Fachada da sede do Banco Central do Brasil
Foto: Shutterstock

O Banco Central divulgou nesta quarta-feira (21) um comunicado informando que irá fazer consultas públicas para definir a regulamentação do mercado de criptomoedas no Brasil. A entidade foi escolhida pela presidência da República para ser o ente responsável por criar regras e fiscalizar o setor, conforme era previsto na Lei 14.478/22, que entrou em vigor na terça-feira (20). 

Segundo o BC, a regulamentação está em construção e os técnicos querem fazer uma consulta pública para ouvir a sociedade antes de divulgar a regra definitiva.

Publicidade

“O arcabouço normativo a ser estabelecido compreenderá aspectos relacionados às atividades desenvolvidas pelas entidades entrantes e instituições que porventura pretendam atuar nesse ambiente, considerando aspectos relacionados aos regramentos de autorização, operacionais, de conduta, de gestão de risco e de capital, das operações e serviços oferecidos”, afirma o BC. 

Além disso, o BC cita ter como objetivo a coibição de fraudes, preservação da integridade de mercados e mitigação de riscos devido a “interrelações entre os segmentos tradicionais e descentralizados”.

Em reportagem do Portal do Bitcoin, o advogado Isac Costa lembrou que vários pontos sobre o setor estão agora pendendo de definição do Banco Central: “A fiscalização da prestação de serviços, a exigência de autorização e a comunicação ao COAF de operações suspeitas precisa esperar o detalhamento que ainda virá”.

Decreto fixa BC como regulador

No último dia 14 de junho, foi publicado o decreto que regulamenta a aplicação da Lei das Criptomoedas no Brasil. O documento determinou o Banco Central como órgão regulador desse setor.

Publicidade

O Decreto 11.563 é assinado pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, pelo ministro da Economia, Fernando Haddad, e pelo presidente do BC, Roberto Campos Neto. 

O decreto estabelece que o Banco Central irá regular a prestação de serviços com criptomoedas (chamadas de “ativos virtuais” no texto) e terá o poder de autorizar quem pode atuar no mercado. O BC também tem o poder para supervisionar o funcionamento do setor. 

O texto deixa claro que as atribuições da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) foram mantidas. A entidade será responsável por regulamentação em casos que os ativos virtuais sejam configurados como valores mobiliários. 

Como regulador, o Banco Central terá diversas atribuições e poderes. Será o órgão que poderá autorizar o funcionamento da empresa cripto, a transferência de controle, fusão e cisão.

Publicidade

O BC também poderá estabelecer condições para o exercício de cargos em órgãos estatutários e contratuais nestas empresas e autorizar a posse e o exercício de pessoas para cargos de administração.

VOCÊ PODE GOSTAR
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos
Pessoa inserindo chip no celular

Justiça manda TIM pagar R$ 21 mil a cliente que teve celular clonado e perda de criptomoedas

A partir da clonagem do celular, os invasores tiveram acesso ao email e posteriormente a uma carteira cripto na Binance
Presidente do Banco Central Roberto Campos Neto falando diante de um microfone

Presidente do Banco Central se reúne com MB um dia após anunciar agenda da regulação do mercado cripto

O Banco Central divulgou ontem os próximos passos para a regulação do setor cripto e espera concluir o processo até o final de 2024
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken