoin em gráfico de alta com seta azul apontado para o alto

Traders esperam que Bitcoin supere a máxima de US$ 74 mil em breve

“Esperamos um impulso de alta aqui que pode nos levar de volta às máximas de US$ 74 mil”, disse a QCP Capital sobre o momento do Bitcoin
Presidente do Banco Central Roberto Campos Neto falando diante de um microfone

Presidente do Banco Central se reúne com MB um dia após anunciar agenda da regulação do mercado cripto

O Banco Central divulgou ontem os próximos passos para a regulação do setor cripto e espera concluir o processo até o final de 2024
Imagem da matéria: El Salvador lança site de Bitcoin e revela quantas criptomoedas possui hoje; confira

El Salvador lança site de Bitcoin e revela quantas criptomoedas possui hoje; confira

Segundo os dados do mempool, El Salvador comprou 30 bitcoins no último mês