Imagem da matéria: Bancos brasileiros se dividem sobre cobrança de taxa do cheque especial; saiba quais vão cobrar
Foto: Shutterstock

De acordo com as novas medidas anunciadas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) em novembro de 2019, a partir da segunda-feira (06), os bancos que atuam no Brasil não poderão cobrar mais de 8% de taxa no cheque especial. A partir de junho também, o cliente que tiver um limite acima de R$ 500 deve pagar uma taxa de 0,25% mesmo sem usar.

Após a nova medida, o Banco do Brasil e o Banrisul, por exemplo, já decidiram isentar seus clientes da taxa de 0,25% sobre o que exceder o limite de R$ 500. No entanto, a maioria dos bancões ainda não tomou uma decisão em definitivo.

Publicidade

Este é o caso do Itaú e do Bradesco. Ambos não vão cobrar a taxa por enquanto; a Caixa ainda não se pronunciou; o Santander não demorou a informar que vai realizar o cobrança.

OAB pede anulação do Banco Central

Diante disso, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) se pronunciou contra a nova taxa, alegando que a medida é ilegal quando aplicada a quem não usa a modalidade de crédito.

Conforme a entidade, no mês passado, o presidente da instituição Felipe Santa Cruz, e o da Comissão Nacional de Estudos Constitucionais, Marcus Vinicius Furtado Coelho, emiitu um ofício ao presidente do BC Roberto Campos Neto.

De acordo com o documento, a instituição requereu do Banco Central a revogação da cobrança por Cheque Especial não utilizado.

Publicidade

Requereu, portanto, a anulação artigo 2º da Resolução 4.765/2019 da autarquia — por entender que há flagrante violação ao direito do consumidor.

Em um dos trechos, a OAB explica o motivo:

“Não pode o consumidor anuir com uma cláusula que seja abusiva ou com uma obrigação que não seja devida. Nesses termos, não pode ficar sujeito à cobrança de tarifa pela disponibilização de cheque especial, independentemente da efetiva utilização do serviço. Tal previsão claramente coloca o consumidor em uma situação de desvantagem exagerada, ao arcar com um gravame por algo de que não usufruiu, o que desequilibra a relação contratual”. 

Bancos que vão isentar clientes

De acordo com o Infomoney, o Banco do Brasil, o Banrisul e a fintech C6 Bank disseram que não vão cobrar por enquanto a nova taxa de 0,25% em prol do relacionamento com o cliente.

O Itaú também decidiu não cobrar a tarifa pelo menos agora. Segundo a instituição, qualquer mudança será comunicada aos clientes com antecedência.

Publicidade

O Bradesco também quase que ficou ‘em cima do muro’, mas disse em nota que até junho a taxa não será cobrada.

Teto de 8% é para os mais pobres

Voltando ao cheque especial, ao divulgar a medida dos 8%, o Banco Central (BC) argumentou que o intuito é tornar a modalidade de crédito mais eficiente e menos prejudicial para a população mais pobre.

Segundo a Agência Brasil, para a autoridade monetária, as mudanças no cheque especial vão corrigir falhas de mercado na modalidade.

O BC também citou que o sistema antigo, com taxas livres, não favorecia a competição entre os bancos.


BitcoinTrade: Depósitos aprovados em minutos!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em menos de 5 minutos! Acesse: bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
Imagem da matéria: Justiça nega pedido de liberdade para PM acusado de vender armas ao "Faraó do Bitcoin"

Justiça nega pedido de liberdade para PM acusado de vender armas ao “Faraó do Bitcoin”

Réu é acusado de ser responsável pela segurança do criador da GAS Consultoria e vender armas para a organização criminosa
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”