Imagem da matéria: Binance quer voltar ao Japão quatro anos após deixar o país
Foto: Shutterstock

Quatro anos depois de sair do Japão, a corretora de criptomoedas Binance vai tentar obter uma nova licença para operar no Japão.

Fontes inteiradas do assunto contaram à agência de notícias Bloomberg que uma abordagem mais amigável do país às criptomoedas e as oportunidades substanciais de integrar novos usuários estão atraindo a exchange de volta ao país.

Publicidade

A medida ocorre no momento em que o Japão procura adotar políticas mais favoráveis à Web3 sob o comando de seu novo Primeiro-Ministro, Fumio Kishida. 

Kishida tem buscado por um “Novo Capitalismo” como solução para um crescimento lento da economia japonesa, gerando uma nova onda de políticas mais abrangentes no que se refere à taxação e aceitação de criptoativos e NFTs, como forma de atrair soluções inovadoras do setor cripto.

Em um discurso feito em Maio no distrito financeiro de Londres, Kishida disse que o Japão “desenvolverá um ambiente para a promoção da Web3, como blockchain, NFTs e o metaverso.”

Um porta-voz disse à Bloomberg que a Binance está “comprometida em trabalhar com reguladores e formuladores de políticas para moldar políticas que protejam os consumidores, incentivem a inovação e avancem nossa indústria”, mas se recusou a comentar os planos da Binance no Japão.

Publicidade

Binance e o Japão

Se a Binance tiver sucesso na obtenção de uma licença, vai enfrentar também uma forte concorrência: grandes players como a Crypto.com e a FTX já operam no Japão, além da exchange cripto DeCurret, que opera no país desde 2018, e foi comprada no início de 2022 pela Temasek, uma empresa apoiada pelo Fundo Soberano de Cingapura.

O posicionamento mais aberto do Japão em relação aos criptoativos é um tanto diferente da maioria dos outros países, como os EUA e o Reino Unido, especialmente após o inverno cripto que eliminou cerca de US$ 2 trilhões do mercado de ativos digitais e forçou muitas empresas a fecharem as portas.

Mas o governo do país não quer parecer imprudente, tendo aprovado um projeto de lei em junho que obriga as stablecoins a terem lastro em moeda fiduciária corrente, como o Iene Japonês.

A Binance operou pela última vez no Japão em 2018, antes da FSA ter feito o pedido para o fim de negociações no país por falta de uma licença. Em 2021, a FSA emitiu outro aviso à empresa, desta vez por não ter feito os registros corretamente junto ao órgão regulador.

Publicidade

*Traduzido com autorização do Decrypt.co.

Aprenda a ganhar dinheiro com Cripto! Você pode ter acesso a um curso exclusivo com os maiores especialistas em cripto para aprender os fundamentos e as técnicas que te ajudam a navegar nas altas e baixas do mercado. Garanta sua vaga aqui!

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração de bandeira do Brasil dentro moeda de Bitcoin

Novo estudo do LAPIN apresenta melhores práticas para regulação de criptomoedas no Brasil

White paper feito pelo LAPIN com apoio da Ripple traz diversos pontos e dados para ajudar na regulação do setor de criptomoedas brasileiro
Arte digital mostra mãos operando um celular que projeta moedas

Como declarar tokens de utilidade no Imposto de Renda 2024?

Entenda como declarar os utility tokens, ativos que dão acesso a serviços específicos
moeda de Bitcoin ao lado de letreiro com ETF

ETFs de Bitcoin estão de volta? Ganhos de R$ 1,9 bilhão marcam o melhor dia em mais de um mês

ETF da Grayscale teve mais entradas do que saídas pela primeira vez em semanas
Imagem da matéria: FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

Segundo os balanços, a FTX deve cerca de US$ 11 bilhões, e conseguiu levantar entre US$ 14,5 e US$ 16,3 bilhões até agora