Imagem da matéria: "Estudei blockchain e criptomoedas", diz indicado de Bolsonaro para o Banco Central
(Foto: Divulgação)

O economista Roberto Campos Neto, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para presidir o Banco Central, mencionou a tecnologia blockchain e ativos digitais em uma carta ao Senado, reportou a Reuters nesta quarta-feira (06).

O documento faz parte do protocolo exigido pelo Senado para dar aval à indicação. Nele, a pessoa recomendada tem que apresentar sua trajetória profissional que será apreciada pelo parlamento. A expectativa é que esse processo seja concluído até março, diz o site.

Campos Neto disse que pretende preparar a autarquia para o avanço de tecnologias.

Publicidade

“Tenho estudado e me dedicado intensamente ao desenho de como será o sistema financeiro do futuro. Participei de estudos sobre blockchain e ativos digitais. Uma das contribuições que espero trazer para o Banco Central é preparar a instituição para o mercado futuro, em que as tecnologias avançam de forma exponencial, gerando transformações mais acelerada”.

O economista citou ter feito parte do grupo responsável pelo banco digital do Santander e que foi o encarregado pela tesouraria da instituição nas Américas.

Ele também elogiou as conquistas do Banco Central relativas ao controle inflacionário durante a gestão do atual presidente Ilan Goldfajn. Campos Neto fez questão de apontar que possui afinidade intelectual e moral com a equipe econômica — o economista é assessor do ministro da Economia, Paulo Guedes.

“Ressalto a importância da recente consolidação da inflação em torno da meta e da ancoragem das expectativas de inflação, o que permitiu a redução sustentável das taxas de juros e contribuiu para a recuperação da economia”, escreveu o indicado.

Publicidade

Segundo a reportagem, o texto de Campos Neto sinaliza que ele deve dar prosseguimento e eventualmente avançar nas ações iniciadas por Goldfajn.

Família Banco Central

Durante a gestão de Ilan Goldfajn , a instituição estimulou o surgimento de startups de serviços financeiros  (fintechs), regulamentando a atividade no setor de crédito.

Formado em economia, com especialização em finanças, pela Universidade da Califórnia, em Los Angeles, Campos Neto tem 49 anos.

Entre 1996 e 1999, ele trabalhou no Banco Bozano Simonsen, onde ocupou os cargos de operador de Derivativos de Juros e Câmbio, operador de Dívida Externa, operador da área de Bolsa de Valores e executivo da Área de Renda Fixa Internacional. De 2000 a 2003, trabalhou como chefe da área de Renda Fixa Internacional no Santander Brasil.

Conforme lembrou a Agência Brasil, o avô do futuro presidente do BC, o economista Roberto Campos, comandou o Ministério do Planejamento no governo Castelo Branco, de 1964 a 1967. Nesse período, ele foi um dos idealizadores e presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de agosto de 1958 a julho de 1959.

Publicidade

3xBit

Inovação e segurança. Troque suas criptomoedas na corretora que mais inova do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://3xbit.com.br


VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração da memcoin em Solana Bonk

Como criar uma memecoin em Solana com a Pump.fun

Protocolo viralizou ao permitir a qualquer pessoa criar uma criptomoeda por cerca de R$ 15
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube