mãos trocando uma moeda de bitcoin BTC à frente de uma bandeira do Líbano
Foto: Shutterstock)

A crise financeira do Líbano, combinada com a hiperinflação que assola o país do Oriente Médio há anos, tem feito com que os cidadãos veem nas criptomoedas uma tábua de salvação. Em países em que a moeda fiduciária não vale muita coisa, o Bitcoin (BTC) ganha espaço, assim como a atividade de mineração.

Contudo, essa nova onda de adoção cripto no Líbano não é novidade. Há cerca de quatro anos, o país mergulhou em uma crise financeira após décadas de guerras e más decisões políticas.

Publicidade

Na época, os libaneses perceberam que uma moeda descentralizada e sem fronteiras operando fora do alcance de banqueiros e políticos era o que precisavam. E nos dias atuais também, como descreve uma recente reportagem da CNBC, cujo título diz: “No Líbano falido, cidadãos mineram bitcoin e compram mantimentos com Tether (USDT), já que US$ 1 agora vale 15 centavos”.

O veículo descreve também como se deu o início da dissolução da libra libanesa. A moeda oficial do país perdeu mais de 95% de seu valor desde 2019, e o salário mínimo despencou do equivalente a US$ 450 por mês para apenas US$ 17, resultado de uma taxa de inflação de três dígitos.

A libra perdeu mais de 95% de seu valor desde 2019, e o salário mínimo do país despencou do equivalente a US$ 450 para US$ 17 por mês, além de uma taxa de inflação de três dígitos.

Portanto, uma saída encontrada para proteger o dinheiro tem sido converter a moeda local em satoshis, como faz todo sábado o arquiteto Georgio Abou Gebrae. Ele conta que descobriu o bitcoin em 2019, quando aceitou receber US$ 5 em BTC para gravar um comercial de pneus após ter perdido seu emprego na capital de Beirute.

Publicidade

Segundo ele, se tentasse transformar os dólares em libras perderia metade do valor devido a taxas e conversão. “É por isso que eu estava olhando para o bitcoin – era uma boa maneira de obter dinheiro do exterior”, disse ele à CNBC.

De acordo com a reportagem, alguns cidadãos libaneses têm como única fonte de renda a mineração de bitcoin, enquanto não encontram um emprego formal. Outros organizam reuniões pelo Telegram para trocar a stablecoin por dólares americanos para poder comprar comida.

“O bitcoin realmente nos deu esperança. Nasci na minha aldeia, vivi aqui toda a minha vida e o bitcoin me ajudou a ficar”, conta Gebrae.

Crise financeira no Líbano

Banco Mundial avalia que a crise econômica e financeira do Líbano está entre as piores já vistas no planeta desde a década de 1850. As Nações Unidas estimam que 78% da população libanesa já caiu abaixo da linha da pobreza.

Publicidade

Já os analistas do Goldman Sachs estimam que as perdas nos bancos locais estão em torno de US$ 65 bilhões a US$ 70 bilhões — um número que é quatro vezes o PIB total do país, que tem projeção de uma inflação para este ano perto da casa dos 180%.

O FMI tem agido, diz a CNBC, e tenta abrandar o problema ao considerar estender uma linha de crédito de US$ 3 bilhões, com algumas condições, como primeiramente eleger um presidente para o país. Isso porque desde a saída do então presidente Michel Aoun, no último dia 30, não se tem um líder de Estado.

Mineração de criptomoedas salva amigos

Quanto a atividade de mineração de criptomoedas no Líbano, serve como exemplo o esforço de dois amigos que escalaram as montanhas de Chouf para instalar lá três mineradoras e assim obter algum lucro, já que na região a conta de eletricidade é barata.

O problema é que eles começaram a mineração de Ethereum, cuja rede não permite mais a mineração desde setembro, quando migrou do mecanismo de consenso proof-of-work para o proof-of-stake.

Eles então expandiram o negócio oferecendo assistência técnica para equipamento e foram ampliando o negócio. A dupla passou a oferecer poder de computação para fora do Líbano e atualmente faturam cerca de  US$ 20 mil por mês.

Publicidade

Quem lucra com a crise?

Em uma série de vídeos sobre o colapso financeiro no Líbano, o canal ‘Rana Talks Finance’ no Youtube revela como está a vida dos libaneses e como as criptomoedas podem ajudá-los a se esquivar da inflação.

Em um dos vídeos, a pesquisadora, que se apresenta como Rana, afirma que durante crises econômicas como a do Líbano, uma parcela pequena das pessoas se beneficiam e ficam mais ricas.

“As pessoas que lucraram com o colapso do Líbano, na minha experiência, foram aquelas que diversificaram seu dinheiro, tiveram empréstimos, trabalharam em ONGs ou estavam em condições de lucrar com subsídios estatais”.

Para Rana, em uma crise com a que o país enfrenta atualmente, a primeira coisa a se fazer é se proteger dos bancos. “Nessa hora, eles serão seus maiores inimigos. Uma alternativa são as criptomoedas, como bitcoin”.

Aprenda a ganhar dinheiro com Cripto. Você pode ter acesso a um curso exclusivo com os maiores especialistas em cripto para aprender os fundamentos e as técnicas que te ajudam a navegar nas altas e baixas do mercado. Garanta sua vaga aqui!

VOCÊ PODE GOSTAR
pilhas de moedas douradas à frente da bandeira da Colômbia

Maior banco da Colômbia lança corretora de criptomoedas

A plataforma Wenia visa atrair pelo menos 60.000 clientes em seu primeiro ano de operação
SBF da FTX no Congresso dos EUA

Criador da FTX diz que divide presídio com assassinos e brinca que arroz virou moeda com “boas oportunidades” de arbitragem

Sam Bankman-Fried, fundador da FTX, falou sobre sua vida na prisão, a visão diferenciada que tem sobre o que poderia ter sido sua vida e sua tentativa de apelação da condenação
Imagem da matéria: Binance demitiu funcionário que descobriu manipulação milionária de cliente da corretora, diz jornal

Binance demitiu funcionário que descobriu manipulação milionária de cliente da corretora, diz jornal

Uma semana antes da demissão, o funcionário produziu um relatório afirmando que a DWF Labs lucrou milhões através da manipulação de mercado de seis tokens
Imagem da matéria: '101 Perguntas sobre Bitcoin': Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

‘101 Perguntas sobre Bitcoin’: Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

A obra discorre os princípios técnicos da moeda até suas implicações socioeconômicas no contexto atual, de modo a proporcionar um entendimento profundo ao público geral