Imagem da matéria: CEO do Citigroup diz estar ajudando governos a criar moedas digitais
Foto: Shutterstock

O CEO do Citigroup disse na sexta-feira (04) em uma entrevista que as moedas digitais do banco central são “inevitáveis” – e revelou que a multinacional está ajudando governos em todo o mundo a desenvolvê-las.

“Temos trabalhado com governos em todo o mundo em termos de criação e comercialização delas e acho que é inevitável que isso aconteça”, disse Michael Corbat, que é CEO do Citigroup desde 2012, a David Rubenstein da Bloomberg.

Publicidade

Corbat não foi além ao falar sobre como o Citigroup estava ajudando os governos a desenvolver moedas digitais soberanas – mais conhecidas como moedas digitais do banco central (CBDCs). Os representantes do Citigroup não responderam imediatamente ao pedido de comentários do Decrypt.

O CEO do Citigroup também disse durante a entrevista que o valor de uma criptomoeda depende da “natureza subjacente” do ativo. “Acho que depende de qual é a natureza subjacente da moeda”, disse ele quando questionado se as criptomoedas eram “o futuro” ou uma “fantasia passageira”.

“Algumas foram comparados ao ouro moderno, algumas foram comparados a alternativas. Acho que em um futuro não tão distante veremos uma soberana – não direi cripto – mas moeda digital sendo lançada. ”

Embora ele não tenha mencionado Bitcoin ou qualquer outro ativo digital na entrevista, Corbat disse que “algumas dessas moedas serão apenas alternativas continuadas, diferentes fontes de pagamento contínuas das quais as pessoas podem tirar vantagem, dependendo da natureza subjacente do que são . ”

Publicidade

Os comentários de Corbat vêm enquanto governos em todo o mundo correm para desenvolver um CBDC funcional.

Alguns CBDCs são semelhantes a criptomoedas como Bitcoin e Ethereum, pois às vezes usam a tecnologia blockchain. Mas eles diferem porque são centralizados (controlados por um governo, ao contrário do Bitcoin) e atrelados a moedas fiduciárias, como o euro ou o dólar americano.

Eles são considerados úteis porque eliminarão a necessidade de dinheiro; fazer pagamentos mais rápidos; e ajudar a combater o crime, de acordo com um estudo do Banco de Compensações Internacionais.

Os bancos centrais em todo o mundo, do Banco Central Europeu ao dos EUA, estão todos olhando para os CBDCs – mas nenhum deles realmente desenvolveu um ainda. A China está bem à frente e já testou uma versão digital do renminbi.

No Brasil, o presidente do Banco Central já anunciou que pretende ter uma moeda digital até 2022.

*Traduzido e editado com autorização da Decrypt.co
VOCÊ PODE GOSTAR
Logo da ftx, dólares e bitcoin

Analistas preveem alta no mercado cripto com ressarcimento bilionário a clientes da FTX

A FTX deve cerca de US$ 11 bilhões a credores, mas a massa falida conseguiu levantar mais de US$ 14 bilhões
Ilustração de bandeira do Brasil dentro moeda de Bitcoin

Fundos cripto do Brasil captam mais R$ 1,5 mi e chegam a 21ª semana consecutiva de entradas

Vindo de uma grande sequência de captação, fundos de criptomoedas do Brasil estão em 3º lugar no ranking global, atrás apenas dos EUA e Hong Kong
Imagem da matéria: CEO da Grayscale deixa cargo: "Momento certo para transição"

CEO da Grayscale deixa cargo: “Momento certo para transição”

A Grayscale, uma das maiores gestoras de criptomoedas do mundo, anunciou que Michael Sonnenshein está deixando o cargo de CEO
Presidente do Banco Central Roberto Campos Neto falando diante de um microfone

Presidente do Banco Central se reúne com MB um dia após anunciar agenda da regulação do mercado cripto

O Banco Central divulgou ontem os próximos passos para a regulação do setor cripto e espera concluir o processo até o final de 2024