Caito Maia, do Shark Tank, participou de evento da pirâmide financeira Genbit
Caito Maia, um dos ‘tubarões’ do Shark Tank Brasil. (Foto: Reprodução/Canal Sony)

*Atualização: Após a publicação da reportagem, a assessoria de imprensa enviou um contraponto.

Caito Maia, personalidade do Shark Tank Brasil e CEO da Chilli Beans, chegou a palestrar num dos eventos promovidos pela Genbit, que na época se chamava ainda Zero.10 Club. Naquela época, a empresa já estava sob a mira da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) por suspeita de atuação irregular no mercado.

Publicidade

O criador Chilli Beans abriu a convenção internacional Infinity Zero. Ele contou suas experiências como empresário e tratou de temas ligados à liderança e gestão de pessoas. Seria nada demais se a empresa por trás do evento não fosse aquela que já levantava suspeitas no mercado por atuação fraudulenta.

A empresa Gensa (razão social tanto da Genbit quanto da Zero.10 Club) hoje é alvo de investigações do Ministério Público e da Polícia Civil de São Paulo por suspeita de fraude com criptomoedas. Porém, antes mesmo daquele evento em que participou o empresário, a CVM já havia emitido um alerta aos investidores sobre a Zero.10 Club (antigo nome da Genbit).

De acordo com o Grupo Anti-Ponzi (GAP), Maia teria sido, contudo, mais uma vítima dos dirigentes da Gensa. Na publicação feita pelo GAP, a personalidade do Shark Tank Brasil teria sido usada por Nivaldo Gonzaga e Gabriel Tomaz. 

“Somente com esta ação Nivaldo Gonzaga, aumentou o volume de dinheiro na Pirâmide em mais de 30%, segundo o Diretor de Operações Internacionais que acabou delatando ao GAP os planos maléficos da Organização criminosa”.

Um Shark Tank em evento de pirâmide

No programa exibido pelo canal pago Sony, o respeitado empresário vive analisando a viabilidade de negócios apresentados a ele. Maia, no entanto, acabou emprestando sua imagem credível a um negócio para lá de suspeito.

Publicidade

A conferência internacional promovida pela empresa que desviou todos os bitcoins de seus clientes contou então com shows das duplas sertanejas Chitãozinho & Xororó e Jorge & Mateus. 

No evento ainda teve apresentações do humorista Gabriel Louchard e do grupo de acrobacia Universo Casuo. O youtuber Rick Chesther, dono do canal “Pega a Visão”, também foi uma das atrações do Infinity Zero. Com todos esses nomes, o mais festejado, no entanto, era o do apresentador do Shark Tank Brasil.

No anúncio do evento feito pela Zero.10 Club, Caito Maia era apresentado não como a estrela da noite em que participaria, mas da própria conferência que ocorreu em dois dias no Credicard Hall de São Paulo.  

“Para abrir o circuito de palestras, Caito Maia vai contar a história da sua marca de sucesso, Chilli Beans, com mais de 800 lojas no Brasil e no exterior. Além disso, apresenta temas sobre liderança, planejamento e gestão de pessoas”.

Publicidade

Caito Maia e o canal Sony foram procurados pela reportagem para comentar o assunto, mas não retornaram às solicitações.

Caso semelhante

Esse não é o único caso que envolve uma celebridade do Shark Tank Brasil a empresas suspeitas de fraude com criptomoedas. Camila Farani quase fez uma palestra para a Binary Bit em 17 de agosto na Arena da Fonte Nova, Salvador (BA). Ela, porém, havia cancelado sua participação por motivos contratuais.

Segundo a assessoria de Farani, a participação foi cancelada “após constatado o distanciamento de valores para com a empresa e a convenção”. A empresária recebeu duas vezes o prêmio de Melhor Investidora-Anjo no Startup Awards —em 2016 e 2018.

A empresa Binary Bit é suspeita de atuar em esquema de fraude de pirâmide financeira, segundo a CVM, após avaliar uma denúncia registrada em maio de 2019.

Contraponto Caito Maia

O Caito foi contratado em dezembro de 2018 pela empresa Palestrando, uma das empresas que o agencia como speaker, para palestrar na Convenção da empresa Genbit. Na ocasião, a empresa foi apresentada como uma Companhia de Investimento em moeda digital, prática muito comum atualmente, e ao verificar os canais da empresa a marca entendeu como se tratando de fato desta operação. Na época a consulta foi feita através do site https://www.genbit.club/, hoje inexistente.

A Palestrando é uma empresa bastante idônea, com a qual a marca trabalha a mais de 3 anos e toda a contratação foi feita através deles (temos histórico de e-mail que comprova a negociação).  Entendemos que a contratação estava sendo firmada com a empresa Genbit e nunca soube-se de tratar de um esquema de Pirâmide.  Depois do evento alguns seguidores do Caito comentaram sobre o cunho do evento em seu instagram, mas  já era tarde.

Publicidade

Ou seja, o Caito teve participação comercial no evento, foi contratado como profissional, assim como o  Gabriel Louchard, Chitãozinho & Xororó e Jorge & Mateus. Na matéria, além de o título sugerir que o Caito ajudou a promover o golpe, também cita que ele foi usado pelos dirigentes do evento entre outras coisas que não são verdade.

Contraponto Genbit

Quanto aos profissionais e empresários que compartilharam suas experiências com os, aderentes e clientes da empresa.

Ao longo desse processo o grupo Treepart sempre promoveu encontros e treinamentos através da estrutura Denk Academy, um modelo de negócio planejado para levar ao mercado conteúdos para formação das pessoas na economia digital. Esses encontros realizados em todo o país promoveram a inserção de 40.000 pessoas, com informações e estratégias para alcance de mercado. Estes encontros puderam contar com a presença de especialistas do mercado digital, economistas, juristas, grandes empresas, coaches de renomes, tudo em prol do propósito macro da Companhia, ou seja, a implementação da economia digital de forma consciente, estruturada e com plena usabilidade.

Cabe pontuar que o único objetivo dos eventos era o de formação em um mercado tão carente de informação qualificada bem como de inserção na economia digital.

Os profissionais palestrantes foram contratados de forma independente
com o único viés de compartilhar conteúdos de acordo com a sua
respectiva área de especialização, sem qualquer conotação ou vínculo
comercial a quaisquer produtos ou serviços oferecidos pelas estruturas
da holding Treepart.

Gensa, Genbit e Zero10.

Cabe esclarecer que a uma confusão de nomenclatura e operações que são independentes.

A Genbit é a marca da exchange de Cripto ativos com restrito
funcionamento como o de qualquer outra operação de intermediação de compra e venda de ativos digitais, onde o cliente pode fazer hold,
realizar operações peer to peer, trade ou arbitragem, ela é pertencente
a Gensa SA.

A plataforma Zero10.club, descontinuada, era um programa de inserção e alavancagem de intermediação de criptoativos que funcionava de forma independente e opcional a aqueles usuários.

Publicidade

Em respeito ao posicionamento da CVM emitido em julho/2019, que alterou a sua visão em relação a atuação do mercado de cripto ativos, essa operação foi encerrada.

Vale ressaltar cabe a MD autarquia (CVM) regular a forma de atuação no mercado de investimentos, não sendo o órgão responsável por julgar o mérito.

Com relação a se tratar de um evento de pirâmide

Com relação a fonte de informações de um anônimo não oficial e
desconhecido GAP (GRUPO ANTI PONZI), pontua se:

Corre desde o mês de janeiro de 2019, uma ação contra potenciais
participantes relacionados a Fake News contra nossas estruturas sócios e diretores, onde já tivemos ganho de causa em primeira instância
(consulte site TJ SP)

A empresa não possuiu nenhum tipo de Diretoria de Operações
Internacionais, por tanto é falaciosa qualquer afirmação atribuída a uma pessoa inexistente.

Ainda falando sobre GAP, conforme rasa pesquisa nas redes sociais,
outrora já tiverem seus canais excluídos das mídias e retirado qualquer
hospedagem em território brasileiro.


Compre Bitcoin na Coinext 

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Banco Central se reunirá hoje com Facebook para debater proibição do WhatsApp Pay

“Inserimos com o Drex o conceito de tokenização nos sistemas dos bancos”, diz Campos Neto

O presidente do BC participa do Emerging Tech Summit, evento do Valor Capital Group em São Paulo
Fotos dos equipementos de mineração de criptomoedas operados com furto de eletricidade em Canela, RS

Polícia Civil do RS fecha fazenda de mineração de criptomoedas que lucrava R$ 400 mil por mês

Além de crime de furto de energia, casal preso responderá por porte ilegal de arma e lavagem de dinheiro
Homem preso com as mãos algemadas nas costas

Polícia do Rio prende suspeitos de integrar quadrilha especializada em golpes com criptomoedas

Operação ‘Investimento de Araque’ foi deflagrada nos estados do Rio, Amazonas e Pará; suspeitos movimentaram mais de R$ 15 milhões em dois anos
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte