Imagem da matéria: Clientes vão ter que ir a corretoras de criptomoedas para abrir contas na Tailândia
Foto: Shutterstock

A Agência de Combate à Lavagem de Dinheiro da Tailândia (AMLO) anunciou que a partir de setembro as exchanges de criptomoedas devem introduzir no KYC (sigla em inglês para ‘Conheça seu Cliente’) a verificação de identidade através de um sistema de escaneamento chamado ‘dip chip’. Isso obriga os novos usuários a comparecerem na empresa para fornecer uma cópia digital do seu documento de identidade.

De acordo como o Bangkok Post, as novas regras podem inibir o crescimento do setor de criptomoedas no país, segundo comentários de especialistas do setor. Isso porque até então todas as etapas do processo de abertura de conta são realizadas eletronicamente, desde o envio do formulário de inscrição até a verificação da identidade do cliente e a aprovação da conta.

Publicidade

Poramin Insom, por exemplo, que é cofundador e diretor da exchange de criptoativos Santang Corp, a nova regra pode atrapalhar o desenvolvimento do setor no país, pois a maioria das plataformas têm se preparado para uma grande demanda de contas. Só no final do ano passado foram abertas 160.000; em abril, os tailandeses somaram quase 700 mil contas, afirmou o jornal.

“A maioria das trocas de ativos digitais ainda está ocupada preparando seus sistemas para acomodar o número crescente de clientes à medida que novos aplicativos de conta continuam a entrar. No entanto, esse crescimento pode ser contido se o processo de inscrição se tornar mais complicado”, disse Poramin ao Bangkok Post.

Exchanges vão se reunir

Segundo ele, as empresas de criptomoedas estão planejando um evento junto à Associação Comercial de Operadores de Ativos Digitais da Tailândia para debaterem o tema e assim poder levar uma sugestão aos órgãos reguladores — AMLO e Comissão de Valores Mobiliários. Ele afirmou também que atualmente as exchanges já têm o dever de informar qualquer compra acima de ฿ 1,8 milhão (baht, moeda da Tailândia) — cerca de US$ 60 mil.

A nova exigência, no entanto, não é novidade no setor de ativos, pois já ocorre com os compradores de ouro. Segundo o empresário Thanarat Pasawongse, presidente-executivo da loja de ouro Hua Seng Heng, a maioria dos estabelecimentos já usam o ‘dip chip’ há pelo menos 4 anos por ser mais seguro que uma fotocópia.

VOCÊ PODE GOSTAR
javier milei presidente da argentina

Milei é criticado por propor regulação cripto: “Sofrerá as consequências de não entender o Bitcoin”

“Javier Milei cometeu grande erro. Ele nunca reservou um tempo para entender o Bitcoin e irá sofrer as consequências”, disse Max Keiser
Imagem da matéria: FBI intima participantes de evento de 2022 após roubo de dev do Bitcoin Core

FBI intima participantes de evento de 2022 após roubo de dev do Bitcoin Core

Dashjr, cofundador do pool de mineração Ocean, teve um montante de Bitcoin roubado que hoje vale mais de US$ 14 milhões
Paolo Ong, da SEC Filipinas

Termina prazo para saída da Binance das Filipinas e reguladores avisam: “Não há como sacar fundos após bloqueio”

“Não podemos endossar nenhum método de como retirar seu dinheiro agora que a ordem de bloqueio foi emitida”, disse o regulador filipino
Imagem da matéria: Berachain: a mais recente rival de Ethereum e Solana que arrecadou muito dinheiro

Berachain: a mais recente rival de Ethereum e Solana que arrecadou muito dinheiro

Fundada por desenvolvedores com nomes com temas de urso, Berachain é construída no Cosmos SDK e pretende ser a próxima grande cadeia de camada 1