Imagem da matéria: "Blockchain privada é solução para diminuir custos", diz chefe de informação do Bacen
Palestra da Gabriela Ruberg, chefe do escritório de governança da informação do Banco Central do Brasil (Foto: Alexandre Antunes/Portal do Bitcoin))

O compartilhamento de dados entre órgãos do governo ainda tem sido algo caro, burocrático e nem sempre tem sido eficaz. A solução apresentada por Gabriela Ruberg, chefe do escritório de governança da informação do Banco Central do Brasil (Bacen), foi o uso de uma Blockchain privada permissionada.

A executiva, que palestrou na manhã desta quinta-feira (18), no evento “Blockchain e a Transformação Digital” que aconteceu no Cenpes (Centro de Pesquisas Leopoldo Américo Miguez de Mello) no Rio de Janeiro, disse que não falava pelo Bacen e que relataria apenas a experiência que teve com a tecnologia disruptiva.

Publicidade

Ela apresentou o projeto Pier, uma plataforma de integração de entidades reguladoras, baseada numa blockchain permissionada.

Ruberg disse que o Banco Central compartilha informações com outros órgãos como a Susep e CVM (Comissão de Valores Mobiliários), além de outros. Ela relatou que há uma lei a qual não permite que órgãos públicos peçam a mesma informação que já estão sob o domínio do governo.

O problema, contudo, é que muitas vezes se cria um lago de dados pelo qual o órgão não tem conhecimento imediato sobre quais dados foram compartilhados e com quais outros órgãos esse compartilhamento ocorreu.

A chefe do escritório de governança da informação do Banco Central usou como exemplo a implementação da plataforma Olinda, que era centralizada e acabou sofrendo com essa limitação de lago de dados:

“As soluções centralizadas trazem problemas como alto custo do desenvolvimento. Para órgãos públicos isso é bem complicado também por causa da complexidade de atualização”.

Publicidade

Bacen e a saída pela descentralização

A solução foi a criação de uma plataforma descentralizada, pela qual entidades públicas podem compartilhar dados usando uma Blockchain permissionada.

“Dentro de uma rede pode ter inclusive trocas entre apenas alguns participantes. Nela se tem o nome de quem pediu o quê”.

O Pier, que promete maior agilidade, autonomia e governança no compartilhamento de dados, ainda não foi implementado. Ruberg disse que na próxima semana haverá ainda uma reunião com alguns órgãos para traçar algumas definições.

Acompanhe o evento ao vivo:


3xBit

Inovação e segurança. Troque suas criptomoedas na corretora que mais inova do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://3xbit.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
homem segura com duas mãos uma piramide de dinheiro

Polícia do RJ investiga grupo acusado de roubar R$ 30 milhões com pirâmide financeira

Para ganhar a confiança dos investidores, a empresa fraudulenta fazia convites para assistir jogos de futebol em camarote do Maracanã
Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó do Bitcoin"

Livro sobre a ascensão e a queda do “Faraó do Bitcoin” chega às livrarias em maio

Os jornalistas Chico Otávio e Isabela Palmeira contam sobre o golpe de R$ 38 bilhões do Faraó do Bitcoin que usou criptomoedas como isca
Fachada de um prédio da BlackRock na Califórnia, EUA

Hedera (HBAR) salta 113% em meio à confusão sobre fundos tokenizados da BlackRock

A BlackRock, no entanto, disse que não está diretamente envolvida no esforço de tokenização da Archax
Tela de celular do Telegram

Tether (USDT) chega à rede TON e wallet do Telegram

Parceria entre Tether e Telegram visa expandir a atratividade da TON para um público mais amplo de usuários que não entendem de criptomoedas