Imagem da matéria: Cofundador do Ethereum compra empresa de mineração de asteroides
(Foto: Pixabay)

A ConsenSys, empresa de tecnologia blockchain criada pelo cofundador do Ethereum, Joseph Lubin, acaba de adquirir a Planetary Resources, empreendimento fundado em 2012, cujo projeto é focado em mineração de asteroides.

“O presidente e CEO da Planetary Resources, Chris Lewicki, juntamente com o conselheiro geral Brian Israel, juntaram-se à ConsenSys através de uma transação de compra de ativos”, diz um comunicado do dia 31 de outubro no site da empresa.

Publicidade

No Twitter, Lubin pareceu empolgado com a nova aquisição e deu boas vindas à Planetary Resources.

Apesar de o valor da aquisição não ter sido revelado, a nova parceria — extremamente moderna, dada a combinação de blockchain e voos espaciais — provavelmente não deve ter sido difícil para Lubin.

Segundo a Forbes, em publicação no início do ano, o empresário é bilionário e pode ter uma fortuna entre US$ 1 e US$ 5 bilhões em criptomoedas — além de pessoas próximas a ele desconfiarem que seu patrimônio seja de US$ 10 bilhões.

Crença da Ethereum

A sede da Planetary Resources em Redmond, Washington, continuará servindo de base para a ConsenSys iniciar, então, juntamente com os ex-proprietários (como parte do acordo), sua exploração espacial.

“Eu admiro a Planetary Resources por seu talento, seu histórico de inovação e por inspirar pessoas em todo o planeta com sua ousada visão para o futuro”, disse Lubin.

Publicidade

Ele frisou que trazer recursos do espaço para o nosso ecossistema reflete nossa crença no potencial da Ethereum em ajudar a humanidade a criar novos sistemas de regras sociais por meio de confiança automatizada.

“Isso reflete nossa crença em democratizar e descentralizar os esforços nos projetos espaciais e assim liberar mais ainda o potencial humano. Estamos ansiosos nessa jornada para os próximos meses”, disse Lubin.

Empresa passava por dificuldades

A aquisição pela ConsenSys aconteceu num momento em que a Planetary Resources realmente necessitava de recursos para prosseguir na exploração espacial, opinou o Engadget.

De acordo com uma publicação do Geek Wire em agosto deste ano, a empresa demitiu funcionários e chegou a leiloar alguns de seus equipamentos.

Publicidade

O site afirma que até mesmo móveis de escritório foram vendidos para arrecadar recursos depois de não conseguir uma nova rodada de financiamento em junho passado.

Lembrando que a empresa no início de sua formação teve apoio de bilionários como Larry Page e Eric Schmidt, do grupo Alphabet Inc. (Google, Google Capital, Google Ventures, entre outros), segundo o site.

A parceria vai permitir a manutenção dos planos para sua meta original de inspeção de asteroides para 2020. A Planetary Resources já lançou dois satélites na órbita da Terra por meio da nave Arkyd-6 em janeiro deste ano.


BitcoinTrade

Baixe agora o aplicativo da melhor plataforma de criptomoedas do Brasil
Cadastre-se e confira todas as novidades da ferramenta, acesse: www.bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
Imagem da matéria: Projeto de universitários brasileiros ganha R$ 50 mil em hackathon global da Solana

Projeto de universitários brasileiros ganha R$ 50 mil em hackathon global da Solana

Grupo criou aplicação para conectar via blockchain produtores de energia e estações de abastecimento, com a mira no mercado de carros elétricos
martelo de juiz com logo da binance no fundo

Governo dos EUA contrata empresa para monitorar a Binance

A Forensic Risk Alliance venceu a disputa contra a Sullivan & Cromwell, que atuou no caso FTX
Moeda prateada da Chainlink com reflexo em um fundo roxo

Chainlink sobe 18% ao lançar projeto piloto em Wall Street com JP Morgan, BNY Mellon e DTCC

A DTCC anunciou que acaba de concluir um projeto piloto de tokenização com gigantes de Wall Street, como JP Morgan e BNY Mellon, aproveitando o CCIP da Chainlink