Moeda de Bitcoin sobre nota de dólar
Shutterstock

A Coinbase Derivatives Exchange, plataforma de derivativos da Coinbase, maior corretora de criptomoedas dos EUA, vai passar a oferecer contratos futuros de Bitcoin (BTC) e Ethereum (ETH) para clientes institucionais a partir da próxima segunda-feira (5), de acordo com um comunicado no blog da empresa na quinta-feira (1º).

A companhia disse que criou esses produtos para atender ao aumento da demanda institucional após a emissão de seus contratos de nano Bitcoin (BIT) e nano Ether (ETI) no ano passado. A Coinbase Derivatives Exchange é regulamentada pela Comissão de Negociação de Contratos Futuros de Commodities dos EUA (CFTC).

Publicidade

“Os contratos futuros Coinbase Bitcoin (BTI) e Coinbase Ether (ETI) estarão acessíveis através dos principais corretores institucionais terceirizados de Comissão de Mercados Futuros (FCM)”

Contratos Futuros são um tipo de produto financeiro de derivativos, que definem uma data e um preço no futuro em que um ativo deve ser vendido, independente do verdadeiro preço de mercado naquele momento.

Na oferta de contratos futuros de Bitcoin da Coinbase Derivatives Exchange, por exemplo, cada contrato representa 1 BTC:  “1 Bitcoin (contrato de ~ US$ 30 mil nocional, ou seja, 1 x US$ 30 mil)”.

A plataforma descreve o produto como “um contrato futuro mensal liquidado em dinheiro que permite aos participantes gerenciar riscos, negociar com margem ou especular sobre o preço do Bitcoin.

Publicidade

No caso para o Etherum, o mesmo é descrito, mudando apenas a estratégia: “10 Ethereum (contrato de ~US$ 20 mil nocional, ou seja, 10 x ~US$ 2 mil)”.

“Os futuros de BTI e ETI, dimensionados em 1 bitcoin e 10 ether por contrato, respectivamente, permitirão que os participantes adaptem sua exposição a essas crescentes commodities de ativos digitais com granularidade, permitindo que os traders aproveitem as oportunidades em um ambiente de mercado altamente dinâmico”, ressalta a nota.

No caso de ocorrer um hard fork na rede dos ativos e porventura gerar um novo token, a Coinbase afirma que “o novo token não será adicionado ao Índice, a menos que se torne a moeda dominante”.

Além disso, acrescentou: “A exchange, em conjunto com o provedor do Índice, notificará os participantes do mercado com antecedência sobre qualquer alteração no Índice”.

Publicidade

“Nanofuturos” da Coinbase

Para dar início à oferta desses tipos de produtos, a Coinbase usou como trampolim uma exchange de contratos futuros já regulamentada pela CFTC, a FairX, adquirida pela empresa em janeiro de 2022.

Sobre os “nanofuturos”, lançados no ano passado, o BIT é um exemplo do produto atrelado ao Bitcoin: trata-se de um centésimo de 1 BTC, comercializado com o ticker BIT. “Desde seu lançamento vimos o interesse institucional e a demanda por produtos derivados avançados”, diz a Coinbase.

VOCÊ PODE GOSTAR
Senado, Congresso, Câmara dos Deputados, Brasília, Parlamento

Segregação patrimonial no mercado cripto será tema de audiência pública na Câmara

Na justificativa para a audiência, o deputado Aureo Ribeiro disse que práticas adotadas por algumas exchanges despertam “graves preocupações”
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

Polícia Civil de SP pede prisão de donos da Braiscompany e mais dois funcionários

Antônio Neto Ais já está preso na Argentina, enquanto Fabrícia Campos está em liberdade condicional
moeda de bitcoin e ethereum com gráfico ao fundo

Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) supera US$ 72 mil com halving cada vez mais próximo; ETH dispara 6%

É a primeira vez que o Bitcoin bate a marca de US$ 72 mil desde meados de março
Arte digital mostra mãos operando um celular que projeta moedas

O que é restaking? Tendência polêmica do Ethereum agora é mercado de US$ 8 bilhões 

Protocolos de restaking que permitem gerar nova liquidez com tokens já travados na rede são vistos como “risco sistêmico” por Vitalik Buterin, criador do Ethereum