Imagem da matéria: Brasileiros importam recorde de R$ 8,6 bilhões em criptomoedas em março
Shutterstock

A importação de criptomoedas por brasileiros atingiu um novo recorde de US$ 1,751 bilhão (R$ 8,6 bi) em março, segundo dados divulgados pelo Banco Central na quinta-feira (2). Com isso, o primeiro trimestre de 2024 se encerrou com um total de US$ 4,689 bilhões em importações, valor 118% acima do mesmo período do ano passado.

A importação reflete o fluxo de ativos entre um não residente (vendedor) para um residente (comprador) no Brasil, e as transações comerciais são medidas pela autoridade monetária por meio de contratos de câmbio. No acumulado de 12 meses, as importações de criptoativos atingiram US$ 14,843 bilhões em março.

Publicidade

Esse movimento, que pode ser interpretado como compra de moedas digitais, coincide com o ótimo momento vivido por essa classe de ativos no início de 2024, em especial o Bitcoin, que chegou a atingir sua máxima histórica acima de US$ 73 mil.

No dia 10 de janeiro, a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC), aprovou, após anos de batalha, o lançamento de uma série de ETFs de Bitcoin à vista, evento que desencadeou uma forte onda de valorização da maior criptomoeda do mundo e do mercado como um todo.

Com um interesse recorde dos investidores nesses fundos, as gestoras iniciaram um período de grandes compras de BTC, puxando o preço da moeda, que por sua vez também fez com que investidores no mundo todo passassem a adquirir criptomoedas. E os dados do Banco Central ajudam a corroborar esse cenário no Brasil.

Exportações também aumentam

Na outra ponta, o resultado das exportações também aumentou significativamente, ainda que o valor nominal seja bem inferior ao de importações. Em março, os brasileiros exportaram US$ 202 milhões em criptoativos, dez vezes mais que os US$ 20 milhões de um ano antes.

Publicidade

O acumulado do trimestre também saltou, cerca de sete vezes, passando de US$ 49 milhões nos três primeiros meses de 2023, para US$ 348 milhões este ano. O valor já é mais da metade dos US$ 613 milhões exportados em todo ano passado.

A compra de criptoativos por brasileiros, segundo a norma do BC, é equivalente à importação de um bem, enquanto a venda seria a exportação. Essa interpretação usa como base as normas do Fundo Monetário Internacional (FMI), que entende que ativos digitais sem um passivo de uma contraparte emissora são classificados como não financeiros.

O mercado agora já fica atento para os dados referentes ao mês de abril, que serão apresentados no próximo dia 24, já que, após os recordes batidos no primeiro trimestre, o Bitcoin caiu mais de 14% no mês passado, o que deve ser refletido em um recuo dos números de importações e exportações.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Braiscompany: Justiça já entregou todos os documentos para extraditar donos da pirâmide

Braiscompany: Justiça já entregou todos os documentos para extraditar donos da pirâmide

O casal que fundou a Braiscompany está em prisão domiciliar na Argentina, enquanto os países negociam extradição
Imagem da matéria: Criadora da segunda maior stablecoin, Circle anuncia chegada oficial ao Brasil

Criadora da segunda maior stablecoin, Circle anuncia chegada oficial ao Brasil

Empresa disse que lançará em breve uma opção para que o mercado brasileiro acesse de forma mais rápida a USDC
Imagem da matéria: Carteiras ativas com PEPE dobram enquanto memecoin atinge sua alta histórica

Carteiras ativas com PEPE dobram enquanto memecoin atinge sua alta histórica

A memecoin estabeleceu várias máximas históricas em maio, subindo ainda mais após a aprovação de ETFs de Ethereum à vista
Imagem da matéria: ABCripto lança campanha de arrecadação de criptomoedas em apoio a vítimas de enchentes no RS

ABCripto lança campanha de arrecadação de criptomoedas em apoio a vítimas de enchentes no RS

Ação conjunta da ABcripto e associados visa levantar fundos e doações para desabrigados das inundações