Bitmex
Foto: Shutterstock

Uma ação judicial entre a BitMEX e dois dos primeiros investidores Frank Amato e Elfio Guido Capone foi encerrada no mês passado.

De acordo com o advogado da TransPacific Law, Pavel Pogodin, a BitMEX fez um acordo com Amato e Capone no valor de aproximadamente US$ 44 milhões em dinheiro e patrimônio líquido.

Publicidade

BitMEX foi uma das primeiras plataformas de negociação de derivativos de criptomoedas do mundo. Foi fundada originalmente em Hong Kong, mas atualmente está sediada nas Seychelles.

Os demandantes Amato e Capone processaram a corretora de criptomoedas no Tribunal Superior da Califórnia em uma tentativa de recuperar mais de US$ 500 milhões. Ambos os indivíduos afirmam ter sido os primeiros investidores na BitMEX há mais de 5 anos. De acordo com o Finance Magnates, Hayes buscou o investimento da Amato já em meados de 2014.

O valor do patrimônio do autor, supostamente superior a US$ 90 milhões, bem como US$ 450 milhões em indenizações, colocam o processo em um total de aproximadamente US$ 540 milhões.

Problemas legais da BitMEX

Uma série de ações judiciais foram movidas contra a bolsa nos últimos anos. Em outubro de 2020, a US Commodity Futures Trading Commission entrou com uma ação de lavagem de dinheiro contra a bolsa, alegando que a BitMEX estava operando ilegalmente nos Estados Unidos.

Publicidade

Em uma acusação separada, também emitida em outubro, o Procurador dos Estados Unidos para o Distrito de Nova York entrou com ações criminais contra Arthur Hayes e coproprietários da bolsa por violar a Lei de Sigilo Bancário e conspiração para violar a Lei de Sigilo Bancário.

Na sequência dessas alegações, grandes quantidades de Bitcoin foram sacados da plataforma. Cerca de US$ 420 milhões em Bitcoin foram retirados até 2 de outubro de 2020.

Pouco depois dessas alegações, em 8 de outubro de 2020, o então CEO da BitMEX, Arthur Hayes, renunciou ao cargo. Ele foi substituído por Vivien Khoo como CEO interino imediatamente após a renúncia de Hayes.

Na sequência, a BitMEX acelerou procedimentos de KYC de todos os usuários. Ontem mesmo, a empresa anunciou que todos os seus usuários ativos agora estão totalmente verificados.

*Traduzido e editado com autorização da Decrypt.co
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem por detrás de uma pessoa algemada

Interpol prende hacker que roubou R$ 260 mil da Polícia de Buenos Aires e lavou fundos com USDT

Liderado por um venezuelano, preso nos EUA, o grupo roubou R$ 8 milhões de entidades argentinas através de um malware de origem brasileira
Moeda prateada da Chainlink com reflexo em um fundo roxo

Chainlink sobe 18% ao lançar projeto piloto em Wall Street com JP Morgan, BNY Mellon e DTCC

A DTCC anunciou que acaba de concluir um projeto piloto de tokenização com gigantes de Wall Street, como JP Morgan e BNY Mellon, aproveitando o CCIP da Chainlink
Estátua da justiça e martelo de juiz à frente de bandeira do Canadá

Canadá multa Binance em R$ 22,5 milhões por violar as leis de combate à lavagem de dinheiro 

Agência do governo menciona falta de registro e ausência de relatório de transações enquanto corretora operou no país
Costas de um policial de Hong Kong

Empresário e filho se entregam à polícia após sequestrarem investidora de criptomoedas

A dupla teria tentado acertar as contas com a mulher de 55 anos que teria intermediado um investimento de cerca de R$ 10 milhões em criptomoedas