Imagem da matéria: Bitcoin em números: Uma retrospectiva de 2020
Foto: Shutterstock

2020 certamente foi um ano que ficará para a história, com o coronavírus colocando o mundo em lockdown e fazendo as economias dos países sacudirem.

Para a indústria de criptomoedas, esse ano teve um aumento na adoção institucional e o crescimento da indústria DeFi.

Publicidade

Mas, mais uma vez, o Bitcoin roubou os holofotes este ano; quebrando recordes, garantindo a adoção por grandes empresas e reacendendo as ambições dos desenvolvedores de blockchain em todo o mundo.

Conforme 2020 se aproxima do fim, verificamos os números do Bitcoin para ver como as coisas progrediram em 2020.

Interesse de pesquisa global

O número de pesquisas no Google para uma determinada criptomoeda é frequentemente considerado um bom proxy para o interesse absoluto nessa criptomoeda – ou no mercado de criptomoedas em geral.

De acordo com dados do Google Trends, o interesse de pesquisa mundial por Bitcoin aumentou de 45 em janeiro para um pico de 100 no mês passado. Apesar disso, no entanto, o volume de pesquisa do Google permanece menos de um quarto do seu maior valor histórico, que foi alcançado em janeiro de 2018.

O volume de pesquisa atingiu o pico em novembro de 2020, mas permanece apenas um quarto da máxima histórica. (Imagem: Google)

Nigéria, África do Sul, Austrália, Suíça e Gana foram as cinco principais regiões em volume de pesquisa de Bitcoin este ano.

A Nigéria é o país número 1 em volume proporcional de pesquisa de Bitcoin em 2020. (Imagem: Google)

Academia

O interesse acadêmico em torno da tecnologia Bitcoin e blockchain, em geral, cresceu consideravelmente em 2020 quando medido pelo número de menções em trabalhos acadêmicos.

Publicidade

O número de artigos do Google Scholar mencionando Bitcoin atingiu um total de 97.800 – 15.800 dos quais foram publicados em 2020. Comparativamente, o número de referência a blockchain agora é de 205.000 em dezembro de 2020, dos quais 33.800 foram publicados este ano.

Para colocar isso em perspectiva, houve apenas 371 menções ao Bitcoin e 140 menções ao blockchain, respectivamente, em artigos acadêmicos em 2009.

Além disso, o número de menções de Bitcoin no arquivo Cryptology ePrint – que é usado para arquivar documentos relacionados à criptologia – continua a crescer rapidamente. Um total de 20 novos artigos mencionando Bitcoin foram adicionados até agora em 2020, aumentando o total para 166 artigos.

No entanto, 2018 continua sendo o ano de pico para artigos do Cryptology ePrint mencionando Bitcoin, com um total de 26 publicados naquele ano.

Publicidade

Desenvolvimento

De acordo com os dados do CryptoMiso, o Bitcoin é a terceira criptomoeda mais ativa por atividade de desenvolvimento – medida pelo número de commits no repositório Github mais popular do ativo.

Apenas duas criptomoedas são mais ativas: Chainlink (LINK) e Lisk (LSK) – a primeira é uma rede oracle baseada em blockchain, enquanto a última é uma plataforma para lançar aplicativos descentralizados (dapps).

O repositório Github do Bitcoin agora tem um total de 2.632 commits de mais de 100 contribuidores, em comparação com 3.592 commits (62 contribuidores) para Chainlink e 3.453 (63 contribuidores) para Lisk.

Apesar disso, o Bitcoin atualmente lidera por uma margem significativa em termos de número de estrelas e observadores – o que essencialmente significa que mais pessoas seguem o repo do Bitcoin do que qualquer outra criptomoeda.

Capitalização de mercado e domínio do Bitcoin

2020 foi um dos anos mais fortes já registrados para o Bitcoin, com a criptomoeda atingindo seu valor mais alto este ano, chegando a US$ 29.000. Ao mesmo tempo, sua capitalização de mercado ultrapassou os US$ 500 bilhões – deixando para trás o pico de 2017 em mais de um terço. A capitalização de mercado do Bitcoin na verdade ultrapassou seu recorde histórico antes que seu preço atingisse seu recorde histórico, principalmente porque há mais Bitcoins em circulação do que no momento de seu recorde anterior.

Publicidade

A alta do Bitcoin pode ter sido amplamente capitalizada por um mercado de ações em recuperação e uma onda de investimentos institucionais ao longo do ano – com fundos como Grayscale e Square adicionando quantias significativas de BTC a seus cofres.

Ao longo de 2020, o Bitcoin viu seu domínio de mercado flutuar consideravelmente. De acordo com os dados do CoinMarketCap, o marketshare do Bitcoin oscilou entre 56% e 69%. Ele perdeu terreno significativo contra as altcoins de janeiro a setembro, mas desde então recuperou grande parte de suas perdas.

Transações

As taxas de transação do Bitcoin têm sido um ponto de discórdia há vários anos, depois que atingiram uma média de mais de US$ 55 por transação em dezembro de 2017 – essencialmente tornando a criptomoeda inútil para microtransações na época.

As coisas melhoraram muito desde então, e a taxa média de transação do Bitcoin foi inferior a US$ 2 durante grande parte de 2020.

Isso pode ser atribuído ao aumento do uso de “batching” (uma maneira de enviar transações em lotes) pelas exchanges de criptomoedas e ao uso crescente de endereços SegWit – que se beneficiam de taxas de transação reduzidas.

O número de transações Bitcoin de confirmadas por dia aumentou ligeiramente no acumulado do ano, mas variou consideravelmente ao longo do ano – atingindo um pico de 330.000/dia em março e um mínimo de 264.000/dia em abril (provavelmente como resultado da queda durante a pandemia).

Publicidade
O Bitcoin teve mudanças drásticas na atividade ao longo de 2020. (Imagem: Blockchain.com)

Embora o número de transações na rede tenha variado ao longo do ano, o valor total das transações na rede esteve em uma tendência de alta quase constante este ano – subindo de US$ 730 milhões/dia em 1º de janeiro para US$ 3,4 bilhões/dia em dezembro – seu valor mais alto desde janeiro de 2018.

O valor em dólares do BTC transferido por dia mais do que quadruplicou no acumulado do ano. (Imagem: Blockchain.com)

Apesar de um aumento no número de transferências na rede, a taxa média de transação raramente ultrapassou US$ 10 em 2020.

Trading

Com o valor crescente do Bitcoin, também aumentou a atividade de negociação este ano – que também atingiu seu valor mais alto em 2020.

De acordo com os dados de Messari, o volume real de negociação da Bitcoin ultrapassou seu pico mensal de US$ 88,5 bilhões em novembro deste ano, quando atingiu US$ 114 bilhões em volume de negociação. Os dados de Messari consideram apenas os dados de volume de negociação das dez principais bolsas.

“O aumento parabólico do Bitcoin de mais de 200% em 2020 solidificou o Bitcoin e todo o mercado como uma classe de ativos que as maiores instituições globais adicionaram a seus portfólios”, disse Todd Crosland, CEO da CoinZoom, ao Decrypt. “À medida que as moedas globais perdem valor, o Bitcoin continuará a subir.”

O volume de negociação mensal real do Bitcoin atingiu uma máxima histórica de US$ 116 bilhões em novembro de 2020. (Imagem: Messari)

Esse valor é cerca de 9x menor do que o volume de negociação relatado, que pode vir de bolsas que aumentam artificialmente seu volume de negociação para parecer mais atraente ou simplesmente relatam dados não confiáveis.

O número de caixas eletrônicos de Bitcoin disponíveis também aumentou consideravelmente ao longo de 2020 – e está aumentando na taxa mais rápida de todos os tempos. No total, existem agora pelo menos 13.400 ATMs de Bitcoin disponíveis em todo o mundo, ante 6.039 de um ano atrás e 460 de cinco anos atrás, de acordo com os dados do Coin ATM radar.

O número de caixas eletrônicos de Bitcoin está crescendo mais rápido do que nunca. (Imagem: Coin ATM Radar)

Desses caixas eletrônicos, a grande maioria está localizada nos Estados Unidos, com 10.848 caixas eletrônicos apenas nos EUA, enquanto a Europa só viu o número de caixas eletrônicos Bitcoin disponíveis aumentar ligeiramente desde 2019 – subindo de 943 para 1.251 nos últimos dois anos.

Essa diferença pode ser explicada pela disponibilidade reduzida de corretoras de criptomoedas online nos EUA, forçando os residentes a recorrer a alternativas como ATMs de Bitcoin.

Endereços

Como você pode esperar, com o aumento do valor e da atividade de negociação, o número de endereços de Bitcoin ativos por dia também aumentou significativamente ao longo de 2020, mas falhou em quebrar o recorde estabelecido em dezembro de 2017.

O número de endereços exclusivos aumentou de cerca de 480.000 no início do ano para mais de 700.000 em seu pico no início de dezembro.

O número de endereços BTC ativos por dia aumentou quase 50% este ano. (Imagem: Blockchain.com)

Junto com esse aumento na atividade, o número de milionários de Bitcoin também disparou. De acordo com os dados do BitInfoCharts, existem agora mais de 67.000 milionários de Bitcoins – contra apenas 25.000 há um mês.

No entanto, a grande maioria dos endereços de Bitcoin ainda contém entre 0,001 e 0,01 BTC, enquanto apenas 1,7% dos endereços contém 1 BTC ou mais. Em dezembro de 2020, você precisará manter algo entre 1 a 10 BTC para fazer parte do clube dos 1% mais ricos.

Lightning Network

A Lightning Network há muito é aclamada como a solução para os problemas de escalabilidade do Bitcoin e as altas taxas que podem ocorrer quando a rede tem dificuldade para lidar com a carga de transações.

Desde o primeiro produto mainnet da Lightning Network lançado no início de 2018, o número de nodes e canais que operam na rede aumentou – com um pequeno declínio entre meados e final de 2019.

O número total de nodes da Lightning Network aumentou de 4.923 em janeiro para um pico de mais de 8.000 em dezembro, representando um crescimento de mais de 60% em um ano. Da mesma forma, a capacidade total da rede – medida pela capacidade total de todos os canais – aumentou quase parabolicamente desde março e atualmente está em mais de US$ 24,7 milhões.

O número de canais da Lightning Network alcançou um crescimento mais lento em 2020, passando de 27.929 em janeiro para 33.483 em 19 de dezembro – o equivalente a um crescimento de quase 20%.

O número de nodes e canais; a capacidade geral da rede; e a capacidade por canal atingiu o pico histórico em 2020. (Imagem: Bitcoin Visuals)

A adoção comercial da Lightning Network também aumentou em 2020. Bitfinex – uma das primeiras bolsas a oferecer suporte à Lightning Network – adicionou suporte para canais wumbo, permitindo que os usuários depositassem grandes quantidades de BTC usando a solução. Da mesma forma, Kraken anunciou planos para adicionar suporte a Lightning no início de 2021.

Apesar desse crescimento, a Lightning Network continua a lutar com a centralização, já que a maioria do Bitcoin disponível na rede é controlada por uma pequena fração dos nodes. “Cerca de 10% dos nós controlam cerca de 80% da rede no início do ano”, disse Vid Gradisar, CEO da NewsCrypto.

Mineração de Bitcoin em 2020

Como nos anos anteriores, a taxa de hash do Bitcoin alcançou recordes sucessivos em 2020, começando o ano em pouco mais de 100 exahashes por segundo (EH/s), antes de atingir seu maior valor histórico, 157,6 EH/s em outubro.

Como o valor do Bitcoin cresceu mais rápido do que a dificuldade de rede e a taxa de hash, a lucratividade da mineração de Bitcoin aumentou ao longo de 2020 – atingindo um pico de US$ 0,2 USD/dia/TH/s, acima dos US$ 0,155 no início do ano.

“A taxa de hash do Bitcoin explodiu em 2020, vimos um aumento de cerca de 100 Exahashes para mais de 150 exahashes – uma taxa de crescimento extremamente impressionante”, disse Alejandro De La Torre, VP da Poolin ao Decrypt. “Isso significa que a confiança no Bitcoin é incrivelmente forte. Os mineradores estão expandindo e configurando uma nova infraestrutura, que por sua vez protege a rede bitcoin para todos no ecossistema bitcoin. ”

Conforme relatado no início do ano, a China ainda contribui com a maioria da taxa de hash Bitcoin, com uma participação de 65% da taxa total de hash em dezembro de 2020. Os Estados Unidos, Rússia e Cazaquistão estão em 2º, 3º e 4º, contribuindo com 6-7% cada. Esse domínio é provavelmente o resultado do melhor acesso da China a equipamentos de mineração e baixos custos de energia – uma vez que a maioria dos principais fabricantes de ASIC (maquinas específicas para a mineração de bitcoin) está localizada na Ásia.

A China atualmente controla quase dois terços da taxa de hash do Bitcoin. (Imagem: Cambridge Center for Alternative Finance)

A distribuição da taxa de hash entre os diferentes pools de mineração variou consideravelmente ao longo do ano, mas vários pontos importantes foram observados: a BTC.com viu sua participação colapsar desde o meio do ano; Huobi Pool cresceu em popularidade; e tanto o Poolin quanto o F2POOL praticamente mantiveram sua participação no hashrate.

Resumo

2020 foi um ano de altos para o Bitcoin; ela testemunhou uma das recuperações mais dramáticas em sua curta história, passando das mínimas anucias de US$ 5.000 para um pico de mais de US$ 29.000 este ano.

Alimentado pelo interesse desenfreado de capital institucional, fundos de investimento e investidores de varejo, o Bitcoin bateu recorde após recorde nos últimos 12 meses e termina o ano em alta.

O bitcoin agora entra em seu décimo segundo ano de existência com a chance de se tornar a primeira alternativa viável à moeda fiduciária – embora com alguns obstáculos a serem superados primeiro.

*Traduzido e editado com autorização da Decrypt.co
Talvez você queira ler
Bonequinho em cima de uma pilha de moedas douradas de bitcoin fazendo alusão ao processo de mineração

Censura no Bitcoin? Grande pool de mineração revolta comunidade ao “filtrar” transações suspeitas

Um desenvolvedor do Bitcoin detectou seis transações perdidas de endereços sancionados pelo governo dos EUA
Homem cavando uma placa de computador com uma picareta - -imagem ao fundo de moeda de bitcoin

Minerador sortudo ganha R$ 1,2 milhão ao resolver bloco de Bitcoin sozinho

As estatísticas apontam que um minerador daquele porte resolveria um bloco de Bitcoin apenas uma vez em cinco anos
Tela de computador que mostra moeda de bitcoin em meio a traços matrix

Investidor que pagou a taxa de Bitcoin mais cara da história revela ter sido vítima de hacker

“Hackers pagaram taxa de 83,5 BTC com meu dinheiro”, denuncia investidor
Ricardo e Camila, criadores do projeto Bitcoin é Aqui posam para foto

Conheça a pequena cidade brasileira que se tornou local com maior taxa de adoção do Bitcoin no mundo

Município do Rio Grande do Sul adota o Bitcoin como meio de pagamento para cortes de cabelo e cafés e chegando até em terrenos