Imagem da matéria: Binance lança cartão pré-pago na Argentina em meio à hostilidade do governo contra criptomoedas
Foto: Shutterstock

A corretora Binance anunciou nesta quinta-feira (4) o lançamento de um cartão pré-pago para os clientes na Argentina, o primeiro país da América Latina a receber o serviço.

O Binance Card é um cartão que a corretora já promove em outros países em parceria com a Mastercard, e permite que usuários usem os saldos em criptomoedas na corretora para fazer compras no dia a dia.

Publicidade

Na Argentina, o cartão poderá ser usado em estabelecimentos comuns que aceitam a bandeira Mastercard uma vez que, no momento do pagamento, as criptomoedas são convertidas para moeda fiduciária em tempo real.

Emitido pela Credencial Payments, o cartão deve ser disponibilizado nas próximas semanas, ainda sem uma data específica de lançamento. O Binance Card poderá ser adquirido por clientes novos ou já existentes da corretora que tenham um documento de identidade emitido na Argentina.

Em nota à imprensa, a corretora promete dar até 8% em cashback de criptomoeda em compras qualificadas feitas através do cartão pré-pago. Para transferir saldo da conta da corretora para o cartão, os usuários argentinos devem gerenciá-lo por meio do painel do cartão no aplicativo ou site da exchange.  

“A Mastercard lidera o setor de pagamentos ao permitir a entrada nesse novo mundo empolgante, ajudando a trazer milhões de usuários adicionais para criptomoedas e outros ativos digitais de maneira segura e confiável”, disse em nota Walter Pimenta, vice-presidente de produtos e inovação da Mastercard na América Latina.

Publicidade

Criptomoedas na Argentina

Por conta do seu contexto socioeconômico, a Argentina se tornou um dos países onde o mercado de criptomoedas tem mais força na América Latina, seja no uso rotineiro desses ativos como meio de pagamento por argentinos, ou como alternativa de investimento e reserva de valor.

Por outro lado, o governo da Argentina, um país atingido por uma inflação altíssima, não é fã dessa popularização das criptomoedas. Para domar a fuga de capital, o governo proibiu recentemente traders de bitcoin de comprar dólares americanos à taxa de câmbio oficial. 

No final de julho, o Banco Central do país disse que aqueles que compraram bitcoin ou qualquer outra criptomoeda com pesos nos últimos 90 dias, não poderão acessar o mercado único de câmbio livre (Mercado Único y Libre de Cambio — MULC) e comprar dólares à taxa oficial.

Já em junho, quando o maior banco privado da Argentina anunciou que ofereceria a compra e venda de criptoativos a seus clientes, o Banco Central logo interviu para proibir esse serviço específico do banco.

Publicidade

Crypto Class, o momento da virada Curso exclusivo com André Franco, para aprender os fundamentos e as técnicas que te ajudam a navegar nas altas e baixas do mercado. Garanta sua vaga agora!

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin sobe acima de US$ 58 mil à medida que ETFs voltam a atrair investidores

Manhã Cripto: Bitcoin sobe acima de US$ 58 mil à medida que ETFs voltam a atrair investidores

Os ETFs de Bitcoin à vista negociados nos EUA captaram US$ 654,3 milhões entre os dias 5 e 9 de julho
Imagem da matéria: Projeto da Solana vai dar bônus de 100% em airdrop de novo token

Projeto da Solana vai dar bônus de 100% em airdrop de novo token

Sanctum, projeto de staking na blockchain Solana, irá dar bônus de 100% para quem esperar seis meses para acessar os tokens
Imagem da matéria: Reembolsos de Bitcoin da Mt. Gox serão pagos antes de agosto, diz Kraken

Reembolsos de Bitcoin da Mt. Gox serão pagos antes de agosto, diz Kraken

Mais de uma década depois de perder 850.000 bitcoins, os credores da Mt. Gox poderão ser pagos já na próxima semana, de acordo com a Kraken
Donald Trump posa para foto em evento político nos EUA

Partido de Trump lança programa que visa impulsionar a inovação com criptomoedas

Documento faz menções contra CBDCs e a favor da mineração de Bitcoin