Imagem da matéria: Binance "rouba" diretor de compliance de corretora rival
Foto: Shutterstock

A Binance, maior corretora de criptomoedas do mundo, contratou, na surdina, o ex-chefe global de compliance da corretora rival Kraken há alguns meses, de acordo com uma publicação desta sexta-feira (23), no Twitter, do CEO Changpeng “CZ” Zhao.

“Steve [Christie] se juntou a nós há alguns meses”, revelou o diretor, acrescentando que a empresa pretende contratar mais algumas centenas de pessoas para a área.

Publicidade

Segundo reportagem do Wall Street Journal, um porta-voz da Binance afirmou que Christie, que atuou na área de compliance da Kraken por mais de quatro anos, ingressou na Binance como vice-presidente sênior de Compliance em maio, ou seja, há quase cinco meses, “à medida que o setor cripto continua intensificando seus esforços de conformidade”.

Conforme detalhou o porta-voz ao jornal, agora Christie lidera uma equipe global de compliance da  Binance que conta com pelo menos 750 pessoas, incluindo uma equipe voltada ao combate de cibercrimes. Do outro lado, a Kraken espera contratar um novo diretor para a área nas próximas semanas.

A área de compliance é delicada para a Binance, especialmente no que tange a operações de KYC, ou “conheça seu cliente”. A empresa costuma estar envolvida em controvérsias devido a uma suposta fraqueza desse tipo de procedimento – algo que a exchange nega.

Em junho, uma investigação da agência de notícias Reuters mostrou que a companhia pode ter sido usada como canal para que criminosos lavassem bilhões de dólares em fundos ilícitos nos últimos cinco anos. A agência de notícias estima que, entre 2017 e 2021, cerca de US$ 2,35 bilhões – o equivalente a quase R$ 12 bilhões – em criptomoedas decorrentes de hacks, fraudes de investimento e vendas de drogas ilegais, teriam sido enviadas para a corretora como forma de lavagem de dinheiro. 

Publicidade

No Brasil, a corretora enfrenta problemas em se adequar a regulamentações do tipo, que causaram a troca de parceiros bancários no país e problemas na hora de sacar dinheiro da plataforma. Em julho, grupos de usuários passaram a ser obrigados a preencher uma espécie de “declaração de riqueza” para conseguirem sacar seus fundos. 

Mudanças na Kraken

A mudança do executivo é mais uma peça na dança de cadeiras na corretora Kraken. Na quarta-feira (21), Jesse Powell deixou o cargo de CEO da Kraken e, segundo a empresa, ele também planeja deixar o cargo de presidente-executivo, mas permanecerá como presidente. Powell é uma figura tão respeitada quanto polêmica no meio cripto e um grande defensor do Bitcoin.

De acordo com a Kraken, Dave Ripley, seu atual diretor de operações, sucederá Powell depois que a empresa concluir a busca por um novo COO.

O WSJ também lembrou de uma investigação da Kraken no Gabinete de Controle de Ativos Estrangeiros (ou OFAC, na sigla em inglês) do Departamento do Tesouro Americano. O órgão apura se a corretora de criptomoedas pode ter violado sanções econômicas contra o Irã.

Publicidade

O jornal conclui ressaltando que a demanda por compliance e talento jurídico no setor cripto tem aumentado nos últimos meses, apesar da queda nos preços das criptomoedas e demissões, já que o setor enfrenta crescente pressão regulatória.

Quer negociar mais de 200 ativos digitais na maior exchange da América Latina? Conheça o Mercado Bitcoin! Com 3,8 milhões de clientes, a plataforma do MB já movimentou mais de R$ 50 bilhões em trade in. Crie sua conta grátis!

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin com bandeira dos EUA no fundo

Proprietários de criptomoedas são uma força na eleição dos EUA de 2024, diz estudo

Quase um em cada cinco eleitores possui criptomoedas, o que os torna um eleitorado potencialmente poderoso em novembro, segundo a Galaxy Digital
Imagem da matéria: Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos cripto brasileiros ficam pela segunda semana consecutiva atrás apenas dos EUA em captação
Imagem da matéria: Solana sofre congestionamento por operações desenfreadas de bots

Solana sofre congestionamento por operações desenfreadas de bots

Alto número de operações de spam estão fazendo com que a Solana fique mais lenta e que transações não sejam processadas
Imagem da matéria: Metade dos tokens em pré-venda na Solana são golpes, diz pesquisa

Metade dos tokens em pré-venda na Solana são golpes, diz pesquisa

Golpistas estão se aproveitando da pré-vendas de tokens na rede Solana para enganarem usuários em plataformas como Telegram