Imagem da matéria: Bitcoin despenca e fica abaixo de R$ 100 mil pela primeira vez em dois meses
Foto: Shutterstock

O Bitcoin (BTC) reverteu a tendência de alta que vinha mostrando na manhã e, ao longo da tarde desta terça-feira (6), uma queda de 4,6% fez seu preço cair abaixo de R$ 100 mil pela primeira vez em mais de dois meses.  

De acordo com o Índice de Preço do Portal do Bitcoin (IPB), a criptomoeda não enfrentava uma cotação tão baixa frente ao real desde o dia 19 de junho, quando atingiu R$ 95,5 mil. 

Publicidade

O bitcoin perdeu o nível de R$ 100 mil no fim da tarde de terça, ao atingir uma mínima do dia de R$ 98.540, segundo o CoinMarketCap.

Conforme mostram os gráficos, a criptomoeda amanheceu no verde, mas não teve forças para sustentar a alta. Se às 14h o bitcoin estava cotado a R$ 103.560, três horas depois seu preço caia para R$ 98.540.

Ao analisar o preço do bitcoin em dólar, as quedas também são expressivas. No intervalo de 24 horas, o BTC foi de uma máxima no dia de US$ 20.155 para uma mínima de US$ 18.800.

Como reflexo da desvalorização do ativo de maior peso do setor, a capitalização total do mercado de criptomoedas caiu abaixo de US$ 1 trilhão, ficando agora por volta de US$ 945 bilhões.

Publicidade
Gráfico de 24 horas do bitcoin (Fonte: CoinMarketCap)
Gráfico de 24 horas do bitcoin (Fonte: CoinMarketCap)

A queda do bitcoin

Ao comentar a movimentação de preço do bitcoin nesta tarde ao Portal do Bitcoin, Paulo Boghosian, head de cripto do TC, pontua que o BTC perder o nível de R$ 100 mil pode não ser tão importante, uma vez que o preço da criptomoeda é olhado no resto do mundo em dólar. 

“O mais preocupante seria perder as mínimas que o bitcoin fez nas quedas de um mês atrás, que é na faixa dos US$ 18 mil”, explica o analista. Para ele, a atual queda do bitcoin nesta terça não parece ser motivada por uma notícia negativa do dia ou um acontecimento específico.

“Acho que é um movimento mais técnico do mercado de redução de risco, dado o cenário macroeconômico que está bem feio no mundo. Também tem a questão que o bitcoin, no momento, não tem nenhum trigger, nada no curto prazo que torne o ativo interessante para alguém que esteja especulando”, avalia Boghosian.

Em contraste, ele aponta que o Ethereum (ETH), a segunda maior criptomoeda do mercado, está mais forte nos últimos dias à medida que se aproxima a data da Fusão, a aguardada atualização que vai trazer mudanças importantes na política monetária do protocolo.

Publicidade

O MB oferece taxas regressivas de negociação e estratégia de investimento de acordo com o seu perfil. Junte-se à maior Exchange da América Latina e negocie mais de 200 ativos digitais, como tokens, renda fixa digital e criptomoedas. Abra a sua conta gratuita!

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin sobe 5% e supera US$ 64 mil antes do halving; Ethereum e altcoins acompanham o rali

Manhã Cripto: Bitcoin sobe 5% e supera US$ 64 mil antes do halving; Ethereum e altcoins acompanham o rali

Após mais um dia de forte volatilidade, Bitcoin e outras criptomoedas voltam a subir faltando poucas horas para o halving
Imagem da matéria: Toncoin (TON) valoriza  40% na semana e ameaça ultrapassar Dogecoin

Toncoin (TON) valoriza 40% na semana e ameaça ultrapassar Dogecoin

Uma possível IPO do Telegram contribuiu para o recente aumento no preço do TON, fortalecendo sua posição entre os maiores tokens do mercado
Miniaturas de homens em cima de moeda de Bitcoin gigante fazendo medição pela metade

Halving do Bitcoin mostra que a criptomoeda ainda tem espaço para subir, afirma Bitfinex

O preço do Bitcoin caiu essa semana, mas a Bitfinex afirma que o comportamento de grandes investidores é similar a 2020 — antes da grande corrida de alta
Celular com logotipo da BInance

Filipinas ordenam que Apple e Google removam a Binance de lojas de aplicativos

O regulador filipino acusa a Binance de oferecer títulos não registrados aos investidores e atuar como uma corretora não registrada