Imagem da matéria: Banco de El Salvador se recusa a revelar dados sobre compras de Bitcoin do país
Foto: Shutterstock

O banco do desenvolvimento de El Salvador, o BANDESAL, recusou-se a fornecer informações sobre as controversas compras de Bitcoin do governo, de acordo com revelações de um órgão anticorrupção do país feitas no domingo (30). 

O banco do desenvolvimento de El Salvador, o BANDESAL, recusou-se a fornecer informações sobre as controversas compras de Bitcoin do governo, de acordo com revelações de um órgão anticorrupção do país feitas no domingo (30). 

Publicidade

Em um tweet no final de semana, o Centro de Aconselhamento Jurídico Anticorrupção de El Salvador (ALAC), que fornece assistência jurídica aos cidadãos para se manifestarem contra a corrupção, divulgou um documento do banco. No documento, a BANDESAL diz que não pode revelar as informações, que classificou como “confidenciais”. 

O BANDESAL é responsável pela gestão dos fundos utilizados pelo governo salvadorenho para os seus projetos de Bitcoin. O pequeno país da América Central no ano passado se tornou a primeira nação do mundo a adotar a criptomoeda como moeda legal. 

A ALAC criticou o BANDESAL pelo sigilo. “A confidencialidade limita a possibilidade de os cidadãos acessarem e receberem informações sobre as operações realizadas com fundos públicos pelo BANDESAL”, escreveu a entidade no Twitter. 

A porta-voz do governo de El Salvador não respondeu aos pedidos de observações do Decrypt

Além de transformar o Bitcoin na moeda local do país, obrigando as empresas a aceitar o ativo, o governo salvadorenho também lançou uma carteira cripto patrocinada pelo estado e deu a seus cidadãos US$ 30 no valor da moeda para gastar. 

Publicidade

Os caixas eletrônicos Bitcoin estão espalhados pela capital São Salvador e os mochileiros podem transacionar livremente seus sats em muitos dos pequenos pontos de surf do país, segundo o Decrypt. A ideia era deixar salvadorenhos—e turistas—tão entusiasmados com o Bitcoin quanto o presidente millennial do país, Nayib Bukele

O próprio Bukele comprou lotes de Bitcoin através do seu telefone. Na verdade, a única informação que alguém tem sobre as compras de El Salvador vem através dos anúncios do líder no Twitter (ele tuíta sempre que faz uma compra de criptomoedas).

Ele gastou US$ 107 milhões em Bitcoin, segundo dados do  site Nayib Tracker. E a queda mais recente do mercado cripto gerou uma variação negativa de US$ 58 milhões para o presidente. 

O governo dos EUA disse este ano que a lei Bitcoin do Presidente Bukele “representava riscos” para o sistema financeiro americano. E o FMI, o Banco Mundial e o JPMorgan também disseram que a medida era uma má notícia. 

Publicidade

Um empresário que pediu para não ser identificado descreveu a situação como “insanidade.” 

“Mesmo o BANDESAL não sabe como o Presidente investiu o dinheiro”, disse ele ao Decrypt. “Os investimentos em Bitcoin são geridos por ele a partir do seu smartphone.”

Mas, apesar das críticas, o Presidente Bukele continua popular: uma pesquisa da CID Gallup divulgada no início deste mês mostrou o líder com os mais altos índices de aprovação da América Latina.

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Vitalik Buterin na ETH Taipei 2024. Foto: Rug Radio

Como o fundador do Ethereum, Vitalik Buterin, mantém suas criptomoedas seguras

“Descentralize sua própria segurança”, diz Buterin – mas ele não usa uma cold wallet para suas próprias criptomoedas
Bitcoin em gráfico de alta com seta azul apontado para o alto

Traders esperam que Bitcoin supere a máxima de US$ 74 mil em breve

“Esperamos um impulso de alta aqui que pode nos levar de volta às máximas de US$ 74 mil”, disse a QCP Capital sobre o momento do Bitcoin
Imagem da matéria: Há 2 anos, LUNA caia para zero; relembre um dos dias mais caóticos do mercado cripto

Há 2 anos, LUNA caia para zero; relembre um dos dias mais caóticos do mercado cripto

Em maio de 2022, o ecossistema da Terra (LUNA) entrou em uma “espiral da morte” que levou uma das criptomoedas consideradas mais promissoras daquele ano a cair para zero em 24 horas
Pessoa olha para scanner da Worldcoin

Hong Kong bane Worldcoin por coleta de dados “desnecessária e excessiva”

A Worldcoin chegou a escanear o rosto e a íris de 8.302 indivíduos durante sua operação em Hong Kong, segundo autoridades