Imagem da matéria: App que roda em Avalanche, Battle se conecta com Friend.tech e traz SocialFi para jogos
O aplicativo Battle.tech na Avalanche. (Imagem: Battle.tech)

As criptomoedas são a solução para os crescentes desafios da indústria de e-sports? Nos últimos anos, vimos várias tentativas, mas agora o aplicativo baseado em Avalanche, Battle.tech, tem uma ideia nova: combinar o conceito de SocialFi com jogos.

Embora não tenha uma conexão oficial com o Friend.tech — o aplicativo que renovou o entusiasmo em torno do SocialFi no ano passado, depois que os tokens sociais não decolaram — a inspiração por trás do Battle.tech é inconfundível. Ele brinca com o mesmo tipo de “chaves” vinculadas a um usuário ou influenciador notável, só que desta vez através da lente dos jogos.

Publicidade

Imagine assistir partidas de semi-profissionais em um jogo competitivo e identificar uma estrela em ascensão que você acredita que poderá fazer sucesso. Se estiverem no Battle.tech, então você poderia comprar um “passe de jogador” tokenizado que tem seu valor atrelado ao sucesso real deles. E não apenas você apoia o jogador, mas também poderia se beneficiar revendendo o passe caso eles façam sucesso.

“Isso dá a duas comunidades a habilidade interessante de se unirem,” explicou Ryan “Wrecks” Day, CEO da Owned, a criadora do Battle.tech. “Uma são os jogadores que estão procurando ganhar dinheiro jogando videogames, o que é sempre divertido. E então os apoiadores têm a capacidade de especular sobre algo potencialmente novo.”

Esse é o princípio do Battle.tech, que foi lançado na quarta-feira (14) na blockchain Avalanche e está começando com suporte para Counter-Strike 2, o popular shooter de PC baseado em esquadrões. Owned faz parte da Unix Gaming, que no final do ano passado organizou uma série de competições sob a bandeira Game League que premiou com US$ 1 milhão em prêmios em vários jogos.

Apelidado de “Kickstarter para esports”, o Battle.tech permite que os jogadores importem seu histórico de jogos de plataformas de PC como Steam e FACEIT — demonstrando prova de sua habilidade — para criar um passe de jogador. A partir daí, os apoiadores podem comprar os tokens e mantê-los, acompanhando os jogadores através de torneios enquanto eles, esperançosamente, sobem no ranking e causam impacto no mundo dos esports.

Publicidade

Organizações de equipes de esports e outras startups experimentaram várias ativações cripto ao longo dos anos, incluindo acordos de direitos de nome e patrocínios de camisetas, colecionáveis em NFT, tokens de fãs e mais. Mas não seria surpresa se equipes proeminentes de esports tivessem cautela após a implosão do FTX no final de 2022 e o brutal mercado de baixa que se seguiu.

Day disse que as equipes com as quais ele conversou estão observando de perto, mas ele espera que o Battle.tech possa ter um impacto mais imediato em níveis mais baixos de competição, bem como em economias emergentes.

À medida que algumas equipes de esports e operadores de torneios eliminam equipes e ligas alimentadoras para economizar dinheiro, há menos oportunidades significativas para jogadores em ascensão ganharem tração e começarem sua ascensão esperançosa para as grandes ligas.

Na visão de Day, o Battle.tech pode ajudar esses jogadores a ganhar um ponto de apoio, construir uma audiência, ganhar um pouco de dinheiro e, esperançosamente, usar tudo isso como um trampolim que beneficia os apoiadores no processo. E enquanto o Battle.tech está começando apenas com suporte para Counter-Strike 2, ele planeja expandir para Dota 2 e outros títulos, incluindo jogos notáveis de cripto.

Publicidade

Há apenas um grande potencial problema: as plataformas de SocialFi normalmente não têm muita permanência. O Friend.tech na rede de escalonamento de camada 2 do Ethereum, Base, teve um grande momento no último verão, mas as transações diárias desde então caíram mais de 99%. Projetos similares em outras cadeias pegaram um cheiro de hype, mas não mantiveram o entusiasmo.

O que fará o Battle.tech ser diferente?

Day diz que a Owned tem algumas ideias para ajudar a fazer dessa variação de SocialFi em jogos mais do que um sucesso passageiro. Uma é a capacidade dos jogadores formarem equipes na plataforma, então os apoiadores podem comprar participações em esquadrões em vez de apenas indivíduos. E o fato de o valor do passe estar atrelado ao desempenho competitivo poderia dar aos preços uma âncora mais consistente.

Se esses mecanismos vão funcionar na prática ainda está para ser visto, mas pelo menos por agora, o Battle.tech parece ser uma ponte intrigante entre os jogos Web2 e a funcionalidade Web3. O aplicativo é apoiado por uma subnet Avalanche, mas parece que a Owned está tentando tornar o processo de integração relativamente simples antes de adicionar elementos cripto mais profundos.

“Começamos com o que um jogador de Counter-Strike 2 de 18 anos da França vai experimentar,” Day disse ao GG da Decrypt, “e então é como: Como construímos a partir daí, mas introduzimos elementos de blockchain, soberania e todas as coisas em que as pessoas acreditam?”

*Traduzido com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Avenged Sevenfold está transformando fãs de heavy metal em "Evangelistas da Blockchain"

Avenged Sevenfold está transformando fãs de heavy metal em “Evangelistas da Blockchain”

Plataforma descentralizada recompensa fãs do Avenged Sevenfold e gera recompensas por participarem de atividades ligadas à banda
Uniswap, venture, criptomoedas, investimentos, web3

Manhã Cripto: Token da Uniswap despenca 17% após alerta de processo da SEC e Bitcoin recupera os US$ 70 mil

CEO da Uniswap, Hayden Adams, disse não estar surpreso, “apenas irritado, desapontado e pronto para lutar”
Imagem da matéria: EUA não têm autoridade para processar trades DeFi, diz advogado do hacker da Mango Markets

EUA não têm autoridade para processar trades DeFi, diz advogado do hacker da Mango Markets

Avraham Eisenberg é o trader cripto acusado de drenar mais de US$ 100 milhões da plataforma de negociação Mango Markets
Imagem da matéria: Hackers invadem prefeitura, roubam R$ 6 milhões da Caixa e convertem fundos em criptomoedas

Hackers invadem prefeitura, roubam R$ 6 milhões da Caixa e convertem fundos em criptomoedas

PF faz operação nesta manhã contra grupo que sacou dinheiro da Caixa após invadir o sistema GovConta da prefeitura de Telêmaco Borba (PR)