Fachada da B3, a bolsa de valores do Brasil, em São Paulo
Foto: Shutterstock

A B3, bolsa de valores do Brasil, firmou o compromisso de investir em uma empresa do setor de criptomoedas. Trata-se da Parfin, que levantou US$ 15 milhões (R$ 80 milhões) em uma rodada de investimento. Porém, para ser concretizado, o investimento da B3 precisa de aprovação dos reguladores.

Os outros participantes do investimento foram a Framework Ventures, Valor Capital Group e a Alexia Ventures. O investimento da bolsa de valores do Brasil será feita por meio da L4 Venture Builder, fundo de investimentos formado pela B3.

Publicidade

Fundada em 2019, a Parfin visa criar soluções Web3 para instituições que procuram explorar o mercado de ativos digitais.

Os recursos desse aporte serão usados para continuar evoluindo produtos existentes, assim como lançar novas soluções, como a Parchain, uma nova geração de blockchain EVM permissionada, que possibilita a prática de DeFi e tokenização de ativos por entidades regulamentadas com foco em privacidade, portabilidade e interoperabilidade. 

“Parfin é um excelente parceiro com time e stack tecnológico sólidos” diz Jochen Mielke de Lima, CEO da B3 Digital Assets, uma empresa B3 que oferece serviços para ativos digitais e um cliente da Parfin. “Com esse passo e um novo aumento de capital esperamos fortalecer ainda mais nosso relacionamento e esperamos que a Parfin continue a executar seu roadmap para oferecer infraestrutura digital em um nível institucional, conciliando experiência de mercado e inovação tecnológica” conclui Jochen.

A Parfin também oferece aos institucionais diversas soluções de infraestrutura web3, que incluem o Crypto as a Service (CaaS), uma solução em API que permite às instituições oferecerem uma rápida oferta de cripto aos seus usuários finais, e a MPC (Multi-Party Computation) Custody, uma das mais seguras e avançadas soluções de custódia MPC do mercado.  

Além disso, a Parfin também oferece em sua plataforma, sistemas para gestão de tesouraria segura, negociação em mais de 20 grandes exchanges, OTC desks e bancos e uma ampla suíte de relatórios que resume a atividade dos usuários e reports fiscais. Com a solução de blockchain privada e permissioada Parchain, instituições podem iniciar sua jornada de tokenização e entrar no universo web3, e ao mesmo tempo permanecerem em conformidade com as leis e regulamentações locais. 

  • Já pensou em inserir o seu negócio na nova economia digital? Se você tem um projeto, você pode tokenizar. Clique aqui, inscreva-se no programa Tokenize Sua Ideia e entre para o universo da Web 3.0
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin cai para US$ 60 mil; Trump defende criptomoedas e faz memecoin subir 155%

Manhã Cripto: Bitcoin cai para US$ 60 mil; Trump defende criptomoedas e faz memecoin subir 155%

No Brasil, investidores reagem à decisão do Copom de reduzir em 0,25 ponto percentual a taxa básica de juros (Selic)
Vitalik Buterin na ETH Taipei 2024. Foto: Rug Radio

Como o fundador do Ethereum, Vitalik Buterin, mantém suas criptomoedas seguras

“Descentralize sua própria segurança”, diz Buterin – mas ele não usa uma cold wallet para suas próprias criptomoedas
criptomoedas, criptoativos, regulação, Brasil, projeto de lei

Banco Central anuncia próximos passos da regulamentação do mercado cripto no Brasil

Sem definir datas, BC diz que irá fazer mais uma consulta pública no segundo semestre e um planejamento interno sobre stablecoins
Tela de celular mostra logotipo Drex- no fundo notas de cem reais

Banco Central adia Drex para realizar novos de testes de privacidade

BC explica que primeira fase de testes foi focada em elementos de privacidade, mas as soluções encontradas “ainda não estão maduras”