Imagem da matéria: Caixa Econômica, Bradesco e Santander são investigados por cobrança indevida de aposentados
Foto: Shutterstock

O Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) iniciou uma investigação contra bancos, seguradoras e associações de aposentados, acusados de cobranças indevidas sobre aposentadorias.

As empresas investigadas são os bancos Bradesco, Caixa Econômica Federal e Santander, e as seguradoras Chubb Seguros Brasil, Companhia de Seguros e Previdência do Sul (Previsul), Sabemi Seguradora, Sudamerica Clube de Serviços e Sudamerica Vida Corretora de Seguros.

Publicidade

Outras cinco associações de aposentados também estão na mira do ministério: Associação Beneficente de Auxílio Mútuo ao Servidor Público (Abamsp), Associação Nacional de Aposentados e Pensionistas da Previdência Social (Anapps), Associação Brasileira de Aposentados, Pensionistas e Idosos (Asbapi), Central Nacional dos Aposentados e Pensionistas do Brasil (Centrape), e Rede Ibero-Americana de Associações de Idosos do Brasil e das seguradoras (Riaam Brasil).

Descontos indevidos

Segundo o Ministério da Justiça, todas as entidades e empresas são investigadas em razão de supostos descontos indevidos, sejam nos benefícios dos aposentados sob a forma de contribuições associativas, sejam sob a forma de “débito automático” e seguros não contratados.

A apuração teve início no último dia 6 e foi instaurada pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), ligado à pasta. Ela partiu de uma quantidade expressiva de reclamações registradas junto ao Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (SINDEC) envolvendo os bancos e seguradoras.

Se somaram a esses dados um total de 2.295 reclamações registradas em outra base, esta do INSS, que envolveram as cinco associações de aposentados citadas na investigação. Também foram obtidas informações junto ao Poder Judiciário sobre cobranças indevidas de aposentados.

Publicidade

“Os relatos dos consumidores, tanto nas reclamações apuradas pelo SINDEC, quanto pelo levantamento apresentado pelo INSS, são semelhantes no sentido do desconhecimento dos consumidores, dos descontos efetuados na forma de seguros ou contribuições associativas, os quais alegaram ausência de solicitação ou autorização para tanto”, diz a pasta, em nota enviada ao Portal do Bitcoin.

O DPDC vai apurar se houve prática abusiva por parte dos fornecedores, consistente em adicionar produtos ou serviços na forma de contribuições associativas ou seguros, sem que os consumidores houvessem autorizado ou solicitado, prática expressamente vedada pelo Código de Defesa do Consumidor.

Os bancos, seguradoras e associações citadas têm dez dias para apresentar sua defesa. Se as práticas indevidas forem comprovadas, elas podem ser condenadas a pagar multa de até R$ 9,9 milhões.


BitcoinTrade

Baixe agora o aplicativo da melhor plataforma de criptomoedas do Brasil
Cadastre-se e confira todas as novidades da ferramenta, acesse: www.bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Policiais federais fotografados de costas

PF e Receita Federal caçam grupo suspeito de lavagem de dinheiro com criptomoedas

Policiais federais e auditores-fiscais se mobilizaram em quatro estados para cumprir mandados de prisão, busca e apreensão em um esquema de importações ilegais
Banco Central se reunirá hoje com Facebook para debater proibição do WhatsApp Pay

“Inserimos com o Drex o conceito de tokenização nos sistemas dos bancos”, diz Campos Neto

O presidente do BC participa do Emerging Tech Summit, evento do Valor Capital Group em São Paulo
Policial algemando suspeito durante a noite

Médico perde R$ 500 mil em criptomoedas após encontro por aplicativo e sequestro; suspeitos são presos

Os sequestradores que aplicaram o famoso ‘golpe do amor’ foram presos rapidamente pela PM de SP; Polícia Civil investiga o paradeiro dos ativos
Imagem de Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin

Gilmar Mendes mantém prisão de Glaidson Acácio dos Santos, criador da GAS Consultoria

A defesa do ‘Faraó do Bitcoin’ alegou problemas psiquiátricos e uso de medicamento controlado, além de questionar a jurisdição acerca da competência para os processos