Imagem da matéria: Bitcoin (BTC) fica menos volátil do que o mercado de ações pela primeira vez desde 2020
Foto: Shutterstock

Em meio ao caos econômico, o Bitcoin (BTC) está se mantendo relativamente estável. Por enquanto, pelo menos.

A volatilidade da principal criptomoeda realizada em 20 dias – uma métrica que mede as mudanças diárias no preço do Bitcoin – caiu abaixo do nível das bolsas de valores americanas Nasdaq e S&P 500 pela primeira vez em dois anos, de acordo com descobertas publicadas esta semana pelo empresa de análise de dados Kaiko.

Publicidade

Em termos leigos, o preço do Bitcoin tem sido muito menos volátil nas últimas três semanas. Pouco antes do período de 20 dias em questão, a volatilidade nos mercados de criptomoedas e ações havia atingido a maior alta de 40 anos.

Esta é a primeira vez desde outubro de 2020 que o Bitcoin é menos volátil que o Nasdaq. É também a primeira vez desde agosto de 2020 que a maior criptomoeda do mundo está mais estável que o S&P 500.

Motivos da estabilidade

As leituras de inflação em alta na economia dos EUA levaram muitos a esperar que o pico dos aumentos nas taxas de juros do país ainda esteja longe – o BC dos EUA já aumentou as taxas em 0,75% três vezes este ano, a primeira das quais foi a caminhada mais íngreme desde 1994.

A Kaiko também diz que a diferença entre as leituras de volatilidade de 30 e 90 dias para Bitcoin e ações vem diminuindo desde a segunda quinzena de setembro. Tanto o Nasdaq quanto o S&P 500 caíram cerca de 10% desde o início daquele mês.

A diretora de pesquisa da Kaiko, Clara Medalie, disse que “a volatilidade do BTC está caindo desde o início de julho”, que é a época em que a indústria começou a fazer um balanço da crise de liquidez que surgiu após o colapso da Terra.

Publicidade

Os volumes de negociação de criptomoedas permaneceram estáveis, apesar da baixa volatilidade, o que sugere que a atividade de negociação permaneceu consistente.

Por outro lado, as ações tiveram aumentos de volatilidade “devido a uma série de fatores, incluindo altas taxas de juros, valorização do dólar, inflação persistente, crise de energia e guerra”, acrescentou.

Medalie também disse que, apesar de seus atuais US$ 19.000 – muito longe de sua alta histórica de novembro de 2021, de aproximadamente US$ 69.000 – o Bitcoin agora parece estar agindo como uma espécie de amortecedor contra incertezas macroeconômicas: “A divergência na atividade do mercado para as duas classes de ativos sugerem que as criptomoedas são mais resistentes aos recentes eventos macro indutores de volatilidade.”

Às vezes, o Bitcoin está intimamente correlacionado com as ações, embora os defensores das criptomoedas prefiram que não, porque foi projetado para ser uma alternativa aos investimentos financeiros tradicionais.

Publicidade

No entanto, os dados do portal IntoTheBlock registram o coeficiente de correlação atual do Bitcoin para o Nasdaq e o S&P 500 em torno de 0,3. Quanto mais próximo esse valor estiver de zero, menor será a correlação. Quanto mais próximo de 1, mais os mercados estão correlacionados.

Resumindo: o Bitcoin está realmente começando a se desvincular das ações. A questão é, vai ficar assim?

*Traduzido com autorização do Decrypt

Procurando uma corretora segura que não congele seus saques? No Mercado Bitcoin, você tem segurança e controle sobre seus ativos. Faça como nossos 3,8 milhões de clientes e abra já sua conta!

VOCÊ PODE GOSTAR
pilhas de moedas douradas à frente da bandeira da Colômbia

Maior banco da Colômbia lança corretora de criptomoedas

A plataforma Wenia visa atrair pelo menos 60.000 clientes em seu primeiro ano de operação
Imagem da matéria: Tom Brady é ridicularizado por ligação com FTX em especial da Netflix

Tom Brady é ridicularizado por ligação com FTX em especial da Netflix

Brady e sua ex-esposa, Gisele Bündchen, adquiriram uma participação acionária na falida FTX em 2021
Celular com logotipo da BInance

Binance anuncia fim do suporte a uma stablecoin que afetará pares com Bitcoin e Ethereum

A exchange também anunciou a listagem de novos pares de negociação com Lira turca
Imagem da matéria: MB estreia no ranking de Exchange Benchmark em 1º lugar no Brasil

MB estreia no ranking de Exchange Benchmark em 1º lugar no Brasil

O relatório semestral, realizado pela CCData, é considerado uma estrutura robusta para classificar a atuação de exchanges do Brasil e do mundo