Imagem da matéria: Binance é condenada a reativar conta de brasileiro suspensa por suposto pedido da Polônia
Foto: Shutterstock

A Binance foi condenada pela 37ª Vara Cível de São Paulo a reativar a conta de um cliente que perdeu o acesso após a empresa afirmar que estava apenas atendendo pedido de autoridades estrangeiras. A decisão foi tomada no dia 17 de janeiro pela juíza Patrícia Martins Conceição, no Processo 1105084-95.2022.8.26.0100 do Tribunal de de Justiça paulista.

O cliente teve sua conta bloqueada no dia 25 de agosto do ano passado. Naquele momento possuía 13 tokens de Ether (ETH) e 0,3 Bitcoin, o que equivalia a R$ 130 mil. A Binance congelou o acesso, afirmando que estava acolhendo pedido de uma unidade do Departamento de Crime Econômico da Polônia.

Publicidade

Segundo a juíza, não ficou “comprovado nos autos qualquer conduta da parte autora [cliente] que caracterizasse prática de crime, segundo à legislação pátria, que pudesse ensejar o bloqueio de sua conta, fato que caberia ao requerido a comprovação, nos termos do art. 373, inc. II, do Código de Processo”.

A magistrada ressalta que apenas a investigação de autoridade estrangeiras não é o suficiente para justificar que a Binance pare de cumprir suas obrigações contratuais com os clientes.

“Não foi descrita, tampouco apresentada legislação estrangeira pela requerida [Binance], com a indicação dos supostos crimes que teriam sido praticados pelo autor, menos ainda foi comprovada qualquer conduta da parte que violasse suposta legislação internacional”, afirma Conceição.

Responsável pela defesa do cliente, o advogado Raphael Souza afirma que a aquisição das criptomoedas ocorreu de forma legal, tendo o cliente apresentado diversos comprantes.

Publicidade

“Mas mesmo assim, a exchange bloqueou a conta e o saldo do cliente. A corretora alegou que o bloqueio partiu de determinação de autoridade da Polônia, mas não apresentou nenhum documento plausível nesse sentido. Portanto, a justiça brasileira entendeu que o bloqueio foi injustificado, acatou nosso pedido e determinou o desbloqueio da conta e liberação dos ativos do investidor”, afirma o advogado.

Procurada pelo Portal do Bitcoin, a BInance enviou uma nota onde, entre outros pontos, ressalta que “não comenta ações judiciais  em andamento, mas destaca que atua em total acordo com o cenário regulatório do Brasil”. A corretora afirma ainda que “atua em total colaboração com autoridades locais para coibir que pessoas mal intencionadas utilizem a plataforma”.

Finalmente, a empresa fiz que está oferecendo treinamento s autoridades de aplicação da lei para fortalecer as ações de prevenção e combate a crimes relacionados a cripto. “No Brasil, a Binance realizou treinamentos para investigadores da Polícia Federal em Brasília e promotores do Ministério Público no Rio, e fez apresentações a promotores de justiça dos grupos especializados do Ministério Público de São Paulo e policiais federais”.

  • Já pensou em inserir o seu negócio na nova economia digital? Se você tem um projeto, você pode tokenizar. Clique aqui, inscreva-se no programa Tokenize Sua Ideia e entre para o universo da Web 3.0!
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: EUA não têm autoridade para processar trades DeFi, diz advogado do hacker da Mango Markets

EUA não têm autoridade para processar trades DeFi, diz advogado do hacker da Mango Markets

Avraham Eisenberg é o trader cripto acusado de drenar mais de US$ 100 milhões da plataforma de negociação Mango Markets
Imagem da matéria: Worldcoin lança blockchain própria onde "humanos verificados têm prioridade"

Worldcoin lança blockchain própria onde “humanos verificados têm prioridade”

Usando tecnologia da Optimism, a World Chain será uma rede dedicada e que preserva a privacidade dos usuários da Worldcoin
moeda de bitcoin à frente da bandeira de hong kong

Por que os ETFs de Bitcoin e Ethereum em Hong Kong são importantes para o mercado

Aprovação dos ETFs de Bitcoin e Ethereum podem abrir espaço para investidores da China e dar uma vantagem competitiva de Hong Kong sobre os EUA
Imagem da matéria: Trader que roubou US$ 110 mi da plataforma DeFi Mango Markets é considerado culpado

Trader que roubou US$ 110 mi da plataforma DeFi Mango Markets é considerado culpado

Avraham Eisenberg foi considerado culpado de manipular a plataforma Solana DeFi Mango Markets em 2022 e fugir dos EUA com os fundos