Imagem da matéria: Cofundador da BitMEX se declara culpado por violação à Lei de Sigilo Bancário dos EUA
Foto: Shutterstock

Samuel Reed, um dos três cofundadores da corretora BitMEX, incluindo Arthur Hayes e Benjamin Delo, declarou-se culpado de violar a Lei de Sigilo Bancário dos EUA. Agora, o executivo pode receber uma sentença que de até cinco anos de prisão.

“Samuel Reed agora se uniu a seus cofundadores Arthur Hayes e Benjamin Delo ao admitir que fizeram com que a BitMEX cometesse violações criminais de leis antilavagem de dinheiro que governam instituições financeiras que operam nos Estados Unidos”, disse o promotor Damien Williams.

Publicidade

A notícia surge semanas após Hayes e Delo também terem se declarado culpados de violações à Lei de Sigilo Bancário.

“Como refletido pela declaração de culpa, esta Promotoria não irá permitir que corretoras de criptomoedas operem como um sistema financeiro e fantasma que permite que atores criminosos movimentem proventos ilícitos sem serem detidos e vai investigar e condenar veemente operadores de tais corretoras que deliberadamente infringem a lei americana”, disse Williams.

Repressão contínua à BitMEX

Esse acontecimento surge após um comunicado de imprensa publicado pelo Departamento de Justiça (ou DOJ, na sigla em inglês), afirmando que Hayes e Delo deliberadamente falharam em “estabelecer e manter um programa antilavagem de dinheiro [ou AML] na BitMEX”.

Segundo o comunicado recente do DOJ (que faz referência ao indiciamento de Reed, documentos e declarações judiciais feitas no tribunal), Reed foi um dos três cofundadores em uma época em que a BitMEX operava nos EUA e atendia milhares de consumidores americanos.

Publicidade

No entanto, isso aconteceu “apesar de representações falsas da empresa sobre o contrário”, alegou o DOJ.

“Reed deliberadamente fez com que a BitMEX falhasse em estabelecer e manter um programa AML, incluindo um programa para verificar a identidade de clientes da BitMEX”, explica. Por sua vez, isso resultou na transformação da BitMEX “em uma plataforma de lavagem de dinheiro”.

O DOJ também destacou que, em maio de 2018, Reed foi notificado sobre alegações de que a BitMEX estava sendo usada para lavar proventos de um hack relacionado a criptomoedas. Nem Reed nem a BitMEX enviaram um relatório de atividade suspeita na sequência.

Além disso, Reed também “sabia que a suposta saída da BitMEX do mercado americano em ou próximo de setembro de 2015 era uma farsa”, explicou.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Brasileira perde R$ 28 mil em golpe de falso consultor de criptomoedas

Brasileira perde R$ 28 mil em golpe de falso consultor de criptomoedas

Além do prejuízo com as criptomoedas, mulher relata que teve o celular e as contas bancárias invadidas pelo golpista
Imagem da matéria: Berachain: a mais recente rival de Ethereum e Solana que arrecadou muito dinheiro

Berachain: a mais recente rival de Ethereum e Solana que arrecadou muito dinheiro

Fundada por desenvolvedores com nomes com temas de urso, Berachain é construída no Cosmos SDK e pretende ser a próxima grande cadeia de camada 1
moedas diversas caindo do céu

Binance lista duas criptomoedas que vão distribuir milhões em airdrop

As listagens de Ethena (ENA) e Wormhole (W) ocorrem entre hoje e amanhã; veja detalhes
Vitalik-Buterin-Ethereum

Vitalik Buterin se torna defensor do “comunismo degenerado”; entenda

Para o criador do Ethereum, o “comunismo degen” abraça abertamente o caos, mas ajusta regras e incentivos para fazer com que as consequências do caos estejam alinhadas com o bem comum